3 . Passeando pelos Balcãs – Rumo à Roménia

(continuação)

13 de agosto de 2013

– Miss Sarajevo…

Eu não conseguiria evitar de ir a Sarajevo…

Que me importava a praia e o mar e os sítios onde toda a gente vai? Iria estar calor, iria andar pelo interior e até pela montanha, mas eu iria lá!

Logo a seguir à saída da cidade de Dubrovnik fica a fronteira com a Bósnia e começa a paisagem serena e verde com terrinhas pequenas a pontear o meu caminho.

Não foi complicada a passagem da fronteira, apenas mostrar o passaporte e seguir viagem! O mar podia-se ver ainda, lá da fronteira!

Mais à frente fica Trebinje, a cidade mais a sul da Bósnia e, quem vem de Dubrovnik, passa por ela, estendida no seu imenso vale e atravessada pelo Rio Trebišnjica.

Não a visitei a pormenor, tinha outra grande cidade em mente, mas terei de voltar ali para vê-la porque sei que é uma belíssima cidade. Desta vez parei na berma da estrada e apreciei-a de longe, no ponto em que a estrada iria voltar-se para o outro lado do monte e eu deixaria de a ver. Por isso parei e gravei aquela paisagem na memória, como quem pede desculpa por seguir sem parar e dar a devida atenção a tão bonito recanto de um país.

Prometi “eu voltarei para te ver!” e segui o meu caminho…

Para mim é sempre reconfortante encontrar pastores num país estranho, transmite-me a sensação de gente que tem do que viver, gente que vive como a minha gente!

Contornei o Bilecko jezero, um lago artificial enorme, o segundo maior lago dos Balcãs, encantador àquela hora da manhã! E foi ali que vi o que devia ser o único incêndio de toda esta viagem, e nem tenho a certeza se não seria apenas uma fogueira, pois a coluna de fogo era pequena e, ao fim da tarde, quando eu regressava, não existia mais!

Por baixo daquele lago existe uma vila evacuada e inundada aquando da sua construção, como acontece em tantos lagos deste mundo. Curioso o efeito refrescante que a visão da água teve sobre mim num momento encantador, mas de calor já muito intenso!

O Parque Nacional de Sutjeska veio a seguir, tornando o caminho muito bonito.

Eu esperava encontrar o memorial que me tinha enchido os olhos, de entre os muitos memoriais jugoslavos, hoje chamados de Monumentos Esquecidos da Ex-Jugoslávia e, depois de caminhos lindíssimos que atravessam o Parque Nacional de Sutjeska, ele estava ali, imponente no topo de uma colina arredondada, o Tjentište Memorial, no vale dos heróis!

O monumento é tão grandioso como surrealista naquela envolvência natural, rodeada de montanha e verde.

Dois blocos de cimento armado de dimensões descomunais que desafiam os nossos sentidos…

Ele relembra a Batalha do Sutjeska, em 1943, que pretendeu capturar Josip Broz Tito, o mesmo que mandou construir este e outros memoriais, uns anos após o fim da II Grande Guerra.

Por trás dele uma série de degraus levam a um pequeno recinto onde são lembrados os batalhões que ali lutaram e pereceram…

Totalizando cerca de 300 degraus desde a base da colina e o início do percurso…

Lá de cima tem-se uma perspetiva deslumbrante do monumento!

Hoje ele está ali, como um elefante branco que faz as pessoas pararem ao avistarem-no da estrada, mas falta-lhe o protagonismo que mereceu durante muitos anos, enquanto a Jugoslávia ainda era um país e as pessoas buscavam ali essa força nacionalista que compensaria, talvez, a falta de determinação de cada um dos seus verdadeiros países!

Estava lá um carro e eu pensei em levar até lá a minha moto, mas acabei por não o fazer, o caminho era um carreiro serpenteante e não valia a pena dar tão grande volta. O carro serviu para fazer de escala e tornar mais fácil a perceção da dimensão do monumento!

E o altar, visto de cima, parece um altar druida, no meio da natureza!

A imagem do local prende a atenção, custava-me ir embora!

Sarajevo fica logo a seguir!

Sarajevo era aquela cidade que eu queria visitar desde a guerra que a cercou, sitiou e destruiu, há 17 anos atrás. Uma cidade cheia de história onde se cruzam culturas, hábitos, costumes e religiões. A cidade é praticamente plana, no vale com o seu nome, rodeado de colinas, mas tem uma colina que a domina, ali, onde fica o Cemitério Alifakovac…

Visitar aquele cemitério, onde tanta gente foi sepultada após a guerra, em que morreram mais de 12.000 pessoas, recolhidas de todos os sítios onde haviam sido enterradas às pressas durante o cerco… teve um efeito muito profundo!

É tudo tão recente, todas aquelas sepulturas são de gente que morreu entre 1992 e 1996, que choca muito mais que cemitérios das duas guerras mundiais! Como se afinal tudo possa voltar a acontecer…

A cidade renascida ao fundo…

“Descobrir Sarajevo foi um encanto tão desejado quanto inesperado! A cidade que se recompôs tão rapidamente de imensos e graves ferimentos, está de pé, cheia de contrastes e belezas diferentes! Edifícios modernos coexistem com ruelas estreitinhas ladeadas de lojas e barezinhos, cujos toldos quase se tocam de um lado para o outro do caminho. As cicatrizes da guerra e do longo cerco à cidade ainda são visíveis, em furos cimentados pelas fachadas dos edifícios mais altos, mas a zona pitoresca está perfeita e encantadora. Todos os receios se revelaram infundados, Sarajevo é aquela cidade simpática a revisitar com calma, mais dia menos dia!”

A Gazi husrev-bey mosque, considerada a mais importante construção Islâmica do país e um dos melhores exemplos do mundo da arquitetura otomana.

As ruínhas são encantadoras e intrincadas, cheias de lojinhas e esplanadas com bancos baixinhos e gente a tomar chá!

Os cemitérios otomanos estão um pouco por todo o lado, como jardins!

Mas havia algo que eu queria muito visitar na cidade, do outro lado, perto do aeroporto!

O túnel da esperança!

A cidade esteve cercada durante 3 anos e sobreviveu graças à criatividade do exército bósnio, que construiu um túnel por onde passou tudo o que foi necessário para garantir o mínimo a uma população sacrificada!

O túnel foi escavado por baixo do aeroporto, em condições muito difíceis, dado que o túnel se inundava frequentemente e não havia materiais adequados nem para expelir a água. Os soldados trabalharam 24 horas sobre 24, por turnos durante 5 meses até chegarem ao lado de lá!

Foi escavado à mão, com pá e picareta e a terra transportada em carrinhos de mão!

Por ali passou ajuda e materiais de todo o tipo para a população e soldados, numa cidade onde nada havia, nem luz, nem combustível, nem material medico suficiente….

Durante um bloqueio de mil dias, o túnel foi de esperança e de salvação. Através dele milhares de toneladas de alimentos, dispositivos técnicos militares, combustível e materiais médicos entraram na cidade!

Feridos graves foram evacuados e soldados, funcionários e superiores militares entraram e saíram.

“O túnel tornou-se um símbolo da resistência do povo desarmado, a um dos exércitos mais poderosos da Europa!”

Ele parte de uma casa insuspeita, de uma família comum, que permitiu que o exercito a usasse como ponto de partida. É comovente ver fotos da velhota, dona da casa, a dar água aos soldados!

Hoje a casa é um museu que guarda os “comboiinhos” que faziam o transporte de tudo…

Ali houve mesmo uma luz ao fundo do túnel…

A casa está lá, cheia de buracos de balas, como ficou depois do cerco acabar!

Depois continuam os cemitérios! Depois dos islâmicos e dos otomanos, que se podem encontrar em qualquer canto na cidade, os cristãos, cheios de cruzes e gravuras curiosas!

Voltei à estrada com a cabeça cheia de sensações e ligações a momentos vividos muitos anos antes, quando a guerra da Bósnia e o cerco de Sarajevo preocuparam os meus dias.

Os polícias Bósnios eram uns risonhos! Mandaram-me parar vezes sem conta, apenas para saber de onde eu vinha e se era mesmo uma mulher! Aqueles que não me mandaram parar à ida, mandaram-me parar à vinda!

Num momento em que eu vinha completamente distraída pelo meio dos montes, um jovem e muito interessante polícia mandou-me parar. Quase derrapei para o fazer pois não contava encontrar polícia numa curva da montanha!

“Sabe que o limite de velocidade aqui é de 40km/h?” – perguntou ele.

“Oh, mas aqui o meu amigo diz que são 60km/h!” – exclamei eu apontando o sinal redondo de 60 no meu GPS.

Ele espreitou – “Pois, mas o seu amigo está enganado.” – disse. Fiquei a olhar para ele como quem fez uma asneira esperando o que viesse! – “Pode seguir.” – disse ele então, com um sorriso, e piscou-me o olho!

Puxa, que menino giro e simpático! Se eu pudesse tinha-lhe tirado uma foto!

Depois vieram as vacas! Detesto cruzar com vacas que me olham fixamente! Fico sempre com a sensação que se ela vem e se encosta, não haverá nada que me salve debaixo dela! Como eu desejei que o polícia simpático estivesse mais perto um pouco para me salvar!

As ovelhas são muito menos assustadoras, correm para todos os lados e são mais pequenas do que a moto!

O lago Bilecko estava encantador ao entardecer!

Trebinje estava quase invisível!

E Dubrovnik estava linda!

Fui jantar à cidade, que é muito bonita à noite, com as suas ruelas estreitinhas de pedra polida e brilhante!

Ali é terra de peixe, e que bom peixe! Comi mexilhões porque não resisti ao seu aspeto! Tive de apontar para o prato dos vizinhos pois descobri que não sabia o seu nome em inglês! Tão cedo não me vou esquecer, chamam-se: Mussels

A Stradun, aquela rua que é quase uma praça, de tão larga, é pavimentada a calcário o que a faz brilhar. Mas naquela noite estava cheia de gente e pouco se via do seu chão. Ela é a rua principal de cidade desde o séc. XIII.

A Igreja de São Brás estava aberta àquela hora!

E tudo era uma animação! Parecia que estava em Espanha, onde o jantar se prolonga até à ceia e a festa até às tantas!

Um grupo de rapazes queria trocar o meu chapéu por um chapéu todo colorido! Diziam eles que eu, toda de preto, iria ficar um espanto com um chapéu azul turquesa ou vermelho!

E o porto velho com a Fortaleza de São João logo ao lado!

Aquela população viveu sempre do mar, até chegar o turismo, e dizia a tradição que cada homem devia plantar 100 ciprestes durante a sua vida, para poder um dia construir o seu próprio barco. Dizem que por isso hoje há tantos ciprestes em torno da cidade!

E fui-me despedir da Stradun e da torre do relógio e fui dormir!

E foi o fim do 15º dia de viagem!

**** ****

14 de agosto de 2013

– De Dubrovnik até Kotor… –

Este seria o dia de explorar um pouco de um novo país na minha história: Montenegro!

Mas antes de seguir para qualquer lado fui visitar Dubrovnik de dia! O mesmo lugar de estacionamento da noite anterior estava à minha espera, foi só parar e seguir caminhando!

Gostei particularmente das ruínhas que descem quase a pique, com escadinhas e lampiões em todo o seu cumprimento, até ao centro da cidade, até à Stradun.

Apetece mesmo capta-las em ambos os sentidos a todo o momento!

A igreja de São Brás estava de novo aberta… ou estaria ainda aberta?
Esta igreja barroca, do séc. XVIII, é muito importante e muito visitada, pois é dedicada ao padroeiro da cidade!

O porto estava tão bonito àquela hora da manhã!

Pensar que a cidade foi profundamente afetada pelo conflito da separação da ex-Jugoslávia! Foi cercada e bombardeada pelo exército da Sérvia & Montenegro, uma calamidade que foi muito bem recuperada e apagadas as suas feridas!

Na realidade os montenegrinos não queriam que a cidade ficasse com a Croácia, já que a consideravam historicamente sua, mesmo sendo a sua população maioritariamente croata e nem sequer ter muitos montenegrinos residentes! Coisa de sonhos de impérios grandiosos, mesmo que à força, e contra tudo e contra todos!

Estava muito calor já e eu não resisti aos meus desejos de momento e, tirando as botas, sentei-me num degrau do cais com os pés dentro da água transparente e fresquinha! Os turistas que se amontoavam para entrar nos barcos que fazem visitas na zona, ficaram a olhar para mim, com vontade de fazer o mesmo. Um velhote ainda fez menção de tirar os sapatos mas o piloto do barco veio busca-lo para partirem! Eheheh

Depois foi passear por ali, apreciando pormenores de uma cidade pavimentada e construída em pedra calcárica!

Como será caminhar por ali em tempo de chuva? Não será demasiado escorregadio?

A torre do relógio, medieval, parecia iluminada pelos céus!

E dava gosto apreciar a longa avenida sem os magotes de turista do dia anterior!

As ruínhas laterais pareciam chinocas de tanto lampião por ali acima!

As perspetivas lá de cima da estrada são fantásticas! Ficou marcada uma nova visita mas, da próxima vez, para demorar-me por ali, ficar, dormir e visitar em pormenor!

E experimentar aquelas praias de águas transparentes e deslumbrantes!

Este era o 3º mar que eu visitava naquela viagem, embora fossem todos Mediterrâneo, para além dele passara pelo Mar Lígure, na ribiera italiana, e agora no mar Adriático! Ao todo, certamente fiz 7 mares, digo eu!

Dubrovnik ficava para trás à medida que eu me aproximava de Montenegro.

A entrada em Montenegro foi rodeada por ciprestes! Será que os marinheiros croatas foram plantando os tais 100 ciprestes por cada um, até Montenegro?

Não houve qualquer dificuldade em passar a fronteira, apenas havia fila! Os habitantes de ambos os países cruzam a fronteira facilmente, mas havia também muitos alemães e italianos.

Então cheguei a um ferry! Eu sabia que havia caminho por terra mas apetecia-me tanto atravessar o mar! Dava a sensação que seria tão fresco andar por cima da água que eu fui perguntar a um dos policias controladores do trafego para o cais, como devia fazer para atravessar sem dinheiro!

“Não tens nenhum dinheiro?” – perguntou ele.

“Não tenho dinheiro do vosso!” – respondi

“Então que dinheiro tens?” – ele punha as mãos nas ancas e olhava para mim à espera que eu dissesse uma moeda qualquer esquisita, afinal eu vinha a Croácia e eles conhecem a sua moeda!

“Eu tenho euros!” – enfiei as mãos nos bolsos e mostrei 20€

“Mas aqui é euros!!” – exclamou ele espantado.

Bolas senti-me mesmo burra! Então eu fiz o trabalho de casa e não me lembrava mais que Montenegro, embora não faça parte da zona euro adotou a nossa moeda!

Siga para bingo e a minha motita fez sensação entre carros e bicicletas. Uma senhora de alguma idade veio pedir-me para tirar me uma foto junto da moto, depois a nós as duas mais a moto. Quando dei por mim toda a gente no barco olhava para mim e para a moto!

A baía de Kotor é um espanto que eu queria apreciar de todos os ângulos!

Kotor é encantadora, com um porto natural e toda uma baia em seu redor, como uma imensa piscina de tão calmas e belas são as suas águas!

Fui visitar a vila que é muralhada e é património da Humanidade!

Na realidade parece uma terrinha de brincar, com ruínhas estreitas e praças encantadoras que parecem ter sido decoradas para turista ver!

A igreja de São Lucas, fica ali no meio e, curiosamente, já foi de culto compartilhado entre ortodoxos e católicos, embora atualmente só se realizem ali celebrações ortodoxas.

Logo à frente fica a Igreja Ortodoxa Servia de São Nicolau.

Almocei ali, ao lado da catedral, umas lulas grelhadas deliciosas, com cerveja montenegrina 5 estrelas!

Para depois continuar as minhas explorações dos recantos e ruelas que eu tanto aprecio!

Achei um piadão à corda de estender a roupa, com roupa gigante pendurada com molas igualmente gigantes, na torre sineira da igreja de Santa Maria!

E ali ao lado fica uma das portas da cidadela, a Porta do Rio, ou Porta do Norte, do séc. XVI, com o rio a parecer falso de tão intensa que é a sua cor!

Passei por uma “estrela” de gato que posava placidamente para uma série de turistas que se aplicavam a sério para lhe apanhar o melhor ângulo!

A catedral de São Trifon é um edifício românico do séc. XII muito curioso! As suas torres são diferentes porque ela foi muito danificada por um terramoto no séc. XVII e, não havendo dinheiro para a restaurar completamente, foi feito o possível. Mais tarde voltou a passar por um outro terramoto, nos anos 70 do século passado, mas desta vez foi recuperada tal e qual era!

Por dentro ela é em tons de vermelho e salmão, em efeitos muito curiosos!

Pode-se visitar o tesouro que fica no andar de cima com acesso à varanda, de onde se vê toda a praça!

E fui deambulando por ruelas onde os turistas não se metiam, gosto de ver tudo o que puder sozinha!

E voltei à Trg od Oruzia, a Praça das Armas onde tudo se passa e de onde muita gente parecia não querer sair!

Aquele relógio tem 4 séculos!

E fui passear pela baía…

A Baia de Kotor é um deslumbramento em todos os ângulos que a observemos! Chamam-lhe Bocas de Cattaro ou Bocas de Kotor, ou ainda a Baía de Cátaro. Curioso como há nomes por ali que se assemelham aos daqui! Claro que me lembrei logo do país dos Cátaros, no sul de França! Será que tem algo a ver? Certamente que não, mas não deixa de ser curiosa a semelhança.

Ao contrario das paisagens que estamos habituados por aqui, em que depois do mar vem a praia, onde ele rebenta estendendo-se pela areia, ali há o mar e os fiordes por vezes profundamente vertiginosos, criando paisagens de extraordinária beleza!

Passeei-me em seu redor deslumbrando-me a todo o momento com o que os meus olhos viam, segura de que fotografia alguma conseguiria captar toda a aquela beleza. Montenegro, onde os montes são realmente muitos, mas de negro nada têm!

Simplesmente eu não conseguia seguir caminho! Parava a cada passo para ver e para me deslumbrar!

Depois lá me embrenhei pelo Parque Natural de Lovcen, por uma ruínha única que, embora estreitinha, era de 2 sentidos e era uma estrada nacional!

Por ali encontram-se os mais variados memoriais ao mortos da II Guerra, mas nada que se compare com os grandes monumentos que já visitara. Apenas lembretes, quando comparados com os outros, monumentais!

A partir de Cetinje comecei a subir para o Lovcen, onde fica o Mausoléu de Njegoš, o Shakespeare de Montenegro!

À medida que se vai subindo vai-se tendo uma perspetiva cada vez mais espantosa de toda a área do parque!

E pimba, o mausoléu estava em obras! Lá tive eu e muita gente de deixar a moto cá em baixo e subir o resto a pé!

Na realidade se não estivesse em obras o percurso também seria feito a pé, a única diferença é que subira por escadas civilizadas e não por escadas escavadas na rocha e cheias de cascalho solto!

Ao chegar ao mausoléu propriamente dito cruzei com um casal de motards, ambos carecas! Não posso negar que é prático usar o cabelo rapado… mas a mulher era tão feia que assustava!

E lá estava o Njegoš, todo coberto de pó!
O homem que foi politico, filosofo e poeta, entre tanta coisa que deu a Montenegro, como a secularização do estado, não é por acaso que ainda hoje tem a importância que tem!

Ele nasceu perto de Cetinje, numa pequena aldeia e quis ser sepultado lá, mas com a destruição do templo onde esteve, acabaram por lhe construir um mausoléu no “topo do mundo” o que foi controverso já que era sua vontade permanecer num local modesto!

Na verdade a construção é magnífica e fica num ponto incrivelmente espantoso!

Vale a pena subir ali só pela paisagem e pela serenidade fresca que ela nos transmite!

Cetinje lá ao fundo, aquela que ainda hoje é recordada como a capital do reino de Montenegro no início do século passado, entre 1910 e 1918.

Claro que não vim embora sem me despedir do homem, tinha de ser, a passagem passa por ele! Lá continuava coberto de pó, esculpido num bloco único de granito verde-escuro de quase quatro metros de altura e com 28 toneladas de peso! Garantido que nunca sairá dali!

O senhor da entrada ofereceu-se para me tirar uma foto, para me compensar, já que eu reclamei ter de pagar bilhete para ver o homem todo porco, e tudo cheio de pó! Eheheh

Na descida pude ver melhor o caminho e a paisagem com Cetinje sempre no horizonte!

Muita gente faz montinhos de pedrinhas por ali, fica muito giro e pedrinhas é o que não falta!

E fiz eu mesma o meu montinho de pedras! Ficou giro!

O caminho faz-se por cima da gruta onde fica a escadaria que leva ao mausoléu, enquanto a estão a renovar e não se pode passar. Não entendi muito bem porquê, pois se o mausoléu foi inaugurado nos anos 70, precisamente em 1974, já estava assim estragada a escadaria em pedra? Será que as pessoas que lá foram todos estes anos tinham cascos em vez de pés?

O que vale é que para baixo todos os santos ajudam!

Cá de baixo, de uma curva no caminho, podia-se ver a entrada da escadaria, como um buraco no monte!

E mais á frente o mausoléu parece uma pedrinha lá em cima!

E segui para Podgorica, avistando ao longe o lago Escútare ou Skadarsko jezero, surrealista!

E foi o fim do 16º dia de viagem!

**** ****

15 de agosto de 2013

– Budva, Sveti Stefan e o Canon do Moraca! –

Eu estava alojada junto ao Canon do Moraca, aquele rio fantástico de águas turquesa que fura por entre penhascos! Mas a noite foi de tempestade, eu pude ouvir o vento que soprava muito forte e a chuva a bater-me na janela… uma pena, porque eu fora até Podgorica para visitar a zona e o rio, e o tempo parecia não estar para ajudar, nem sequer me apetecia sair da cama para ir para aquela luta! Bolas…

Mas saí! Esperava-me um pequeno-almoço muito variado e interessante “bem, se não passear, pelo menos como!”

O temporal estava precisamente a montante do rio, onde eu queria ir! Fiquei ali a olhar para o céu e a ver para que lado soprava o vento, pois levaria o temporal consigo, já que era bem forte. E sim, levava as nuvens negras para o lado onde já estava negro e que, por acaso, era para onde eu queria ir!

No problem, mudança de planos, peguei na motita, tirei-lhe a top-case e segui para o lado inverso!

Uma pena o céu estar cinzento, Podgorica ficou com um ar mais triste por causa disso!

Podgorica, a capital do Montenegro, já se chamou Titogrado em honra do marechal Josip Broz Tito, o tal que manteve a Jugoslávia unida, contra tudo e contra todos, governando “Seis repúblicas, cinco etnias, quatro línguas, três religiões, dois alfabetos e um Partido”.

A cidade é literalmente fendida pelo rio. Curioso o estado natural em que ele se conserva, com as bermas em escarpas terrosas e pedregosas!

E lá fui seguindo para a costa, onde o tempo não estava nenhuma beleza, mas pelo menos não chovia!

Se aquele céu estivesse azul, a paisagem seria um deslumbramento, com Budva cheia de gente e movimento lá em baixo!

Estava bastante calor, o tempo encoberto apenas acrescentou humidade ao ar!

A Budvanska rivijera é muito procurada pelas praias, restaurante, hotéis e vidinha noturna! Eu pela vida noturna não me esforço muito mas pela praia, estava mesmo a apetecer!

Por isso fui ver se arranjava um pedaço de areia para me pôr! Para minha surpresa fui muito bem recebida por quem estava, e uma senhora velhota indicou-me a sua “espreguiçadeira” para eu me estender! Depois entendi que ela tinha duas reservadas como suas e como o marido andava a passear junto à água, ela ofereceu-me o seu lugar para eu me estender! Tão simpática!

Mesmo atrás fica uma fileira de restaurantes, cafés e tendas de todas as tretas!
Passei ali boa parte do meu dia, em conversa complicada com as pessoas que falavam pouco inglês, mas que se faziam entender! Um senhor aproximou-se cheio de curiosidade e ao saber que eu era portuguesa exclamou “Big Figo and Eusébio! Ronaldo is for girls!”

Depois de um tempo simpático e um almoço mais universal que regional voltei para a minha motita. Estava acompanhada. As pessoas ficaram atrapalhadas quando perceberam que ela era minha! Fiz-lhes sinal de que não havia problema e lá tiraram as fotos que quiseram com a criancinha e a moto, agradecendo-me muito!

Logo ali à frente, apenas a 6 ou 7 km de Budva, fica Sveti Stefan, uma ilhota ligada a terra por um istmo, que é um resort que vale a pena ver, mesmo de longe! Fui até lá!

Na sua origem foi uma fortificação do séc. XV, construída para defender a linha costeira, posteriormente uma aldeia que foi completamente adquirida pelo major Tito, que a transformou num resort de luxo.

Tentei aproximar-me. Lá em baixo à um “torniquete” com um guardião que o abre a quem quer!

Tentei entrar, estava uma motinha pequena estacionada num parque sem nada mais do que ela. O homem não me deixou ficar, disse-me que não havia lugar!!

Fiquei a olhar para ele, com ar de quem não vai reclamar mas o acha anormal de todo!

Voltei para cima, pela ruela onde é proibido estacionar! Raios, eu não iria deixar a moto a quilómetros para caminhar até ali! Parei junto a um jovem policia que vira a meio da subida. Ele estava do outro lado da rua a mandar os carros voltarem para cima, chamei-o sem desmontar da minha moto.

Perguntei-lhe onde podia parar a moto por uns minutos enquanto ia até à ilha, “no parque lá em baixo!” – respondeu ele como se fosse óbvio. “o homem diz que não há lugar para a minha moto lá!”- expliquei eu. Ele fez um gesto com o dedo como se aparafusasse a cabeça, do tipo, o homem é mas é tolo e mandou-me pô-la junto da dele e, enquanto eu a encostava bem à berma da estrada ele aproximou-se com outro rapaz. Perguntou-me de onde eu vinha.

Quando me fazem esta pergunta numa viagem nunca sei muito bem o que querem saber!

De onde venho quando? Agora, venho de Budva; hoje venho de Podogrica; neste ponto da viagem venho da Croácia; de origem, venho de Portugal! Complicado de responder, não é?

Ficou impressionado por eu vir de tão longe e, ao perceber que eu não tinha vindo de ferry ficou mudo de espanto! Mostrei-lhe o mapa total da viagem, percebeu então que ainda tinha muita estrada para fazer!

Adorou a minha moto, propôs trocar a minha pela sua, que eu era muito pequena e magrinha para ela e ele era muito maior e mais forte do que eu!

Lá o deixei mais o amigo a apreciar a minha Ninfa e fui passear pela zona.

Acho sempre piada quando encontro palavras que parecem nossas!

As praias ali têm a areia meio rosada que lhes dá um ar quase artificial!

Bolas, mas eu queria era ir até à ilha dar uma voltinha e ver como aquilo é por dentro! E não se pode! É só para hóspedes!

Fiquei meio desiludida! Por outro lado que se lixe, não teria muita piada ir passear para o meio de uma série de hotéis com gente chique… digo eu, que não pude lá ir!

Segue-se pela beira da praia, a do lado direito estava vazia, e vai-se tendo perspetivas interessantes da ilha e da praia.

Mais à frente estava montes de gente quase a fazer fila para fotografar ou ser fotografado com a ilha como cenário!
Coisa de pobre que não pode entrar como eu, mas pode fazer de conta!

E, como eu também sou pobre, aproveitei a deixa de me pedirem para tirar fotos para ser fotografada também!

Foi ao ver a foto que me apercebi como o sol me tinha marcado tanto dos últimos dias! A marca da fita da máquina fotográfica era tão forte no meu pescoço e a parte de baixo do rosto estava visivelmente mais escura que a de cima! Mas eu estava feliz, e isso é que me importava mesmo!

Quando voltei de novo à minha moto o policia veio ter comigo, pensei que me iria dizer algo porque eu demorara bem mais do que os 10, minutos que prometera! Chegou perto de mim e estendeu-me a mão com uma chave, a chave da sua scooter: “Então, é neste momento que trocamos de moto?” – perguntou com um grande sorriso.

“Não poderia trocar, tenho uma viagem para continuar!” – respondi.
“Com a minha scooter não teria qualquer problema, seguramente ninguém te incomodaria até chegares a casa!”

Seguramente que não! Ela tinha “Policija” escrito na frente e o pirilampo azul atrás! eheheh

Ainda fiquei ali um bocado na conversa e na risota com ele e parti dizendo, como sempre faço, “Bye and, your country is very, very beautiful!” porque, além de ser verdade, as pessoas merecem sabe-lo!

Na costa os hotéis continuam e a zona de passagem é meio privada. Fiz uma foto-caricatura de nós as duas, eu e a Ninfa, num dos muitos espelhos de auxílio à condução que há em todos os cruzamentos por ali!

Parei para ver a coisa de longe e segui pela costa para sul, para seguir de volta para Podgorica.

Mais abaixo entra-se em ângulo reto em relação à costa e atravessa-se uma ponta do lago Escútare ou Skadarsko jezero, que vira no dia anterior de longe. Infelizmente a linha do comboio não permite aproximar dele naquele ponto!

O calor voltava a estar meio infernal e eu só pensava em abastecer-me de água fresca!

Passei em Podgorica, no meio de uma planície que parece nunca mais acabar, rodeada de ciprestes

Há infinidades de bancadas de venda de fruta pela berma da estrada, mesmo no centro da cidade! Repuxos improvisados de mangueiras que deitam água sobre as melancias, garantem que a fruta não estará quente se a compramos! Os figos são uma das minhas frutas preferidas e não resisti a experimenta-los: eram simplesmente D E L I C I O S O S!

E logo a seguir ficava o meu hostel e começava o deslumbramento do Canon do Moraca!

São quilómetros de frescura e beleza que acompanhei com pausas refrescantes e figos doces e suculentos!

Há momentos em que parece que a estrada é apenas um rasgão no rochedo onde nada cabe, mas na realidade a estrada é larga e passa por ela todo o tipo de veiculo, até ao maior camião!

Um carro com 5 jovens caíra ali havia pouco tempo, naquele ponto da estrada, estava lá montado todo um altar, com flores e as fotos deles! Eu tinha parado para ver o rio lá em baixo e fiquei chocada ao imaginar alguém cair ali de carro!

Preparava-me para seguir quando apareceu um tipo sei lá de onde, pois aquilo é longe de tudo, não há sequer uma cabana perto. Dizia ele para eu lhe dar a máquina fotográfica que ele me tirava uma foto a conduzir na rua! Apenas fez um gesto na direção da maquina que eu trazia pendurada ao peito e eu passei-me, fiz um ar de má e atirei-lhe com um “What??” tão convincente e autoritário que o homem desapareceu na natureza!

Se tinha má intensão era burro o suficiente para não perceber que bastava dar-me um empurrão e eu cairia mais a moto, pois estava em posição bem instável! Mas o meu ar deve ser mais intimidatório do que eu podia imaginar! Eheheh

E passeei o resto da minha tarde por aquelas paisagens, voltando para o hostel onde me esperava um belo e baratinho jantar. Os hotéis e hostels têm visível prazer em assinalar que são “biker friendly”

Naquela noite fiz serão no bar, um pequeno pavilhão construído em madeira, onde a net era forte e me permitia fazer uma série de pesquisas. O patrão, que estava numa mesa perto com um grupo de amigos, achou-me muita graça e ofereceu-me toda a cerveja que eu quis beber! Ele falava pouco inglês, mas o filho foi traduzindo o que ele me queria dizer, tinha-me visto em Budva e ficara espantado com o conjunto que fazíamos, a moto e eu e, sem imaginar que eu estava hospedada no seu hostel! Quando me viu chegar ali ficou todo vaidoso, até tirou fotos à moto para mostrar aos amigos! Foi muito engraçado o serão!

E foi o fim do meu 17º dia de viagem!

**** ****

16 de agosto de 2013

– 4 países num dia… de Montenegro até à Grécia! –

E chegava o momento de seguir para um dos grandes destinos desta viagem!
Há sempre um ou dois destinos que me direcionam numa viagem, esses que ditam para que lado ir, e este era na Grécia, o que me faria atravessar 2 países para lá chegar! Por isso naquele dia eu faria quase 700 km por 4 países: Montenegro, Albânia, Macedónia e Grécia!

Embora tivesse uma longa distância para percorrer não me sentia nada preocupada nem pressionada! Há dias assim, em que o calor é mais aflitivo do que os quilómetros e aquele dia prometia ser quente de novo. Lembro-me que durante a noite molhei diversas vezes o meu lenço para limpar o rosto e o pôr sobre a cabeça, como se faz quando as pessoas têm febre, porque o calor era muito e eu sentia-me febril, mesmo com o ar condicionado ligado!

Começava a achar que nunca me livraria do sofrimento do calor e tratava mas era de me mentalizar para ele, como um tropa se prepara mentalmente para uma missão dura!

À hora que me levantei ainda apetecia andar por ali a passear, em redor do hostel, enquanto o pequeno-almoço era preparado!

O edifício é voltado para o rio, que fica do outro lado do caminho que é privado do hostel.

Constatei que andava a passear “pelo quarto de dormir” de uma série de caminhantes que dormiam ao relento, no relvado da berma do caminho do hostel! Constatei também que ali se dá guarida a todo o tipo de viajantes, entre mochileiros que dormiam ali na relva, caravanistas parqueados logo a seguir e gente como eu, muito mais comodista que preferi pagar 20€ e dormir duas noites numa cama de casal fofa, num quarto enorme, com televisão e ar condicionado!

E segui o curso do rio Moraca na direção do Skadarsko jezero, pois a fronteira com a Albânia fica lá pelo meio do lago!

Ao passear-me por ali ficava fascinada com o estado natural em que o rio se conserva, ninguém diria que estamos na capital de um país com uma paisagem destas!

E lá estava o lago Escútare ou Skadarsko jezero, o maior dos Balcãs, que é alimentado pelas águas rio Moraca e desagua no mar Adriático através de um outro rio.

A ruínha que escolhi para ir até ele era, no mínimo, original! Irregular, cheia de altos e baixos, areias e cascalho, de quando em quando, mas cheia de encanto também!

As perspetivas que ia tendo do lago eram encantadoras àquela hora da manhã, ainda com as brumas matinais a encher tudo de encanto!

A estrada nacional parecia uma autoestrada em comparação com a estradinha ziguezagueante que eu fizera!

Cheguei à fronteira da Albânia já a circular num autêntico inferno! O termómetro da moto não deixava de piscar nos 50º, o que queria dizer que não conseguia contar mais do que isso!
Eu já levava o lenço enfiado no vão do vidro para poder limpar a cara, no arranca e pára para passar a fronteira.

E o lago continua pela Albânia!

O lixo pelo chão começa logo ali, a 50 metros da fronteira, veja-se quando parei para ler o mapa do país na berma da estrada!

A estrada parecia uma reta sem fim com construções isoladas, muitas em mau estado e uma série de bombas de gasolina abandonadas, até chegar a uma cidade… uma população… um lugar, sei lá! Sei que era cheio de lixo, confusão…

A fazer lembrar uma cidade marroquina, com burros estacionadas na berma da estrada e tudo!
Nem parei, o calor era infernal, o ambiente cheio de pó e trânsito, de tal maneira que nem parei e poucas fotos tirei.

Segui para Shkodër que, apesar de ter uma “entrada” igualmente desordenada e desarranjada, tem um centro bem fofinho, perto da mesquita!

Eu estava a precisar muito de beber algo fresco e aquele ambiente foi o meu oásis!

Oh, quase me deixei desfalecer numa esplanada tão confortável, agarrada a uma enorme copada de sumo de laranja fresquíssimo!

A mesquita fica num jardim entre a zona trapalhona e a zona turística!

Foi esta cidade que deu o nome ao Lago Escútare que também é
“Skadar” “Shkodër” “Shkodra” dependendo da língua em que é pronunciado!

E segui pelos montes com o rio como paisagem!

Uma pena o lixo por todos os lados, mesmo quando não há casas por perto, ele está lá! O que destoa profundamente com a beleza das paisagens!

Parece que por aquelas terras a água tem sempre cores extraordinárias e quase irreais!

A minha ideia não era propriamente “catar” o país e sim ver como ele é, como são as paisagens, as pessoas, o ambiente! Porque se trata de um dos países mais pobres da Europa, onde grande parte da população é camponesa, e não existe muita informação sobre ele!

Encontrei ciganos, que me acenaram adeus quando parei para fotografar os seus cavalos a pastar selados, como se fossem partir a qualquer momento!

E recantos decrépitos, abandonados e cheios de lixo também…

Na berma das estradas viam-se tendinhas montadas com telhado de folhas de milho, onde miúdos assavam massaroca para vender aos transeuntes e, sobretudo, aos turistas.

Por aquela altura eu já estava morta de sede há umas horas, mas não havia nada onde comprar o que quer que fosse. Até que vi um larguinho na berma da estrada com uma fonte, onde uma série de pessoas lavava as mãos. Não resisti, dei meia volta e fui até lá, peguei na minha garrafa de água, há muito vazia e fui enche-la na fonte. Aquelas mulheres ficaram todas a olhar para mim, lavavam as mãos e a cara com sabonete que estava pousado na berma da fonte, que tinha a forma de dois golfinhos entrelaçados.
Quando olhei para a água dentro da garrafa, que desilusão, era turba!

Voltei-me para as senhoras e perguntei mais por gestos do que por palavras, se aquela água não se podia beber!
Responderam-me todas em coro “no, no, Bar, Bar!” apontando para o bar que ficava logo ali ao lado. Bolas, eu não tinha lekë, como iria pagar a água?

Fui até à moto, tratar de tirar o capacete e buscar euros a ver se conseguia comprar água! Estava eu nessa operação quando uma senhora vem do bar com uma garrafa de água gelada e ma oferece! Fiquei espantada! Fiz o gesto de quem pergunta quanto é, ela respondeu-me com um gesto amplo, com as mãos abertas, significando “nada”.

As pessoas em redor olhavam com satisfação, pelo menos sorriam para mim e para ela! Abri ali mesmo a garrafa e bebi quase metade, a água era deliciosa!

Agradeci mais uma vez, disse adeus àquelas pessoas tão simpáticas e segui o meu caminho tão satisfeita e enternecida “há gente tão boa por este mundo!”

As ruas que fiz eram pavimentadas mas parecia que tinham aluído, olhava-se de repente e não havia buraco algum, mas ao passar era necessário contornar pedaços literalmente engelhados de alcatrão!

Tal como na Bósnia vêm-se pequenos altares na berma das estradas, em honra de mortos em acidentes de viação!

Já andava atenta às estações de serviço há um bom pedaço, tentando encontrar alguma com o sinal de cartão de crédito, quando encontrei uma mandei abastecer e… quando fui pagar não aceitava cartão nenhum! Oh raios partam o azar! Claro que acabei por pagar em euros ou não sei como seria! O homem deu-me o troco em lekë, e eu que estava a sair do país fiquei com um nota para gastar!

Mais uns quantos quilómetros e estava a chegar à fronteira com a Macedónia. Bem, agora que tinha dinheiro fui mas é beber qualquer coisa antes de sair do país.

Pedi cerveja e água e ainda bem que não pedi mais nada porque um senhor que estava lá sentado numa mesa pagou tudo o que pedi! Puxa, aqueles albaneses são todos boas pessoas? Fui-me sentar numa mesa enquanto toda a gente olhava para mim com uma curiosidade simpática, já que sorriam para mim!

Ao despedir-me disse adeus a toda a gente e recebi um caloroso adeus com direito a acenos e tudo, enquanto alguns vinham até à porta ver-me partir!

Tenho de voltar à Albânia!

Logo a seguir à fronteira acaba o lixo por todos os lados!

A Macedónia foi também um país que apenas atravessei, estava demasiado calor para eu parar aqui e ali, mas deu para ver que é um país lindo que terei que visitar mais demoradamente um dia que volte àqueles lados.

Desta vez parei apenas em Ohrid, com o seu lago que prometia alguma frescura no inferno de calor que eu vinha a atravessar há horas!

Ohrid é a cidade maior na borda do lago com o seu nome. Ohrid, que em português é Ácrida, é uma cidade turística e simpática que só consegui visitar depois de parar junto ao lago e molhar os pés e as mãos e quase enfiar a cabeça dentro dele! Por momentos até a visão da água me pareceu quente, por momentos pensei que não seria capaz de me afastar dali para seguir para a Grécia. Fiquei ajoelhada na berma do cais, como os islâmicos fazem quando rezam, as mãos na água e a cabeça mais baixa que o corpo. A tensão arterial equilibrou e só então fui ver o povo, passear pelas ruas e beber algo bem fresco.

A cidade estava cheia de gente que se passeava com todo aquele calor! Nos jardins tem estátuas de tipos cabeçudos com ar de filósofos. Não consegui perceber quem eram porque a escrita deles é inteligível! Nem o abecedário é parecido com o nosso!

As pessoas comiam gelados sofregamente, eu limitava-me a carregar comigo uma garrafa de água… tenho sempre a sensação de que o gelado por ser doce me deixará ainda mais cheia de cede!

Achei curiosos os altares deles, ortodoxos, cheios de imagens e velinhas!

Quando voltei ao lago estava cheio de ondulação! Be diferente de quando eu chegara!

E voltei a enfiar os pés na água…

e deitei-me um pouco no jardim à sombra, com as pernas das calças todas molhadas e com uma enorme vontade de não me mexer nem mais um passo…

Mas o tempo iria começar a arrefecer um pouco e, animada por essa ideia, lá arranjei coragem para seguir o meu caminho até Trikala na Grécia, que ficava ainda a uma infinidade de quilómetros!

Se eu fico preocupada quando vejo uma vaca a olhar fixamente para mim, imagine-se o que sinto quando vejo uma manada a correr na minha direção!

A minha aventura com as vacas gregas apenas estava a começar! Elas lá passaram a trote por mim, o que não me impediu de parar e pôr o descanso à moto! Nunca confiar em bichos que são maiores que eu e a minha motita!

Cheguei tarde a Trikala mas, só lá é que entendi o quanto era tarde! É que eu não tinha reparado que a hora da Grécia é igual à de Istambul, o que quer dizer 2 horas mais tarde que aqui, e eu pensava que era só uma hora a mais!

Fui comer a um restaurante logo acima do hostel e fui tão bem recebida e servida que iria lá voltar nas noites seguintes.

Fui dormir, pressentindo os montes gigantescos em torno de mim. de repente a vontade que a manhã chegasse rápido era muita, mesmo sabendo que iria sofrer de novo com o calor, eu queria muito ver o que me envolvia naquele que foi um dos destinos impulsionadores desta viagem!

E foi o fim do 18º dia de viagem!

**** ****

17 de agosto de 2013

– Meteora… what a beautiful day! –

Foi por Meteora que fui ali!

Foi por ela que eu reservei 3 noites em Trikala!

“Μετέωρα, ou Meteora,, foi um dos destinos impulsionadores desta viagem! Uma sequência de mosteiros ortodoxos “pendurados” no ar, em grandes blocos de pedra que parecem sair verticalmente do chão, simplesmente deslumbrante! Desde a primeira vez que deparei com uma imagem de Meteora que eu quis cá vir. A princípio pensei que eram apenas imagens manipuladas, arte digital, daquela que faz cenários fantásticos para filmes, mas não, é mesmo real! Hoje visitei 2 mosteiros já, amanhã continuarei a explorar… acho que nunca me cansarei de fotografar isto tudo de todos os ângulos!”

Lembro-me de estar a escolher o hostel para pernoitar e encontrar aquele em que fiquei e ficar deslumbrada pelas fotos que apresentava no site. “Certamente que isto é tudo mentira, devem ter ido tirar as fotos mais abaixo para pôr aqui e só quando lá chegar é que vou ver o que aquilo é mesmo!”. O preço era demasiado baixo para me darem tanto, pensava eu!

Mas a verdade é que, mesmo de noite, quando ali cheguei, eu pressentia a presença dos enormes blocos, no escuro, logo ali! Mesmo sendo muito grandes tinham de estar suficientemente próximos para eu lhes sentir o perfil tão acima do horizonte!

O meu quarto, como todos os do hostel, não dava para um corredor interno como seria previsível, e sim para um terraço que contornava a casa. E, especialmente o meu, ficava voltado para o lado mais bonito da cidade e para o lado mais largo do terraço também, onde havia flores e cadeiras e tudo!

Quando sai a porta… Meteora encheu o meu horizonte de espanto!

A minha motita tinha-se instalado junto de uma amiga que lhe fez companhia durante as 2 noites seguintes.

Curiosamente os donos da moto não saiam nela! Diz-se de Mateora, como de outras cidades no mundo, que ela deve ser visitada a pé mas, mesmo eu andando muito a pé para visitar uma cidade, continuo a dizer que há distancias que se fazem muito melhor de moto!

É o caso ali, as estradas são boas, as paisagens são deslumbrantes, toda a montanha parece envolver-nos em qualquer ponto do percurso, depois é só parar a moto e caminhar!

E os mosteiros começam a aparecer no topo de qualquer penedo gigantesco!

Meteora, dizem que quer dizer “no meio do céu” e eu acrescentaria e “brotado da terra”!

Ali se pode encontrar o maior complexo de mosteiros cristãos, apenas superado por outro complexo religioso, também na Grécia, no Monte Atos, onde eu terei de ir um dia destes!

Na realidade, reza a história que os primeiros mosteiros se foram instalando em cavernas e reentrâncias nas rochas, lá pelo séc XI. Os monges eremitas queriam mesmo ficar longe do mundo e conseguiram-no! Na realidade eles queriam defender-se da ocupação otomana e ali ninguém os poderia alcançar!

Foram construídos posteriormente mais de 20 mosteiros e hoje 6 deles são visitáveis:

1- Megálos Metéoros (Grande Meteoro ou Mosteiro da Transfiguração),
2- Varlaam,
3- Ágios Stéphanos (Santo Estêvão),
4- Ágia Tríada (Santíssima Trindade),
5- São Nicolau Anapausas
6- Roussanou.

Destes 6 visitei 3… que aquilo de escalar escadas dá cabo das pernas à gente e no fim eles acabam por ser meio semelhantes!

Fui visitar o Grande Meteoro, fica mesmo no fim da rua e pareceu-me que não tinha de escalar muitos degraus!

Claro que me enganei, pois o facto de haver uma entrada direta da rua, não impede que se tenha de descer o monte onde estamos, para escalar aquele em que o mosteiro está!

Os monges têm “elevador moderníssimo" para entrarem diretos no mosteiro, mas é só para eles e para todas as mercadorias e tralhas que um mosteiro precisa para se manter! Nós, povo comum curioso, temos de penar para lá chegar! É justo, afinal ninguém nos chamou lá!

Antigamente este acesso direto era feito por redes grossíssimas de corda que eram içadas por roldanas desde a torre dos mosteiros, e por ali subia e descia tudo, inclusive pessoas!

É que os pilares de rocha chegam a ter quase 600 metros de atura a pique!

O mais encantador da subida é a perspetiva que se vai tendo sobre outros mosteiros, que vão aparecendo por entre as escarpas, revelando-se como visões extraordinárias! Só por isso já vale a subida!

Ao lado do Grande Meteoro fica o Varlaam, que não visitei mas que fotografei e desenhei até à exaustão!

À entrada de cada mosteiro existem saias, tipo avental, daquelas que se amarram à cintura, para as mulheres vestirem. A principio não entendi, pois se eu nem de calções estava, o que teria de tapar com as saias?

Um monge simpático só me dizia “ponha-a, é melhor!” e repetia aquilo talvez porque não sabia dizer mais! As saias até eram bonitas e frescas, nem a sentia mais depois de vestida! Eram de seda preta com bolinhas brancas! Não perdi a oportunidade de pedir a alguém que me tirasse uma foto, tinha de registar o momento “griff” da minha visita!

Lá de cima a paisagem é sempre deslumbrante, com o vale contornado pelos blocos de pedra e Trikala lá em baixo!

O mosteiro vizinho perfeitamente visível, mais abaixo, por entre pedras a pique!

Os mosteiros não são completamente visitáveis, porque estão em funcionamento, por isso há ali gente a viver, como num condomínio fechado, onde tudo se faz e muita coisa se produz!

O único sítio onde não se pode tirar fotos é nas igrejas mas, claro, a gente quando tem oportunidade sempre capta uma ou outra perspetiva da coisa, porque são muito bonitas e totalmente pintadas no interior!

Se fizessem um hotel ali o ambiente seria muito agradável e, seguramente, teria muitos hospedes!

Há no Metoron um museu com coisas militares, incluindo imagens das grandes guerras e fardas da época.

Acho sempre curioso ver fardas militares com saias! Não sei como eles se arranjavam a manobrar uma saia plissada daquelas em tempo de guerra!

O mosteiro é grande e cheio de recantos com representações religiosas em que as caras dos santos parecem todas iguais! Deviam estar sempre mal dispostos quando posavam para o mosaico!

Ali havia tudo o necessário para se viver, desde campo cultivado até cozinha perfeitamente apetrechada para cozinhar!

Com direito a ossário e tudo!
Quando vi a placa não entendi o que iria ver! Um cemitério ali?

“O Mosteiro do Grande Meteoron foi o primeiro mosteiro que visitei em Meteora! Uma construção do séc. XIV e um dos poucos que se podem visitar hoje. Desce-se do nível da rua, onde eu deixei ficar a moto, e começa-se a subir a escada encravada na rocha até ao mosteiro que fica no penhasco em frente. Foi uma sensação extraordinária entrar ali, como quem entra numa imagem há muito idealizada na cabeça! Num recanto encontrei uma placa que dizia “ossuary”! Então espreita-se pela abertura, numa porta antiga e robusta de madeira, e lá estão eles! Ossos e crânios arrumados, como livros, em estantes! Curiosa sensação estar perante tal vestígio do passado!”

Na torre pode-se visitar o local de carga e descarga, quando tudo isso se fazia por roldanas e redes de corda que tudo transportavam!

A operação tinha este aspeto vista de fora, naquele “saco” de rede subia e descia gente também!

Tudo muito bonito ali em cima, podia passar ali uns tempos sem sair, apenas a relaxar, numa estadia muito "zen", fotografando em todas as direções e desenhando todo o tempo!

Aquele padre era ortodoxo e vinha da Roménia! Toda uma camioneta de romenos andava a passear por ali comigo. Quando saímos fizeram uma festa ao encontrarem o meu meio de transporte e ainda ficaram mais contentes quando disse que iria seguir a minha viagem até à terra deles!

Até palmas bateram!

“Vais-te apaixonar pela Roménia!” diziam todos “After seeing Romania with your own eyes you will be in love with my country forever!” dizia o monge… e tinha razão!

E segui pela rua que liga todos os mosteiros visitáveis, parando aqui e ali para ver cada um nos seus melhores ângulos!

Lá de cima podem-se ver mais do que os 6 em visita, estão por todos os lados, encavalitados nas rochas que chegam a parecer dedos apontados para o céu!

Cá mais abaixo podia ver o Grand Meteoron, que acabara de visitar e o Varlaam, que fotografara vezes sem conta!

E a estrada lá em baixo, que passa por todo o lado! Pensar que quem visita os mosteiros a pé tem de a fazer subindo, indo de mosteiro em mosteiro, subir degraus e mais degraus e depois voltar caminhando, por uma infinidade de quilómetros de caminho!

Há rochas estrategicamente posicionadas onde toda a gente vai e onde toda a gente pede que lhe tirem fotos, com aquela paisagem como fundo! Tirei fotos a uma infinidade de pessoas que me pediam e, claro, aproveitei e também me tiraram a mim!

Ao fundo, por entre o limite dos rochedos, vê-se Kalabáka, a cidade mais próxima, com o Mosteiro de Agia Tríada, que serviu de cenário ao filme de James Bond, sobre a grande pedra da esquerda!

Só de olhar para ele foi-se a vontade de o visitar! Nem a fama e a história me fazia querer subir todo aquele enorme rochedo para ir lá acima… mas acabaria por me render e não partir sem lá ir, não naquele dia… mais tarde!

Naquele dia fui visitar o único mosteiro de mulheres de entre os 6, o Ágios Stéphanos.

Vestiam de negro, embrulhadas quase até aos olhos, pareciam islâmicas e eram antipáticas! Não pude evitar o sentimento de que eram mulheres “ressabiadas” mas se calhar fui injusta! Repetiram-me vezes sem conta que tinha de vestir uma saia, e eu a vesti-la! "já entendi! abre os olhos, estou a vesti-la não vês?"

O bilhete para visitar qualquer dos mosteiros é de 3€ e vale o dinheiro, se bem que devia ser descontado o esforço da subida no preço do dito!

Como as meninas eram antipáticas e nos tratavam como se fossemos usurpadores do que era seu, como se algum visitante fosse invadir o seu espaço, que afinal elas tinham posto ao dispor da nossa visita, não tive qualquer preconceito em “roubar” as fotos que quis! Elas bem berravam para toda a gente “No photo, no photo!” mas eram burras demais para perceberem que há maquinas que não usam flash e não fazem barulho, como a minha, e só chateavam os inocentes que nem faziam menção de tentar fotografar, deixando-me em paz, mais à frente!

O calor era imenso ali em cima! Cheguei a ter pena das “monjas” porque eu desmaiaria se andasse toda embrulhada em panos pretos! Até dei um desconto ao seu mau-feitio, pois se até os gatos se enfiavam dentro das fontes!

Kalabáka lá em baixo!

E foi onde fui a seguir, visitar a Igreja Bizantina da Assunção da Virgem, do séc. XI!

Sempre tive curiosidade de visitar estas igrejas e aquela estava ali, encostada à montanha, sem ninguém a enche-la de confusão!

Mais uma vez não era permitido fotografar, mas a senhora confiou que se eu tentasse fotografar ouviria a máquina…

De longe a visão de Kalabáka com Meteora sobre si é deslumbrante!

E fui para casa, que tinha todos os atrativos num dia de mais de 40º graus de calor, a começar pela paisagem e seguindo pela simpatia das pessoas!

O meu terraço tinha esta paisagem incrível!


Por isso comprei uma garrafa de vinho e uma série de bugigangas de que gosto muito e fui-me instalar no maior conforto a saborear o paraíso!

Para minha surpresa a dona do hostel “adotou-me” e trouxe-me um belo prato de fruta fresca, entre figos, melão e pêssego! Que coisa deliciosa acompanhada com um vinho da zona delicioso!

Naquele dia eu pesei-me!

Descobri uma balança no quarto e… tinha perdido 7 quilos!

Aquela viagem estava a retirar de mim mais do que devia! Eu simplesmente não podia continuar a perder tanto peso porque, naturalmente, não era gordura o que eu estava a perder! Estava no 19º dia de viagem e ninguém perde 7 quilos em 19 dias! Eu estava a perder tudo e com isso acabaria por perder também massa muscular!

Relembrei a minha alimentação nos últimos tempos e percebi que, mesmo comendo bem, não o fazia com a regularidade necessária, tinha passado dias a beber de tudo e a comer menos do que devia, porque o calor faz isso à gente!

Ficou decidido que iria comer para a mundial naquela noite, pois então!

Entardecia e eu fui subir de novo a montanha para ver aquilo tudo ao pôr-do-sol!

Os rochedos estratégicos estão sempre cheios de gente ao entardecer, não era só eu que queria ver o sol pôr-se!

Um grego, emigrante na França, andava por ali com a sua motinha e encontrava-o a cada vez que parava para ver mais um ângulo da paisagem! Falávamos em francês e voltávamos a encontrar-nos no mosteiro seguinte! Dizia ele que o português e o grego eram povos muito parecidos e que nunca vira uma moto portuguesa por ali! Voltaria a estar com ele no dia seguinte, a ver o pôr–do-sol de todos os ângulos e a partir de todos os mosteiros!

Com uma estrada daquelas quem quer andar por ali a pé?

E fui-me encher de comida, como tinha prometido a mim própria!
Voltei ao restaurante simpático onde jantara no dia anterior. Comi divinalmente com direito a tudo incluindo um ambiente supersimpático de esplanada,

e a Ninfa à porta! Que mais se pode querer da vida?

E foi o fim do 19º dia de viagem!

**** ****

18 de agosto de 2013

– Fui brincar para a montanha!

Naquele segundo dia por Meteora eu decidi passear pela montanha ali perto!

Estava muito calor mas, mesmo assim, eu decidi ir! Apenas cometi um pequeno erro, fui passear de calções e o sol escaldante foi desenhando zonas vermelhas nas minhas pernas, ao mesmo tempo que toda a moto parecia escaldar, ao ponto de eu escaldar um tornozelo na carenagem! Dizem que a Pan European aquece, eu nunca dei por ela, o que aqueceu foi mesmo o sol, ao ponto de os plásticos se tornarem perigosos para as minhas pernas brancas e frágeis, que não viam o sol há vários anos!

Comecei por dar uma volta pela redondeza porque simplesmente não me podia impedir de ir sempre ver mais um pouco! Trikala fica ali aninhada junto dos grandes rochedos de Meteora e as casas vão até eles subindo por ruelas íngremes que vão até eles!

Rochedos que parecem paredes enormes, por vezes!

Fui-me afastando, com vontade de ir e de ficar, com aquele paraíso a afastar-se de mim no horizonte! “tenho de voltar cedo para passear por ali logo!” prometi a mim própria!

Logo a seguir comecei a subir, podia ver no GPS uma estrada convidativa e segui por ela! Tudo era tão bonito em meu redor que tive a certeza de que escolhera algo de bonito para fazer!

E começou ali mais uma epopeia com as benditas vacas! Detesto cruzar com bichos que são maiores e mais pesados do que eu mais a minha moto juntas!

A rua era um espanto! Retorcia-se como uma linha num bolso, subindo em curvas espirais encantadoras!

Se aquilo fosse na França ou na Suíça, teria por todo o lado placas a dizer “coll de qualquer coisa” e se fosse na Itália teria também em cada curva uma placa com o número da curva! Como era na Grécia não tinha nada e estava cheia de surpresas! Nem eu imaginava quantas até elas começarem a aparecer!

Ficava como fico em cada passo de montanha que faço, entre o sigo curtindo a estrada ou paro para tirar umas fotos?!

Mas rapidamente percebi que parar a cada curva seria o mais aconselhado, à medida que as tais surpresas foram começando a aparecer!

É que o aspeto irrepreensível da estrada era tão enganador, que ninguém podia prever que a cada passo ela simplesmente tivesse desaparecido e fosse substituída por grandes buracos, ou longos pedaços de terra batida, sempre posicionados em curvas estratégicas e insuspeitas!

Estava em grande altitude e algo destruíra parte da estrada! Ele como que caíra pelo monte abaixo em algumas zonas e outras preparavam-se para cair também!

A minha motita está longe de ser uma trail, mas lá se vai desenrascando se o piso não for terrível e, como a paisagem era deslumbrante, eu lá fui seguindo, esperando que os buracos não fossem tão grandes que me fizessem ter de voltar para trás!

Havia demasiados pedaços de estrada a ameaçar resvalar pelo monte abaixo a qualquer momento!

“Sem problema! Um carro pesa muito mais do que a minha moto e, se eles passam aqui, não há-se ser comigo que a estrava vai cair!” – este deve ser o pensamento dos que arriscam e caem pelos buracos, mas eu lá segui animada por ele!

Enquanto eu fui tirando fotos é porque a coisa não estava nada má!

Mas a verdade é que ia olhando para as curvas em cotovelo cá de cima a ver em que estado estavam! E, claro, foi-se o encanto de curvar “à matador” com o panorama!

Podia ver a linha desenhada pela estrada pelos montes fora, numa paisagem deslumbrante e só desejava que ela fosse transitável para mim!

Muitas curvas desfeitas e manhosos depois, entre ambientes lindíssimos, apareceu lá em baixo uma povoação! Quando vejo uma aldeia penso sempre que a estrada estará melhor a partir dali, afinal serve quem lá mora! Essa ideia animou-me “Boa, vão se acabar os pedaços de estrada ruins e será sempre boa estrada depois!”, mas claro que estava enganada!

A povoação era servida por ruas que mais pareciam caminhos privados, calcetados com pedaços de mármore e eu nem sabia por onde ir, temendo dar comigo a entrar pela porta de uma casa qualquer!

Então acabaram as fotos! O que quer dizer que a coisa ficou bem mais negra!

Dei comigo a passar numa rua muito a pique no meio do povoado! Não sabia se devia seguir ou voltar! Perguntei a uns senhores se podia seguir por ali abaixo! Acenaram-me que sim apontando o caminho com as mãos! E foi horrível!

A rua era tão íngreme que tinha uma espécie de degraus 15cm, tudo em mármore, e fazia curvas e tudo! Não havia como inverter a marcha, só me restava descer aquilo tudo! A moto saltitava de degrau em degrau e eu apenas agarrava o guiador com toda a força para que a roda da frente não abanasse! Se eu caísse ali tenho a certeza que a moto continuaria a deslizar por ali abaixo até bater numa curva ou noutra mais abaixo! Foi então que eu me levantei seguindo de pé para que a moto saltitasse livre do meu peso, para que não batesse com nada no chão!

Então quando eu pensava que estava a chegar ao fim da aventura e que nada de pior podia aparecer, a ruela desapareceu e deu lugar à maior buracada, com direito a terra solta, com cascalho à mistura e tudo!

“valha-me Deus, que eu tenho de seguir para a frente custe o que custar!”

Na realidade naquele momento não poderia voltar para trás pois não me meteria a subir os degraus com a moto, isso era certo! Cheguei ao fim do povoado e o caminho piorava a cada curva, descendo a pique. Estava tão cansada de dominar uma moto de 320kg, debaixo de um sol escaldante, que arranjei maneira de parar um pouco, mesmo com a moto a deslizar pelo cascalho. Uma série de pedrinhas rolaram por ali abaixo empurradas pela travagem da moto!

E tirei uma foto ao fundo do penhasco!

Já se via o alcatrão lá em baixo! Oh maravilhosa visão!

Eu entendi que estava num parque natural perto de Pramanta, mas não consegui entender mais nada! Não há forma de entender grego!

E passei o rio Aqueloo, aquele que já foi venerado como espirito do deus Aqueloo!

A beleza continuava e a estrada não melhorava!

Com quilómetros de estrada em cascalho solto!

E pontes de metal que pareciam autoestradas no meio de tanto pó, escorregadelas e derrapagens na areia!

Cheguei a Arta sem qualquer vontade de visitar o que quer que fosse! A cidade estava deserta e eu morta de cansaço! Meti-me na única esplanada a funcionar e quase desfaleci de prazer ao saborear uma cerveja tão gelada que quase me partia os dentes!

Eu sei que a cidade tem os seus encantos e a redondeza é digna de visita, mas naquele momento eu só queria voltar para Meteora e arrefecer os miolos!

E foi o que fiz, mandei o meu Patrick (GPS) pensar por mim e levar-me rapidamente para Trikala pela autoestrada mais próxima!

Só ao voltar avistar os grandes penedos no fim da rua despertei de uma condução em piloto automático, estava a chegar de novo ao meu paraíso!

A senhora de casa voltou a trazer-me um belíssimo prato de frutos variados, frescos e descascados, que me souberam pela vida, acompanhados pelo resto do vinho gelado que sobrara do dia anterior!
OH, as energias voltaram-me logo, à medida que o tempo arrefecia finalmente um pouco!

E voltei a sair! Tinha de ir ver uma última vez os penhascos ao pôr-do-sol!

Desta vez ainda vi o mosteiro de St George ”Mandelas” encrustado na parede de rocha

É destes mosteiros que os monges não saem facilmente! Alguns não sairão mais até ao fim dos seus dias, pois nem têm mais condições de escalar aquilo!

Era tão reconfortante passear por ali, e voltar a fotografar tudo de novo, pois não se consegue andar por ali sem se tirar um milhão de fotos!

Andavam por ali uma série de “navetes” a passear turistas que paravam nos pontos estratégicos para as pessoas poderem ver o pôr-do-sol! Algumas pessoas pareciam fazer mais festa à minha moto do que à paisagem!

Voltei a encontrar o senhor do dia anterior! Andava de novo na sua motoreta a passar por ali, parava a cada mosteiro, fumava um cigarro, falava um bocado comigo e voltava a encontra-lo no seguinte!

Há brincadeira giras que se fazem por ali, como estacionar a motita num local especial!

Ou apanhar-me a mim e a ela num enquadramento curioso!

E o sol pôs-se e eu fui embora! Tinha sido um dia lindo mas difícil, tinha de comer para repor energias!

No restaurante já me recebiam como se fosse da casa, afinal era a 3ª noite que eu lá ia jantar!

O patrão até me levou a visitar o espaço

Porque estava muito calor e ele estava no assador! Só de olhar para o fogo até me sentir mal!

E foi o fim do 20º dia de viagem…

**** ****

19 de agosto de 2013

– No coração da antiguidade – a deusa Atenas –

Aquela era a minha última oportunidade de passear mais um pouco por Meteora… eu nunca consigo deixar um local que me fascina sem voltar a passear um pouco por ele! E foi o que fiz, em tom de despedida, voltar a conferir todo o encanto dos últimos dias!

A minha cinta estava a apertar muito longe do velcro já, ao ponto de não “agarrar” e abrir-se facilmente! Bem, dali a nada estaria com as medidas das modelos esqueléticas, se não me aplicasse mais um pouco a tentar recuperar o meu peso! Estava a beirar os 66kg, que era pouco para mim e o meu 1.75m de altura, que não queria saber de magrezas para nada e tinha uma moto que pesava quase 5 vezes mais do que eu, para comandar!

Na realidade o efeito do excesso de calor, que me acompanhava há demasiado tempo desta viagem, estava a fazer-se sentir há alguns dias, com a tensão arterial a ficar baixa e os músculos a ressentirem-se, em cãibras e brecas que me atacavam até os dedos das mãos! Nada que um pouco de magnésio não resolvesse e siga para a luta!

A minha Ninfa lá estava em despedidas com a sua amiga dos últimos dias! Aquela moto não saiu dali durante os 3 dias que lá estive! Não pude deixar de pensar que “quem tem burro e anda a pé, mais burro é!” eheheh

E fui passeando, muito devagar, apreciando pela ultima vez aquele cenário envolvente de irrealidade!

Fiquei a olhar para o Mosteiro de Agia Tríada, ou Mosteiro da Santíssima Trindade.

Sem dúvida o mais impressionante pela sua localização, sempre usado como ex-libris do complexo… eu não o visitara e, de repente pensava “irei embora sem o ver?”

Eu tinha de descer da rua até ao funco para depois começar a subir o enorme penedo! O calor já estava a apertar mas, mesmo assim, eu fui! “Nah, não vou embora sem lá ir, que se lixe!”

Ali foi rodado o filme de James Bond “For your eyes only” e ninguém vai a Meteora sem o ir visitar!

Reza a história que os monges não acharam muita graça a todo o aparato das filmagens e tentaram boicotar os trabalhos fechando-se dentro dos mosteiros e pondo as suas roupas a secar penduradas no exterior, para “enriquecer” o panorama! Este mosteiro é um dos mais difíceis de alcançar com os seus 150 degraus, que sobem de forma ingreme, por um caminho escavado na parede de pedra do enorme rochedo isolado.

O caminho é “roubado” ao penedo, num meio túnel que sobe até lá acima e as perspetivas da redondeza que se vão vislumbrando valem bem o esforço!

A entrada neste mosteiro foi a mais “desinteressada”, o guardião não era monge, era um rapaz vestido como todos nós e não stressou nada em verificar o que eu fazia, “vista uma saia e boa visita” mais nada!

Por isso foi na maior descontração que visitei aquilo tudo e tirei fotos e tudo, “na boa”!

Aproveitei para pôr uma série de velinhas pelos meus amigos, pela minha família, pela minha viagem, por todos os viajantes e por aí fora, que eu adoro brincar com velinhas e aquelas eram particularmente interessantes, fininhas e giras, era só acender e espeta-las na areia!

Claro que fui pondo uma moeda por cada vela! Não tinham preço, mas tive o cuidade de pôr apenas moedas brancas! 😀

Assim como de Kalampaka se pode ver claramente o penedo do mosteiro, lá de cima a cidade é a paisagem!

Achei curioso que na ponta do penedo há uma cruz branca com um montinho de moedas aos pés! Acho que quando não há fontes ou lagos, as pessoas poem as moedas onde puderem!

Para o outro lado, apenas com uma olhadela 4 ou 5 mosteiros eram visíveis!

Desta vez custou-me ir embora! Eu ficaria ali mesmo, no mosteiro, por uns dias, de boa vontade!

Na torre do mosteiro podia-se ver o sistema de elevador de tempos idos! Imaginei-me a ser descida dentro da rede de corda e a ideia animou-me! Não me importaria nada, só para não ter de fazer todo o esforço para voltar para moto!

E era hora de sair dali! Oh valha-me Deus, a perspetiva era linda mas desmotivante! Estava tanto calor para descer e voltar a subir montes e degraus!

Quando finalmente cheguei à moto, depois de uma transpiradela que me fez ter vontade de voltar ao hostel e tomar um belo banho, tinha uma surpresa à minha espera!

Embora eu tivesse estacionada a moto numa nesga, entre a guia da rua e o muro, num sitio onde ninguém mais poderia estacionar, pois ficaria meio no meio da rua… um carro tinha-se posto na frente dela, tão perto que eu não conseguiria sair, pois a rua era inclinada e eu não tinha força para a puxar para trás! M%&$$#da!

Não havia vivalma por ali! Será que eu teria de esperar que sua excelência acabasse a visita para vir tirar o carro para eu sair? Que desânimo!

Então um carro aproximou-se, um carro todo velho e amassado com um fulano que cantava aos berros lá dentro, e parou! Fui-lhe bater ao vidro! “please, help me!”

O homem ficou a olhar para mim, estava a desfolhar papeis, parece que ía ao mosteiro tratar de negócios! Expliquei-lhe que precisava que me empurrasse! Saiu do carro e olhou para ver o que é que eu queria que ele empurrasse!

“Me??? No!!!” exclamou escandalizado com a moto! “too big, too big!”

Oh homem, um carro é mais big que a minha moto e qualquer homem o empurra! Peguei-o pelo braço e puxei-o até à moto “come on, you can do it!”

Só depois entendi o seu pânico! Ele pensava que eu era a dona do carro e queria que ele tirasse a moto para eu sair! Quando eu montei e expliquei onde ele devia pôr as mãos, na frente da moto para empurrar e a moto recuar, ficou paralisado a olhar para mim “Too big for you! You are too slim for it!”

Oh homem empurra que eu posso com ela, não te preocupes, raios!

E finalmente ele lá empurrou, puxa parece que não havia maneira de o convencer! Agradeci muito e fui embora, podia vê-lo pelo retrovisor, no meio da rua a olhar! Ele iria superar o choque e o espanto e voltar à sua vida normal, certamente!

Meteora ficou no meu coração e eu vou lá voltar um dia, para percorrer caminhos e trilhos e ver os mosteiros mais rudimentares e primitivos que estão longe dos turistas e das pessoas que não conhecem a zona. Há muito mistério e beleza única para desvendar por ali!

Parei em Trikala para tomar qualquer coisa fresca, junto ao rio, onde parece que toda a gente vai!

Também não apetecia afastar dali, como se apenas a visão da agua refrescasse um pouco os miolos!

A estátua de Asclepius, o deus da medicina, está ali no meio do rio, tão feiinha!

Fiz ali um belíssimo pic-nic, enquanto apreciava quem ia e vinha! Muita gente olhava para mim, como se eu fosse um ser bizarro! E não era por eu estar a fazer nada que eles não estivessem a fazer também! Acho que era o meu aspeto que lhes atraia a atenção, o chapéu espantava muitas pessoas por ali! Então eu sorria e dizia “hello!” e as pessoas sorriam também!

E ainda fiz amizade com uns polícias giros que vieram falar comigo, queriam saber se eu era inglesa! Não, sou portuguesa mesmo!

Consegui tirar-lhes uma foto quando se afastaram! Estavam sempre rodeados de gente o que me fez sentir que eram queridos de toda a gente, ou então era por serem giros mesmo! eheheh

E segui pelo mapa abaixo, por caminhos longe de autoestradas ou vias rápidas, trilhando estradinhas deliciosas, não fosse a altíssima temperatura que insistia em acompanhar os meus dias!

Eu sabia que ir a Atenas por uma curta passagem seria penoso para mim, porque é um destino e toda uma envolvência que quero visitar há demasiado tempo para apenas passar e seguir, mas não pude evitar faze-lo, levando em mente o que queria ver e fazer desta vez e planear depois o que fazer numa futura visita organizada já para tudo explorar!

É a minha forma de não lamentar o que eu não puder ver sem ficar por lá perdida tentando ver tudo!

Encontrei na Grécia os ciganos que estava à espera de encontrar na Roménia, não é irónico?

E, diga-se de passagem estragavam muito da paisagem que os rodeava com toda a imundice que espalhavam em seu redor!

Fui sempre andando por ruelas, conhecendo o aspeto menos “civilizado” do país, como eu gosto de fazer!

E cheguei à capital sem parar em lado nenhum, que o calor era pouco inspirador para paragens!

Fui recebida num hostel tão simpático e acolhedor que o ar fresco lá dentro apenas me inspirava a não sair mais.

Fiz amizade com o cachorro de serviço e tudo, entre cervejas frescas deliciosas e muita conversa com a rececionista, que me deu todas as indicações que eu queria, sobre como organizar uma visita ao país, indo também de ilha em ilha e onde deixar a moto para o fazer, que era uma das coisas que eu procurava saber em Atenas!

Quando o tempo arrefecia um pouco, saí para a cidade. Era tarde para visitar a Acrópole, por isso andei por ali, de esplanada em esplanada, apreciando o espetáculo e saboreando o delicioso café daquelas gentes, que é tão bom como o nosso!

Atenas está cheia de vestígios do seu passado grandioso, como o Estádio Panathinaiko, uma coisa com capacidade para 80.000 pessoas!!! Aqueles gregos eram loucos! Foi construído mais de 500 anos antes de Cristo, totalmente em mármore branco!

Já esteve em ruinas e foi restaurado no final séc. XIX aquando da realização dos primeiros jogos olímpicos da era moderna. Voltou a ser usado nos últimos jogos olímpicos em Atenas em 2004.

E andei por ali a vaguear, por solo sagrado para quem aprecia história e mito…

Ao tempo que eu sonhava ir a Atenas… e continuo a sonhar!

Subi ao Monte Lycabettus.
As voltas que eu dei para lhe encontrar a estrada, porque as ruas são íngremes, fazendo como que prateleiras quando se chega à rua de cima, e parecia que a moto bateria com a “barriga” no chão ao passar da ruela que subia para aquela a que ia dar! Tudo isto de noite, sem GPS a conduzir-me e sem ter a certeza de estar a fazer sentidos proibidos!

Lá em cima há um enorme espaço que estava cheio de carros, com famílias inteiras a curtir a paisagem, e jovens com música e tudo, num ambiente simpático, mas onde apena eu estava sozinha!

Senti todos os olhos pousados em mim, quando eu pensei que passaria ali despercebida, momentos de paz e contemplação!

Então comprei umas bugigangas para comer e beber numa roulotte que há ali e fui subir até ao ponto mais alto do monte onde há uma capelinha do séc. XIX e uma paisagem deslumbrante sobre a cidade!

Passa-se por um restaurante/café muito interessante e chega-se à capelinha, estava por ali muita gente também, num ambiente simpático.

Em que as pessoas tentavam desesperadamente tirar fotografias umas às outras com a cidade como cenário de fundo, sem entenderem que não era possível com os equipamentos básicos que tinham, já que com flash apanhavam as pessoas e o fundo negro, sem flash ficava tudo tremido, sem gente nem fundo que se aproveite! Eheheh

Ao lado da capela há uma descida, que é também a outra saída do monte, se a descermos um pouco, com cuidado pois os gregos adoram pavimentos em mármore e aquela treta escorrega para caramba, mesmo com o chão seco, chega-se a um patamar onde Atenas nos enche os sentidos…

Oh a Acrópole ali no meio provocou uma sensação…

Ali sim, fiquei em silêncio, não estava mais ninguém além de mim e soube tão bem….

E fui para casa, era o fim do meu 21º dia de viagem…

**** ****

(continua)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s