4 . Passeando pelos Balcãs – Rumo à Roménia

(continuação)

20 de agosto de 2013

– Atenas e Micenas e o passado da nossa civilização! –

Acrópole é a parte alta de uma cidade, uma zona elevada e importante mas, “A” Acrópole é obviamente a de Atenas!

Fica no centro da cidade, elevada e cheia de construções extraordinárias e cheia de gente a toda a hora! Vai-se subindo e apreciando o que fica para baixo e para os lados como o teatro de Odeão de Herodes Ático

Chega-se à entrada e o povo é aos magotes pelo escadório à espera dos guias!

Estar ali para mim não tem nada a ver com turismo ou curiosidade por pedras famosas e antigas organizadas de forma curiosa… estar ali era como estar num templo, muito para lá do religioso! O templo da nossa antiguidade, da civilização ocidental…

Furei por ali acima, por entre gente que mostrava todo o tipo de interesses menos pelo que nos rodeava a todos… quase uma blasfémia… e ele estava ali à frente, o templo de Erecteion!

E as suas cariátides espantosas a quem dediquei tanto tempo de estudo muitos anos antes, estavam ali tão perto! Se eu pudesse tê-las-ia tocado…

E à direita o imenso Partenon…

O Partenon é aquele símbolo do passado, da cultura, da democracia e da civilização grega que tem de ser visitado… O monumento a Atena e que a ela deve o seu nome, já que albergava em si uma estatua em marfim e ouro da deusa Atena Partenos. Tudo o que eu queria era estar ali sozinha, não foi possível… nunca é! Pois é também um dos monumentos mais visitados no mundo!

Mas por momentos foi como se a multidão se evaporasse, o calor amansasse e o silêncio se sobrepusesse a todo e qualquer ruido! Um passo no passado que tocou fundo as minhas memórias e sonhos de jovem estudante de artes, quando sonhei pela primeira vez ali estar…

é uma sensação estar perante tal obra, onde ainda se pode ver uma pequena parte do frontão, já que o resto foi retirado e está no museu

De repente ninguém mais importava, era como se fosse apenas eu e aquela obra fantástica! Sentei-me no meio das pedras, ali onde ninguém passava por ser mais íngreme e mal jeitoso e desenhei…

Lá em baixo, mais a sul, outro teatro, o Teatro de Dionísio, diz-se que ele foi o berço da tragédia grega!

Do outro lado, ao longe fica o Monte Lycabettus, no meio da cidade, aquele onde eu subira na noite anterior e onde prometera voltar!

E eu queria ficar ali uma eternidade, rodeada de tudo aquilo que me fizera ir ali!

Olhava para os monumentos em todos os ângulos e voltava a dar-lhes a volta, e voltava a sentar-me, e voltava a desenhar…

As cariátides são aquelas colunas em forma de gente que suportam todo o peso do “alpendre” que as alberga! Elas são o expoente máximo da técnica arquitetónica grega e por isso são tão fascinantes!

De repente sentia-me completamente desorientada, como se tivesse caído no mundo real! O calor estava insuportável e as pessoas falavam alto… e eu nem dera quase por ela!

Tinha de ir embora, não havia mais nada a fazer ali

O povo continuava a chegar aos magotes e a escadaria de entrada estava intransitável!

Uma ultima espreitadela lá para cima e segui o meu caminho!

Atenas estava aos meus pés, mas o mais bonito de se ver era o ponto onde eu estava, por isso fui procurar outra perspetiva do quadro geral da cidade!

«E no dia seguinte voltei a subir ao Monte Lycabettus! A visita noturna, no dia anterior, tinha-me fascinado tanto que eu queria ver tudo de novo à luz do dia! E lá estava a Acrópole, no meio de um oceano de casas! O monte é o ponto mais alto da cidade, por isso tudo se passa lá em baixo em seu redor de uma forma fascinante! Fiquei ali em silêncio, pensando na pessoa privilegiada que sou por poder ir indo a cada sítio que sonho e neles viver momentos de paz que tocam a euforia do “eu estou mesmo aqui!”»

Atenas parece não ter fim, nem espaço algum entre todas aquelas casinhas brancas!

O monte Lycabettus é o ponto mais alto da cidade e tem no seu topo uma capelinha do séc. XIX dedicada a S. Jorge.

Ao lado há a tal passagem que eu descera no dia anterior, que é também uma saída do monte e que nos leva a um patamar livre de elementos perturbadores e onde a paisagem é soberba!

E fiz uma foto que seria um postal Maravilhou-me tanto ver a bela Atenas aos meus pés, cheia de vida e encanto que a fotografei e desenhei até à exaustão! Simplesmente não queria sair dali e só vou sossegar quando lá voltar! Foi como estar perante uma personalidade, uma estrela, daquelas que não se encontram sempre e por isso provocam um efeito de contemplação muda… momentos de paz e espanto…

Lá em cima do monte, para alem do restaurante e da capelinha, há um anfiteatro moderno onde se fazem festas!

E desci o morro na direção da Plaka, uma das zonas comerciais e pitorescas da cidade, onde se pode comprar de tudo!

Fui recebida por gente supersimpática que me tratou como uma heroína, na loja onde fui ver bugigangas! Uma loja familiar onde trabalhavam pai, mãe e filho. O filho também tem moto e queria dar a volta à Grécia comigo, pois ainda não tivera coragem de o fazer sozinho!

Acharam que eu era de outro mundo por andar ali de moto, vinda de tão longe sozinha, por isso, segundo eles, se estivéssemos na Grécia antiga dar-me-iam uma coroa de louros pelos meus feitos tão inscriveis e fantásticos (segundo eles), como estamos na atualidade, deram-me uma pulseira em turquesa e um olhito da sorte que me puseram ao peito, para me acompanhar na minha viagem até ao fim, e que nada de mal me acontecesse!

Momentos giros de muita risota e brincadeira!

Ainda embalada pelo bom ambiente na loja assisti a um episódio deplorável que me deixou estupefacta! Mais à frente fica uma igreja muito antiga, dizia uma placa colocada na sua fachada que era a igreja ortodoxa de Santa Catarina e que era do século XI.

Entrei para a ver por dentro, tinha uma fila de bancos a impedir a passagem para a zona dos altares e eu pus-me ali a olhar e ia tirar uma ou duas fotos quando uma fulana abriu a fila dos bancos e foi até ao altar! Um padre veio e tentou expulsa-la.

Os ortodoxos rezam tocando nas figuras, beijam-nas, põem-lhe as mãos, tornam a beijar, beijam de novo as mãos e tocam mais uma vez ou duas as figuras, num ritual repetitivo de beijos e toques. Entendi que não queriam que se fizesse aquilo ali, numa igreja tão antiga, por isso estava bloqueado o acesso aos altares.

Mas o que se passou a seguir ultrapassou os limites do bom senso e da religiosidade! O padre tentou expulsar a mulher e ela não acatou as suas ordens, por isso “pegaram-se” ela insistindo que queria rezar, ele insistindo que ela tinha de sair. Agarrou-a e tentou puxa-la para fora, ela insistiu, começaram a berrar um com o outro e, ele não conseguindo tira-la dali, pôs-se em frente do altar onde ela queria rezar, e ficaram ali os dois a ralhar um com o outro, enquanto ele se encostava às figuras de braços cruzados!

Eu nunca vira tal coisa e desagradou-me demais o ambiente! Que coisa feia, ainda por cima estando por ali turistas e gente estrangeira, como eu, de boca aberta a assistir àquela cena deplorável, dentro de um espaço religioso!

Tirei uma foto de fugida e fui-me embora dali, com uma enorme vontade de dar um par de chapadas a cada um por não se saberem comportar numa igreja…

O ar estava a aquecer rapidamente e eu tinha de decidir onde ia a seguir!

Não consegui resistir, estava tão perto de um local extraordinário (para mim) e eu iria lá, mesmo sofrendo com o enorme calor que se avizinhava… fiz-me à estrada, afinal já estava tão habituada a ele que era mais quilómetro menos quilómetro, certamente não me mataria mais uma escaldadela!

Fiz uma boa parte do trajeto sem luvas só para poder apreciar o presente que recebera! Gosto da cor turquesa e achei muita piada à pulseira! Gente boa, aqueles gregos!

Parei numa terra, lá no estreito braço de terra que une a zona continental àquela espécie de ilha, sem conseguir entender muito bem em que terra estava! Aquela letra grega põe-me grega de todo!

Estava um calor infernal e eu só queria beber água, muita água gelada, por isso parei junto a uma esplanada, sob o olhar atento de uma série de pessoas, pois a moto ficou quase dentro da esplanada! Era o lugar mais fresco na sombra!

Sentei-me numa mesa e o empregado veio atender-me com um imenso copo de água cheio de gelo! Bolas, era o que eu queria, água! Nem sabia mais o que pedir! Acabei por pedir um café, contando que fosse uma bosta qualquer mas sempre ajudaria a manter-me reguila!

Engano meu! O café era delicioso, diria que era mesmo muito parecido com o nosso! Puxa, cada vez gostava mais dos gregos!

Dei uma volta pela terra e percebi que por ali não era só eu que apreciava um bom café!

Por entre esplanadas cheias de gente, havia lojas de tudo, peixarias com um ótimo aspeto e floristas muito bem apresentadas e casas de café com os seus enormes moinhos à porta!

Fiquei ali a apreciar os diversos moinhos nas entradas das lojas de café, uma fulana meteu conversa comigo, tinha-me visto chegar e ficara impressionada porque me achava muito magrinha para poder com a minha moto tão grande! Puxa, e não é que de repente toda a gente me achava magrinha! Eu até já começava a creditar que se calhar até era verdade!

E ela insistia, como é que eu podia com a minha moto com um corpinho assim! Valha-me Deus, eu fui sempre imponente e toda a gente me achava magra de repente?

Então entendi que ela também tinha moto e, como era tão alta como eu mas o dobro de mim, achava que eu não tinha corpo para poder com a moto! Outras pessoas pareciam concordar com ela, mesmo eu dizendo que vinha de Portugal e que era a moto que me trazia às costas e não eu a ela!

A dada altura rematei a conversa com um “mas não seria por ter um cú grande que eu poderia melhor com a moto!”

A fulana pareceu não gostar muito da piada… ok, ela tinha um cú grande, aliás tudo era grande nela, e isso não queria dizer que ajudasse a poder melhor com a moto! Quando vi a sua moto percebi a sua duvida, ele era bem maior e volumosa do que eu e a sua moto era bem menos que a minha!

Segui o meu caminho como quem atravessa o deserto, que por ali é o que o clima e a paisagem lembram. As placas falavam cada vez mais grego e menos língua que se entendesse! Tive de parar junto a uma placa e copiar para o GPS aquela macacada usando o teclado grego (sim, que o meu Patrick é muito inteligente e fala grego!) antes que as placas fossem complicando e eu perdesse o tino ao meu destino! Μυκήνες, não é propriamente a coisa mais fácil de memorizar!

E lá estava ela… Micenas!

Comprei uma garrafa de água gelada e fui subir o morro, doseando a água como quem atravessa o deserto!

«Há coisas que eu preciso ver e que faço os quilómetros que tiver de fazer para lá ir… foi o caso de Micenas, aquele lugar quase sagrado que foi o centro da civilização grega lá pelo segundo milénio antes de cristo. Foi tão importante que deu o nome àquela época histórica: o período micénico. E a porta, o Portal do Leão, é aquela “coisa” imperdível e a construção mais famosa de Micenas. Uma construção fantástica composta por grandes blocos monolíticos, de mais de 3 metros, que suportam a pedra calcárica com duas leoas esculpidas! As horas que eu passei estudando esta “acrópole” na faculdade… e finalmente vi-a!»

Olha-se para ela como para um altar…

E eu fiquei ali, debaixo de um sol tórrido a olhar para o portal! Que coisa esplendida!

O túmulo circular, ou cemitério mais propriamente, tão perfeito e visível…

Aquilo é mesmo solo sagrado da nossa civilização, digno de ajoelhar e rezar como fazia o papa João Paulo II!

Há inclusive uma cisterna subterrânea ali! Não a pude ver porque não tinha luz comigo, uma falta imperdoável, e aquilo desce até 18 metros de profundidade, sem qualquer luz exterior portanto!

Não fui só eu que fiquei à porta!

Anda-se por ali, por entre pedras e caminhos com mais de 3.000 anos! Fez um efeito cá dentro!…

Chega-se à porta norte e ela é feita também de blocos monolíticos de toneladas! Como conseguiam eles erguer tais pedras?

Não conseguia sair dali! Sentava-me nas pedras e olhava em volta como quem vive um momento único e tudo quer gravar na memória!

Voltei finalmente para a porta, a minha água estava a acabar e o calor ameaçava esturricar-me os miolos, apesar do chapéu!

Ainda dei uma volta no museu, onde se podem encontrar imensos artefactos da época, descobertos por ali, bem como uma maqueta do local!

Fui comprar nova garrafa de água gelada e lá estava a minha motita à sombra, que bom, o sol não dera a volta suficiente para a deixar a descoberto, graças a Deus, senão teria sido um suplicio montar e andar!

Fiz-me à estrada a toda a velocidade, pois estava longe do sítio onde iria dormir. Apanhei a autoestrada, que aquele calor todo, mais toda a distância que queria fazer, não inspiravam a passeios demorados!

Passei por motociclistas que corriam para caramba sem capacete! Não consegui entender qual era o prazer de ir a 160km/h sem capacete, arriscando todo o tipo de imprevistos, desde mosquitos e poeiras a bater na cara, até a possibilidade de ser envolvido num acidente sem qualquer proteção para a cabeça! Mas eles lá andavam, com o capacete preso nas traseiras da moto e cabelos ao vento!!

Cheguei a Neos Panteleimonas ao entardecer. O GPS disse-me que chegava ao destino à direita e eu só via casas bonitas e particulares! “Valha-me Deus, lá estás tu desorientado!” Perguntei mais acima numa loja onde ficava o sitio que eu procurava… era exatamente onde o GPS dizia! “Pronto, ok, ganhaste, tu é que tinhas razão!”

Fui recebida por uma senhora supersimpática que se apressou a trazer-me uma cerveja gelada, que eu estava meio desidratada, embora tivesse passado o dia a beber de tudo!

Fui jantar ainda toda molhada do banho no restaurante mais acima! Ui e que bem eu comi!

Os senhores eram muito simpáticos, trouxeram-me imensas coisas boas para comer, pois eu deixei ao seu critério o que eu iria comer, já que não nos entendíamos! Eles perceberam que eu estava faminta e bastava! No fim posaram para uma foto e tudo! O jantar foi uma pechincha, por tudo o que comi, com vinho e café e tudo, paguei 12€! Que bem que soube!

A paisagem era o castelinho em frente, que eu podia ver da esplanada do restaurante onde me fui encher de comida!

E foi o fim do 22º dia de viagem… amanhã iria para Istambul, outro dos grandes destinos desta viagem!

**** ****

21 de agosto de 2013

– Istambul, cidade extraordinária! –

Eu estava hospedada muito perto do monte Olimpo, sim aquele onde viviam todos os deuses gregos! Eu sabia que ele estava logo ali por isso não me preocupei muito em procura-lo pois ele apareceria a qualquer momento ao alcance do meu olhar, certamente, pois se ele é a montanha mais alta da Grécia e uma das mais altas da Europa!

Do outro lado da rua ficava o castelinho que me tinha feito companhia ao jantar na noite anterior, podia vê-lo no topo do morro, mas era outro monte o que eu queria ver!

Logo a seguir podia ver o mar Egeu! Que sensação olhar para o mar e saber que aquele não era o meu mar do costume, era o mar que provavelmente deve o seu nome a Egeia, rainha das Amazonas! Um mar da antiguidade cheio de história e histórias, lendas e memórias… importante para alguém a quem chamam Amazona! 🙂

Foi ali, ao caminhar pela areia, que eu percebi que me entrava areia por uma bota e constatei que tinha gasto boa parte da sola de tanto caminhar!

E lá estava o monte ao longe, imponente e envolto em nuvens misteriosas!

Um velhote viu-me ali especada a olhar e foi-me informando que estava mau o tempo no monte!

Falei-lhe da vontade de lá ir dar uma volta e tal!

Disse-me que com aquela nuvem enorme no topo, não valeria a pena lá ir, pois nada se veria, seria passear pelas nuvens, frio e chuva!

Logo à frente cruzei coma placa que indicava o caminho para lá…

Não sabia o que fazer!

Pus-me a comer amoras enquanto pensava, ao tempo que eu não via amoras na berma da estrada!

Se fosse arriscava-me a nada ver, apanhar uma molha e perder muito tempo no frio e mau tempo! Se não fosse, teria de escrever na minha agenda “Monte olimpos, um destino a visitar!” e seguiria para Istambul que ficava a uma infinidade de quilómetros dali!

Ora aquela infinidade de quilómetros eram afinal 737km, que foi o total percorrido por mim nesse dia…

Paciência, o Monte Olimpo e toda a sua mitologia teriam de ficar para outra vez, que Istambul estava a chamar-me e eu iria mas é para lá.

O caminho que eu faria a seguir seria uma tentação, eu sabia! Afinal estaria a percorrer o estreito caminho entre dois países, com o mar do lado direito e um terceiro pais da esquerda!

As placas a dizer Bulgária eram frequentes, como eu imaginava, e eu tive de as ignorar ou nunca mais chegaria ao meu destino!

Quando eu traço o meu caminho em casa, eu imagino o que vai acontecer e o que me vai passar pela cabeça e deixo para o momento as decisões que vou tomar do tipo, se me apetecer ir passear para a Bulgária, logo se vê, mas traço o caminho para Istambul!

O mar Egeu acompanhava-me sempre mais ou menos ao meu lado direito e a Bulgária do lado esquerdo!

E eu consegui resistir até começarem a aparecer as placas a dizer Turquia. Era melhor assim eu tinha de ter em conta a passagem da fronteira que podia ser demorada e não havia necessidade de a deixar para passar à noite! Depois a Bulgária continuará lá para eu visitar noutra viagem qualquer.

E passar a fronteira foi um momento único que me chegou mesmo a divertir!

Considerando que eu já tinha passado uma série de fronteiras, fiz como sempre faço, parei no primeiro guiché que me apareceu. Fui recebida por um “bom dia, o seu passaporte!” mostrei-o, perguntaram-me onde estavam os meus colegas, respondi que estava sozinha, o senhor ergueu-se de repente dentro da cabine e espreitou para moto “sozinha?!!!” arregalou os olhos “sim!” depois daquilo que pareceu uma eternidade de espanto, mandou-me seguir!

Só isto? Então e não quer ver mais nada para além do passaporte? Mas lá segui por uns 200 metros, outro guiché! Ah ok! Há mais um sítio para parar!

Mais um “bom dia” mas desta vez pediram-me a carta verde, perguntaram-me de novo pelos meus colegas, respondi de novo que estava sozinha “sozinha?” exclamou o homem, e desta vez ergueu-se ele e um colega que estava também dentro da cabine e olharam para a moto lá de dentro. “faça uma boa viagem!” disse ele finalmente entregando-me a carta verde!

Siga para a frente, parece que por ali toda a gente olhava para a minha moto como se ela fosse um veículo de outro planeta! Para ela e para mim! Mas sempre com simpatia e surpresa, nada que me assustasse ou sequer preocupasse.

Foi quando me começou a dar vontade de rir, porque logo à frente, pimba, mais um guiché, mais um “bom dia” e tal, desta vez estavam 3 homens dentro da cabine e pediram-me a carta de condução e o passaporte! “com quem viaja” perguntaram-me “sozinha” respondi! Levantam-se o três e olham para moto desde lá de cima da cabine cá para baixo. Não me contive e ri mesmo!

Conversavam entre eles e voltavam a espreitar para a moto. Valha-me Deus, que lhes estará a passar pela cabeça?

Bem, desta vez eu teria de ir a pé até ao guiché noutro lado, onde pagaria finalmente os 15€ para fazerem o visto. Aí o rapaz não espreitou para a moto porque a podia ver pela porta aberta da cabine, já que esta era num caminho lateral em relação àquele onde eu pousara a moto!

Recebeu-me com um “que grande moto!” e um sorriso, e foi o 4º guiché em que parei! Fiquei com o meu passaporte todo bonito, com um autocolante novo e tudo, para juntar aos diversos carimbos que vinha colecionando por aqueles países!

De volta à moto, encontrei-a toda vaidosa no meio de vários polícias aduaneiros que a admiravam de todos os ângulos. Ela ostentava já alguns autocolantes desta viagem o que, a somar aos da top-case, estava a entreter bastante aqueles homens! Quando me aproximei fizeram a pergunta da praxe, se fui a todos estes sítios de moto, e eu tive de me conter para não responder o que sempre respondo (Não, comprei os autocolantes pela internet!) e limitei-me a dizer que sim! Sim, sempre sozinha, sim mesmo à Escócia e à Polonia e à Holanda e tudo! Só a Marrocos é que fui com amigos!

E não tenho medo? Não, é tudo boa gente, não a Turquia não me metia medo pois é tudo boa gente também!

Lá me mandaram seguir e, como previsto, lá estava mais um guiché! Aí soltei uma gargalhada! Oh valha-me Deus será que vou ter guichés em filinha até chegar a Istambul? Que mais me vão pedir, onde mais me vão carimbar?

Ah, o passaporte para confirmar se lá estava o autocolante do visto? Ok! Com quem viajo? Sozinha e, adivinhe-se, lá se levantou o rapaz para olhar para mim e para a moto!

“wow, linda moto! Faça boa viagem e aprecie o nosso país!”

E isso quer dizer que há ou não mais guichés ali para frente? Não havia mais eu podia seguir à confiança! E assim foi, 30 minutos de guichés, admiração e espanto depois, lá estava eu a caminho de um dos pontos mais desejados desta minha viagem!

O Marmara aparecia ao meu lado, uma emoção… o 6º dos 7 mares que visitaria nesta viagem!

E comecei a sentir que estava perto de Istambul! A bem dizer eu estava já em Istambul mas pensava que não era possível, afinal faltavam tantos quilómetros para chegar ao meu destino!

Enquanto o trânsito foi fluído eu não pensei que já estava na cidade! Mas afinal tratava-se da cidade maior da Europa e uma das maiores do mundo e eu não processei logo o que isso quereria dizer, em termos de quilómetros, e estrada, e transito e tal… até tudo parar e eu ficar meio entalada muito direitinha na fila dos carros! “E agora o que faço? Furo ou sigo muito ordeira na fila?”

Havia policias no passeio por isso eu fiquei muito quietinha na fila! Então uma moto parou ao meu lado, o fulano abriu a viseira e falou-me em inglês “Tu não és um carro, anda para a frente!” “Mas está ali a policia!” disse eu “não importa, tu não és um carro e estás em Istambul, ou andas ou nunca mais sais daqui!” e seguiu fazendo gincana por entre os carros, mesmo por baixo do nariz dos policias.

Bem, se ele faz aquilo eu também faço! E foi a alucinação total, com a minha moto gigante a furar pelo meio das nesgas mais estreitas e variáveis, porque por ali o trânsito é caótico mas fluido e meio selvático em termos de rapidez! Uma alegria de condução que eu adoro e onde eu tinha de ter cuidado até com o sitio onde punha os pés, pois os carros circulam tão perto da gente que eu temia que me pisassem com alguma roda!

Eu sempre gostei de conduzir por entre os carros, torcer-me e retorcer a moto para passar aqui e ali, mesmo sendo ela grande e os espelhos demasiado ao nível dos dos carros, por isso foi um fartote de diversão e exercícios de pura agilidade!

O meu hostel era bem no centro da cidade, ali pertinho das mesquitas e tal, o que complicou a coisa pois o GPS mandava-me seguir para a esquerda e era sentido proibido, mais à frente a mesma coisa e eu a ver que estava mesmo no coração do turismo e da confusão. Parei junto a um polícia que estava na berma da estrada com a sua Crosstourer e, depois de um “Nice bike” mostrei-lhe no GPS onde queria ir e perguntei como fazer se as ruas eram todas de sentido proibido!

Ele apontou a rua ali ao lado e disse “Go!” mas é sentido proibido, insisti eu, “No problem!” insistiu ele! Ah ok, então bora lá!

Meti a moto pelos quelhos e na verdade ninguém pareceu importar-se que eu ali passasse, por esplanadas em que as pessoas arrumaram as cadeiras para eu passar, pisando tapetes e tocando nos vasos de flores, até chegar, meia dúzia de curvas depois, à porta que eu procurava!

O hostel ficava a escassos 200 ou 300 metros da praça onde para um lado fica a Mesquita Azul e para o outro a Basílica de Hagia Sophia, por isso o trânsito era tão condicionado!

Pousei a moto no parque do hostel e fui passear a pé, agradecendo a mim mesma a decisão que tomara de seguir direta para Istambul pois teria tempo para ver de imediato algo da cidade!

Istambul era uma cidade onde eu queria ir há muito tempo, já quando fiz o meu atual passaporte, há 3 anos, foi com a ideia de ir até lá, acabei na época por ir apenas até à Croácia e Hungria, deixando Turquia no baú do “tenho de lá ir”, por isso desta vez queria muito ali estar o máximo de tempo possível, sabendo que vou lá voltar mais tarde com todo o tempo!

Passeei-me um pouco junto à basílica de Hagia Sophia, aquela construção magnífica que já foi templo de 3 religiões, mas era a Mesquita Azul que eu queria ver naquele dia… e ela lá estava extraordinária do outro lado da praça!

Espanto, foi tudo o que consegui sentir ao olha-la…

Fui-me aproximando e o deslumbramento era crescente, porque a sua grandiosidade aumenta com a sua dimensão, a sua redondeza e os seus pormenores!

A Hagia Sophia fascina-me pela antiguidade e história, afinal é uma construção bizantina antiquíssima lá do séc. VI, mas a Mesquita azul, que é bem mais recente, do séc. XVII, foi construída para ser bela, surpreendente e superar a primeira e consegue-o pela harmonia de formas do seu estilo otomano em que a luz é bem aproveitada e joga para completar o quadro que ela é!

Em frente à Mesquita Azul há uma série de bancos fixos ao chão onde as pessoas se sentam, como numa plateia, onde o cenário é a basílica para um lado e a mesquita para o outro, num ambiente simpático, num entardecer de verão!

E fui à mesquita. À porta há placards a explicar como as pessoas devem estar vestidas para entrar.

Um fulano acercou-se de mim e esteve a ajudar-me e a explicar-me como devia fazer, pôr as botas num saco, tirar o chapéu e pôr um grande pano na cabeça, para poder entrar. Depois entrou comigo e só aí percebi que ele era uma melga a tentar cativar-me, porque os outros que estavam a ajudar as pessoas não entravam com elas! Oh valha-me Deus, lá vou ter de descartar esta melga da minha beira!

Fui tirando fotos daqui e dali e ele atras de mim com uma conversa de “vou-te levar a ver a mesquita do terraço de uma loja aqui ao lado e vamos tomar chá e mais bla, bla, bla!”

“Oh homem, desampara-me a loja!” mas não havia maneira, então disse-lhe que se fosse embora pois o meu marido estava a chegar e não seria bom que se encontrassem. “Eu não tenho medo do teu marido!” exclamou ele “Ai não? Mas devias ter! Olha que se eu sou assim grande, imagina como ele é, e tem mau feitio e é ciumento e tudo!” foi tão giro, o homem desapareceu imediatamente como o fumo! eheheheh

“E hoje cheguei a tempo de visitar a Mesquita Azul, antes das orações do fim do dia! Que bem me soube passear descalça pela alcatifa vermelha que reveste todo o seu espaço interior! Dão-nos sacos de plástico para pormos os sapatos e panos para as senhoras cobrirem a cabeça. Valha-me Deus, eu que não tenho jeito nenhum para segurar um pano tão rijo em cima de mim e ao mesmo tempo tirar fotos! Sentei-me no chão e fiquei ali a olhar o imenso espaço, sob a grande cúpula, onde apenas os homens podem entrar. Vou lá voltar amanhã, tenho muito o que ver numa construção tão fantástica como aquela!”

Sentei-me no chão e desenhei….

E fotografei e de alguma forma não me apetecia sair dali!

Tal como imaginara, apaixonei-me pelo edifício, e voltei a desenha-lo uma e outra vez, porque era uma das coisas que eu queria fazer ali, desenhar aquela mesquita!

A Mesquita Azul é a única na cidade que tem 6 minaretes e dizem que Istambul tem vinte e tal mesquitas! Dizem também que esta é a mais bela de todas!

E fui-me sentar nos tais bancos que estão na frente da mesquita, cheios de gente e miúdos e movimento, a comer melancia, que por ali se vende cortada aos cubos em latinhas de plástico com um garfo para a gente comer ali mesmo.

Duas crianças acercaram-se de mim, brinquei um pouco com elas tentando ver se me entendiam em francês ou em inglês. A mãe era uma daquelas fulanas todas cobertas com panos pretos apenas com uma frincha aberta nos olhos, que eram a única coisa que eu via do seu rosto. Cheia de lata dirigiu-se a mim

“És um cowboy?” perguntou “É que usas chapéu!”

Olha-me esta! Eu não podia acreditar que aquela coisa embrulhada em panos pretos me estivesse a querer gozar!

“És um ladrão?” perguntei eu em resposta “É que usas panos a tapar a cara!”

A menina, ou o que quer que fosse que estivesse dentro dos panos, parece que não gostou da resposta e foi-se juntar à amigas. Pelo sim pelo não pus-me de pé, para que ela e as outras entendessem que eu era muito mais alta que os seus 1.5m de altura e que não seria boa coisa virem meter-se comigo mais! Resultou, pude ver os seus olhos medirem dos pés à cabeça. Levantaram-se, recolheram os miúdos e foram embora! “Pindéricas!”

E eu fui passear pelo mercado ali ao lado!

Começava a hora da oração e estava tudo meio deserto por ali!

“Passear ao serão pelas ruas de Istambul foi a sensação tão esperada de liberdade, despreocupação e descanso de uma longa jornada! Tinha feito muitos quilómetros já, debaixo de temperaturas muito altas e uma noite fresca e agradável, com uma caixa de melancia fresca aos cubos para saborear, era tudo o que eu precisava para me sentir no paraíso! A Mesquita Azul brilhava por trás da fonte luminosa que mudava de cor a cada coreografia das águas, ouviam-se as vozes de quem, como eu, comia melancia às garfadas por ali e miúdos brincavam pelo relvado… Tenho de reviver isto de novo, um dia!”

E finalmente fui dormir, que este 23º dia de viagem fora longo!

**** ****

22 de agosto de 2013

– Istambul, Bizâncio, Constantinopla, capital de grandes impérios entre dois continentes! –

Desde o início que havia duas ou três coisas que eu queria ver e fazer em Istambul e, mesmo não tendo muito tempo para visitar a cidade, passei lá o tempo suficiente para cumprir essa vontade!

Eu sabia que aquela é apenas a cidade maior da Europa e uma das maiores do mundo com tanta coisa para ver que todo o tempo que eu tinha seria pouco, por isso procurei cumprir os meus principais objetivos deixando o resto para uma futura visita! É sempre mais fácil quando a cabeça se organiza antes em vez de ficar no meio da confusão tentando decidir o que fazer a seguir.

Ora uma das coisas que eu queria muito visitar ali era a Cisterna da Basílica, fica ali ao ladinho da Basilica de Hajia Sophia, onde há umas casinhas tão bonitas que nem parecem coisa de lá!

E lá estava ela, do outro lado da rua!

Aquilo quase passa despercebido, não fossem as várias pessoas que se vão enfileirando na berma da estrada para a visita e, contra o que se espera, anda-se um pouco, desce-se umas escadas e… lá está ela!

“Desde a primeira vez que eu vi uma foto da Cisterna de Istambul, que eu decidi que tinha de cá vir vê-la… hoje eu vi-a! Linda, misteriosa, antiga…. A “Yerebatan Sarnici” construída na época bizantina (séc. VI) tem qualquer coisa como 336 colunas e podia comportar 30 milhões de litros de água!! Esta água vinha desde a floresta de Belgrado e era armazenada aqui para fornecer a cidade o que lhe permitiria grande autonomia em caso de seca! Também aqui foi rodado um filme do James Bond! Maravilhei-me ali dentro, como dentro de uma catedral!”

Não consigo descrever o deslumbramento quando encontro o que procurava ver há tempo demais! É como se, de repente, estivesse perante uma personalidade, uma entidade!

Foi muito bom ser das primeiras pessoas a entrar, pois assim pude ver e parar e fotografar de todos os ângulos sem multidões na minha frente a encher-me as foto de “ruidos”!

Dei-lhe a volta, fotografei de todos os ângulos e a vontade era ficar mais um pouco, voltar a dar a volta, voltar a olhar de lá para cá e de cá para lá…

A água tem peixinhos que a gente pressente na escuridão!

O restauro e a iluminação foram perfeitos! Se tentarmos fotografar aquilo som flash percebemos que a iluminação lhe dá todo o encanto e mistério que vemos!

Aqui e ali uma coluna diferente chama a atenção. Afinal a cisterna foi construída rapidamente usando colunas já existentes, vindas de diversos templos da Asia Menor, por isso naturalmente, sendo mais de 300, não serão todas iguais!

E lá bem no fundo, depois de toda a “colunata” há 2 bem diferentes, com cabeças de Medusa na base, onde toda a gente quer ser fotografado. Na realidade são colunas romanas que exemplificam bem a mestria da escultura e arquitetura romana! O mistério permanece sobre as posições que as duas cabeças ocupam lá nas bases das colunas!

Uma de lado…

Outra ao contrário!

Lá em baixo há um café e tudo, mesmo por baixo da saída da Cisterna! Deve ser curioso trabalhar ali, isso é que se pode chamar viver na obscuridade, a servir copos de leite e sumos, nada de cerveja!

Simplesmente não conseguia tirar os olhos da beleza do espaço…

Do outro lado fica a Basílica de Hagia Sophia …

Hagia Sofia quer dizer Sagrada Sabedoria! A Basílica, que já foi catedral de Constantinopla, começou sendo Ortodoxa, depois foi Católica, depois Islâmica e, finalmente, hoje é um museu.
Foi consagrada no dia de Natal do ano 537, o que a faz ter quase 1500 anos! E é linda!

Entrei ali e deslumbrei-me, todo o piso é feito de enormes placas de mármore, gasto e estalado dos muitos séculos de uso, e tudo em volta me inspirava um enorme respeito…

O edifício mostra desgaste, uma pena imaginar se aquilo se perde!

O vão é enorme, por baixo da grande cúpula… quantos séculos de história ali se contam naquele espaço…

Sobe-se para o andar de cima por uma rampa empedrada e não por uma escada!

A Basílica está em recuperação e podem-se ver fotos do espaço coberto por ali.

É reconfortante ver que está tudo a ser restaurado, porque é urgente preservar tudo aquilo antes que seja tarde demais!

Sentia-me no coração da história de Istambul…

Pelas janelas podia ver o exterior e não queria sair dali mais!

Há mosaicos ali do séc. XI e XII!!! Uma coisa deslumbrante que não se encontra em qualquer lado!

E o chão de mármore, continua infinito pelo piso superior, em lajes imensas!

Numa das entradas há uma coluna com um buraco onde a gente mete o dedo e tem de dar a volta toda à mão com ele lá enfiado! Seguramente que eu teria conseguido a proeza pela agilidade de mãos e pulsos que tenho… não fosse ter de usar precisamente o polegar que tenho avariado!

O ambiente cá fora estava lindo, com aquele sol deslumbrante, mas muito calor já!

Apetecia que aquelas fontes estivessem a jorrar água com força e enfiar os pés lá dentro… mas aquilo é só para olhar, há muito que deixou as suas funções!

E pronto, tinha viajado ao passado e visitado algumas das coisas que tanto me chamavam e me levaram ali, parei e sentei cá fora, fiz mais um desenho ou dois da mesquita Azul do outro lado do jardim e da Hagia Sophia pertinho de mim.

Sentia-me tão feliz que de repente nem sabia mais o que me apetecia fazer!

Eu não queria de todo pegar na moto naquele dia, ela estava muito bem estacionada da pousada e precisava de paz, depois de tanto quilómetro, tanto calor e tanto esforço! Por isso apanhei um autocarro e fui dar uma volta pela cidade! Fixe, deixar a condução na mão de profissionais enquanto descansava as minhas mãos!

E com isso, eu, que nunca ando de 4 rodas, a primeira vez que passei a ponte do Bósforo, fi-lo de autocarro e não de moto! Eheheh

**** ****

– Constantinopla, capital de grandes impérios entre dois continentes! –

Era impossível eu não me apaixonar pela grande cidade de Istambul!

“A Cidade”, como lhe chamaram vários povos, como se mais nenhuma cidade houvesse para além dela!

Já foi chamada de Bizâncio, de Nova Roma, de Constantinopla, de Kostantiniyye e, finalmente, Istambul!
Já foi capital de tantos impérios como:
o Império Romano (durante o séc. IV),
o Império Bizantino (do séc. IV ao séc. XIII),
o Império Latino (durante o séc. XIII),
o Império Bizantino de novo (do séc. XIII ao séc. XV)
e finalmente o Império Otomano (do séc. XV ao séc. XX)

Fica ali, entre o Mar Negro e o Mar de Marmara, entre a Europa e a Asia, e é a única cidade do mundo que se divide entre dois continentes!

E eu fui para a beira do canal… o Bósforo, aquele que divide a cidade em 2 e liga o mar Negro ao Marmara! Passei ali o resto da manhã por entre mercados, restaurantes e povo pelas ruas aos montes! Pertinho fica a ponte Gálata, que atravessa o estuário do Corno de Ouro, onde fica o coração da cidade.

E fui visitar a mesquita Mesquita Yeni

O edifício é do séc. XVI, parece que tudo ali é de há muitos séculos atrás!

É muito bonito e vale a pena ser visitado! Cheguei-me à porta preparada para o ritual de tirar botas, tirar chapéu, embrulhar-me em panos e entrar. As botas eu tirei-as mas quando ia tirar o chapéu um dos senhores que estão à porta a ajudar os turistas disse-me que não precisava tirar o chapéu! “Mas eu quero entrar na mesquita!” expliquei eu “Claro, mas não precisa tirar o chapéu! Entre assim que lhe fica muito bem!” “sem véu?!” “Sim, o chapéu é como um véu!” explicou ele!

Fantástico, não precisei de andar por ali armada em nossa Senhora, a lutar com o pano que cai a cada movimento!

A mesquita é muito bonita por dentro, com o imenso tapete azul a cobrir totalmente o chão, com desenhos extraordinários! Aquilo terá sido feito ali dentro mesmo? É que todo ele é feito à medida do piso da mesquita!

Na realidade tem parecenças com a mesquita azul, mas tem pormenores que eu achei surpreendentes, como estar aberta ao público enquanto estavam em oração, ou reflecção ou algo do género!

Pelo menos estava lá o homem e falar e toda a gente a ouvir!

E o desenho do tapete era muito bonito!

Os homens entram na grande nave, os turistas ficam do lado de fora de uma barreira de madeira e as mulheres que rezam ficam à porta atrás daquelas grades bem fechadinhas de madeira! Uma fulana toda coberta por panos, que ia a entrar para ali, viu-me a espreitar e perguntou-me o que é que eu queria, que ali era o seu espaço de oração.

Não gostei muito dos seus modos e não resisti a perguntar “Ah, e rezam ai atrás das grades porquê? Vocês mordem é?”

Fui-me embora antes que ela me fulminasse completamente com o olhar! Eheheh

Cá fora as pessoas lavavam as mãos e os pés e a cabeça e mais o que pudessem, que estava muito calor. Aproveitei para fazer o mesmo, embora tenha ficado com a ideia de que não tinha direito a fazer tal, pelo menos era a única mulher a pôr mãos e pés na água. Ninguém me disse nada e eu pus também a cabeça!

Logo ali em frente ficam mercados e feiras de tudo, para onde eu fui pois estava fresquinho lá dentro! E o que eu me fartei de petiscar frutos secos e roer pequenos petiscos que me ofereciam!

Ali os doces são muito doces, frequentemente baseados em amêndoa ou noz, come-se um pouco e bebe-se uma grande golada de água e até sabe bem!

Escusado será dizer que bebi uma garrafa de água de 1.5 l enquanto andei por ali nas experiencias alimentares!

Os vendedores são divertidos e brincavam frequentemente comigo, eu ia-lhes respondendo à letra à medida que ia passando e explorando as novidades. Então encontrei numa mercearia um cartaz que me fez partir a rir!

Estava lá em cima, no meio das tralhas. O homem ao ver-me a rir perguntou-me se eu falava espanhol. Não falo mas entendo, por isso estive ali na cavaqueira com ele sobre sogras e venenos e, pimba, mais uns frutos secos para eu provar!

E eles têm aquilo tudo tão bem apresentado! Parece tudo artificial de tão perfeito!

O povo por ali era aos magotes, não só turistas mas também gente nas suas compras diárias!

Voltei à ponte, ao longe podia ver a famosa Torre Gálata, do séc. XIV, que eu não visitaria, não desta vez!

A trapalhada era muita ali junto à ponte Gálata.

Olha-se em volta e vêm-se diversas mesquitas, muita gente e imenso trânsito!

Junto a ela há vendedores de todo o tipo de bugigangas para comer e, por baixo dela, há restaurantes onde me fui encher de comida!

Comi lulas grelhadas acompanhadas com uma enorme cerveja! Inesperado, não imaginei que me oferecessem uma cerveja tão deliciosa por aquelas paragens!

Voltei ao centro histórico da cidade onde fica a mesquita Azul e pensei em visitar o Palácio de Topkapi, o palácio dos soltões que hoje é um museu!

Mas aquilo estava tão cheio de gente e as filas para comprar o bilhete eram de perder de vista!

Foi das coisas que eu tive pena de não visitar… mas teve de ficar para outra vez! Passar horas ali na fila, sob um calor escaldante, estava completamente fora de questão!

Ainda estive ali pelo jardim um pouco, a apreciar cenas giras e a beber mais uma garrafa de água gelada. Estava a ver quando é que o gato esfarrapava o pássaro e o cão esfrangalhava o gato… mas afinal eles eram amigos!

E tinha o resto do dia todo para nada fazer, não é fantástico?

Ali mesmo pertinho da Hagia Sophia fica mais uma das 23 mesquitas da cidade, antiquíssima do séc. XV.

Que eu não visitei porque fiz amizade com um senhor que estava ali ao lado a desenhar. Os desenhos dele não eram geniais, mas ele era muito simpático!

A seguir percorri a Praça Sultanahmet onde se situava o Hipódromo de Constantinopla, uma longa praça ao lado da Mesquita Azul.

Ali encontram-se 3 obeliscos trazidos para embelezar a praça na época da sua construção.

O mais extraordinário para mim é o obelisco do Templo de Karnak em Luxor no Egito, datado de 1490a.c., que foi trazido para Istambul pelo Imperador Teodósio no ano de 390.

Oh, que sensação estar perante uma “peça” do templo de Luxor, onde se calhar eu nunca irei!

Outro é a coluna de Constantino do século X que originalmente era revestida com placas bronze dourado, mas que foi bastante danificado na época das cruzadas e hoje está com a pedra à vista.

E ainda há a Coluna Serpentina que veio da Grécia, onde tinha sido construída para celebrar a vitória dos Gregos sobre os Persas, durante as Guerras Médicas.

E fui visitar de novo a Mesquita Azul que fica ali mesmo ao lado, aquilo não estava muito calmo mas eu queria acabar um ou dois desenhos que deixara a meio no dia anterior, por isso sentei-me no tapete fofinho e desenhei mais um pouco, que se lixasse quem olhasse!

As mesquitas até podem ser parecidas, mas aquela é um espanto! Aquelas abobadas são verdadeiramente vertiginosas!

Havia gente muito interessada no que eu estava a desenhar e eu muito interessada em quem estava por ali, de vez em quando também gosto de pôr pessoas nos meus desenhos!

Fiquei ali muito tempo em longos momentos de paz e serenidade, sem pressa de ir a lado nenhum, apenas estar! Quando sai dei a volta à mesquita, por ruelas encantadoras de casinhas muito giras.

Numa loja de tapetes uns homens meteram conversa comigo, queriam saber quem eu era, de onde eu vinha. Acharam curiosa a minha maneira de vestir e o facto de usar chapéu!

Um queria levar-me a ver a mesquita de cima da loja, a partir do terraço. Então veio o dono da loja e, espanto, falava português! Dizia ele que tinha negócios no Brasil, por isso falava português, sim senhor! Mais uma hora na cavaqueira, que culminou com uma visita à loja, onde ele me fez uma pequena pulseira em fio de seda turquesa, que tirou de um tear de tapetes!

“Isto será como uma pulseira de sorte que te vai acompanhar até ao fim da tua viagem, sem que nada de mal te aconteça! Depois não a tires, deixa que ela caia por si!” disse-me ele, e a verdade é que ela ainda cá anda no meu pulso!

A mesquita era logo ali atrás

E a minha pousada também! Fui até lá tomar um banho e fiz amizade com uma italiana que falava muito bem francês e foi com ela que passei o serão a comer melancia e a passear pelos jardins junto à mesquita e pela Praça Sultanahmet.

E foi o fim do 24º dia de viagem!

**** ****

23 de agosto de 2013

– Finalmente o mar Negro! –

Mais um dia de estrada, mais uma travessia alucinante de Istambul!

Eu gosto de despedidas, gosto de sentir que estou a ir embora, que me importo com isso! Gosto de olhar em volta e tentar reter na memória tudo o que os meus olhos conseguirem abarcar e o meu coração memorizar e depois partir, com esses momentos fugidios acumulados à minha história.

E quando deixo um sítio que gostei de conhecer, planeio como e onde fazer a despedida. Naquele dia, claro que estava determinada a levar a minha motita até ao outro lado do Bósforo, para que ela pusesse as rodas na Asia!

Ao pequeno-almoço vi-me rodeada de coreanos, que estavam muito curiosos a meu respeito! Diga-se de passagem que eu parecia um gigante perto deles, sobretudo das raparigas, pequeninas e miudinhas! Uma delas, que falava muito bem inglês, fartou-se de me fazer perguntas, sobre como era viajar de moto e maravilhava-se com as respostas que eu lhe dava “you inspire me!” repetia ela arregalando os olhos!

Dizia ela que de repente lhe apetecia também ter uma moto e viajar assim por conta própria como eu!

Fizeram-me uma festa quando me preparava para sair, o rapaz da receção estava maravilhado com o meu chapéu também! Mas lá fora é que era o espanto! Aquela gente nem se aproximava da minha moto, só a miúda que me fizera todas as perguntas se aproximou e me pediu para tirar uma foto junto da moto. Depois percebi que ela queria que eu ficasse também. Ela era mesmo miudinha junto de mim, quando me cumprimentou de mão, a sua mãozita era tão pequena e fina que me questionei se seria suficientemente grande para segurar o volante de uma moto!!

Aquilo foi mais uma sessão de fotografia de modelo. Acabei por tirar uma para mim também, pois então!

Ao fim da rua a gente voltava à esquerda e chegava ao meio do jardim onde de um lado se via a Mesquita Azul…

e do outro a Hagia Sophia! Claro que aproveitei para registar o momento em que a minha motita ficou ali no meio de tais cenários!

Desci até ao Bósforo… era por ali que eu queria passar os últimos momentos antes de partir, de um lado e do outro!

Ao longe podia ver a ponte do Bósforo. Aquela ponte tem um trânsito diário impressionante, por isso cerca de 2 meses depois de eu ir embora dali inaugurava o túnel ferroviário do Bósforo, à prova de terramoto, para reduzir a circulação sobre a ponte. Curioso que por lá não se via nenhuma lavoura de obras!

E atravessei a ponte! Wow, que momento! A minha Ninfa estava a entrar na Ásia! Eheheheh

O stop em turco é giro! Coisas que fui aprendendo pelo caminho!

Ora e lá estava a Europa vista da Ásia! Que satisfação infantil, afinal é tudo igual, mas cá dentro é aquela satisfação de “estou na Ásia!”

Despedi-me de Istambul do outro lado do Bósforo, ao longe a mesquita Azul com os seus 6 minaretes e a Hagia Sophia, imponente, acima de tudo… as águas azuis do canal encheram de encanto aqueles momentos que foto nenhuma, ou desenho algum, conseguiu reter… mais um momento histórico na minha história!

E voltei à estrada para seguir o meu caminho!

Conduzir por Istambul é a alucinação completa, as motos circulam pela faixa de segurança sem qualquer problema, ultrapassando tudo e todos!

Eu sempre gostei de conduzir no meio do trânsito, eu sei que é perigoso e tal, mas é tão revigorante! Acho que sinto tanto prazer em conduzir pelo meio de lado nenhum, por entre paisagens deslumbrantes e estradinhas sem ninguém, como pelo trânsito caótico de uma grande cidade. Sobretudo se essa grande cidade é Istambul, onde as motos têm liberdade de seguir por onde puderem.

Lembro-me de ter cuidado ao pôr os pés no chão, a cada vez que parava um pouco, não fosse algum carro passar-lhes por cima!

Depois de conduzir em Istambul, nenhuma outra cidade nesta viagem me deu tanto prazer de condução!

Ora eu queria parar no meio da ponte, fosse como fosse, nem que tivesse de simular uma pequena avaria na moto!

Mas não foi preciso, bastou encostar um pouco e pimba…

“Este foi o momento em que a Ninfa foi grande, parei no meio da ponte que atravessa o canal do Bósforo e ela ficou com uma roda em cada continente! Ao fundo fica o mar Negro, atrás de mim fica o mar de Mármara, do lado esquerdo fica a Europa, do lado direito a Ásia… momento para recordar, quando eu pus as rodas pela primeira vez na Asia!”

E pronto, adeus Istambul!

Uma coisa curiosa é que os polícias tinham sempre motos muito giras!

Segui para a Bulgária… iria ver finalmente o “meu” Mar Negro!

Depois de umas estradinhas giras, pelo meio de lado nenhum, eu estava a ficar cheia de sede! Encontrei uma pequena localidade e fui a um minimercado comprar algo para comer e beber. A senhora (a da bata azul) ficou visivelmente atrapalhada com a minha presença. Queria a todo o custo comunicar comigo.

Não me entendia, eu não a entendia a ela, e ela olha cá para cima, para mim, e ria-se nervosamente! Eu queria dizer-lhe que não era preciso falarmos, pois eu procuraria o que queria, mas não havia maneira de me fazer entender.

Então ela foi buscar uma miúda que, pelo que percebi, era suposto saber inglês! Mas só sabia dizer “yes” e “no”. Desataram a rir-se as duas!

E foi chamar outra… que ainda sabia menos inglês que a anterior. Eu já só me ria com a borga que elas faziam em redor de mim. Não faço ideia do que diziam, mas visivelmente estavam fascinadas com a minha dimensão perto delas, pois eram todas baixinhas!

Então chegou a mais gordinha e a maior de todas, mais risadas, mais brincadeira entre elas, quando esta ultima se pôs a medir-se por mim. Era mais baixa também.

Acabei por pegar no que queria e pagar pelos números que me mostraram na calculadora, que era o que bastava ter feito desde o início!

Mas giro foi quando eu me preparei para partir e montei na moto! Pareciam crianças em volta de mim a mexer em tudo! Então o GPS fascinou todas! Pelos seus gestos percebi que perguntavam o que era aquilo, “TV?” diziam elas! Eheheh

Mostrei o mapa e o sítio onde estávamos, não sei se todas entenderam mas a mais gordinha parecia radiante e fascinada, acho que entendeu o que era aquilo!

Quando dei por ela a rua estava cheia de gente, vários homens tinham-se aproximado um pouco, cheios de curiosidade, mas aquele era um momento feminino, nenhum chegou muito perto!

Pus a moto a funcionar e elas fugiram todas para o passeio, acenei-lhes com a mão, elas acenaram também e fizeram tanta festa que apontei-lhes a máquina fotográfica…

Achei que iriam tapar as caras, voltar-se de costas, sei lá, reclamar, mas para meu espanto, juntaram-se todas num montinho em pose para a foto! Liiindas! Adorei-as!

Eu diverti-me tanto que lhe atirei um beijo com a mão, entre a algazarra que faziam! Que momento giro com todas a atirar-me beijos também!

E logo a seguir comecei a ver placas a indicar… Bulgaristão!

Eu não fazia ideia que por ali a Bulgária se chamava Bulgaristão! Tive um súbito delírio de estar perto de países com Paquistão, Cazaquistão ou Afeganistão! eheheh

Estava o calor do costume quando cheguei à fronteira, e sair da Turquia não era tão simples como sair de um país qualquer! Voltei a andar de guiché em guiché, a preencher papeis sobre o que eu estive a fazer no país, onde estive, onde dormi, quanto paguei e o que gastei! Gente simpática que me ajudou a preencher tudo, pois os papéis eram complexos, até me pediram desculpa por não terem papeis na minha língua, “não se preocupem que Espanha que é ao lado de Portugal também não tem nada em português e eu lá me desenrasco!”. Preenchi os papeis espanhóis, pois então!

Segui para a fronteira búlgara, bolas, fiquei no fim de uma fila de carros, na seca e no calor!

Mas os búlgaros são gente boa, um polícia aduaneiro veio lá do fundo até mim. Pensei que já ía “levar nas orelhas” por estar a tirar fotos dentro da fronteira, que já se sabe é proibido! Mas não, veio-me buscar! Curioso que podia ter-me chamado lá do fundo com um gesto de mão e não o fez, veio à minha beira buscar-me, literalmente. Mandou-me seguir para a frente e mostrar o passaporte ao colega e seguir, que não me metesse de novo na fila!

E assim foi, parei, mostrei o passaporte, e segui com direito a continências e tudo, enquanto aqueles carros todos ficaram ali!!

Segui animada pela sensação agradável que ter sido bem tratada à partida da Turquia e bem recebida à chegada à Bulgária! Até senti uma pontinha de remorsos por não ter incluído uma visita mais detalhada ao país, por isso terei de lá voltar para compensar essa falha!

E lá estava o Mar Negro…. a completar os 7 mares que visitei nesta vieagem:

o Mar Mediterrâneo,
o Mar Lígure,
o Mar Adriático,
o Mar Jónico,
o Mar Egeu,
o Mar de Marmara
e agora o Mar Negro!

«Há ideias que me vêm à memória de vez em quando, a que eu chamo sonhos, mas são apenas vontades e eu tinha o “sonho” ou a vontade de ver o Mar Negro há muito tempo! Desde pequena que o nome me inspirou e me fez desejar lá ir. Não esperava nada mais que um mar, por isso nem sequer tinha receio de me desiludir, o que ele fosse seria fantástico para mim, apenas por pensar “estou no Mar Negro!”. E assim foi, depois do Mar de Marmara, depois da Turquia e do Bósforo, lá estava ele, às portas da Bulgária, a caminho da Roménia, sem nada de especial para além dele mesmo. Parei, aninhei-me na berma da estrada, senti o seu cheiro a maresia e, fechando os olhos, pensei “eu estou aqui!”…»

Todo o caminho a partir dali foi lindo e uma aventura também!

Uma estrada estreita e toda estragada, com depressões profundas, sem que o alcatrão estivesse esburacado, o que queria dizer que tinha de ir com toda a atenção pois podia nem ver as covas até cair nelas!

Cavalos selvagens atravessavam a rua placidamente a qualquer momento e eu já nem sabia se o pior já tinha passado ou estava para vir!

A dada altura passei por um jeep que vinha em sentido contrário, era Búlgaro. Vi pelo retrovisor que um senhor saía e me fazia sinal! “Queres ver que não posso passar e tenho de voltar para trás!?” Ele veio-me perguntar se o caminho de onde eu vinha estava bom, entendi pelos gestos pois ele não dizia uma palavra que eu entendesse!

Acenei com a cabeça que sim apontando com a mão, siga à vontade que, com um carro desses passa por todo o lado, pois se eu passei com esta moto!

Agradeceu-me muito e seguiu caminho. Achei no mínimo curioso que fosse eu, vinda de tão longe e acabada de chegar ao país, a dar indicações a gente de lá! Eheheh

Cheguei a Varna ao fim da tarde, mas não me apeteceu ver a cidade, queria comer e beber e nada fazer! E assim foi!

E foi o fim do 25º dia de viagem!

**** ****

23 de agosto de 2013

– E cheguei a Bucareste! –

Naquele serão eu estive a beber cerveja e a comer pizzas até às tantas. O hostel tinha a modalidade “faça você mesmo a sua piza” e estavam por lá uns malucos que se fartaram de as fazer para toda a gente. As cervejas eram enormes e deliciosas, por isso não me faltou nada para ser feliz, a considerar que estava a tratar de recuperar o peso que perdera!

O hostel ficava numa ruela sem transito e eu pensei que não haveria qualquer problema em deixar a moto na rua, mas fui vivamente aconselhada a mete-la no quintal ao lado, porque na rua nada era seguro! Oh valha-me Deus, afinal tudo aflito que eu ia à Roménia, que lá roubam e assaltam e afinal na Bulgária já não posso deixar a moto numa rua longe de tudo porque não é seguro?

Logo ao lado, depois da sebe, ficava a zona do forno e das mesas corridas onde a gente fazia e comia pizas! Ninguém ficou indiferente às manobras da moto e a conversa foi naturalmente para de onde vinha eu de moto! Havia lá muita gente da Austrália, um pequeno grupo de rapazes viajava por um mês pela Europa, pelo que percebi, para beber e participar em todo o tipo de festas! Dizia-me um que viajar de moto devia ser a coisa mais aborrecida do mundo porque, além de nos cansarmos, não podíamos beber! Mas eu estava a beber, respondi-lhe eu com a minha cerveja, que parecia quase de litro, na mão! “pois mas não te podes embebedar!”!

Oh rapaz eu para beber não venho tão longe! Não falta o que beber na minha terra, não tenho necessidade de correr a Europa de bebedeira em bebedeira! A verdade é que só falavam do que se bebia aqui e ali, e que em Sofia as bebidas são mais baratas que em Varna e, tarde da noite saíram, chamaram vários táxis, e foram todos para Varna enfrascar mais um pouco!

A verdade é que no dia seguinte de manhã ninguém acordava para vir servir o pequeno-almoço nem para abrir as portas para eu sair!

Estava farta de estar ali, um mundo de excessos nunca foi o meu mundo, sobretudo quando são excessos que me tiram a consciência e me privam de viver o dia! Quando me quiser embebedar fá-lo-ei na minha casa, pois assim vou para a cama e nem faço cenas, nem perco nada da vida… opinião minha, claro!

Este foi um dia grande para mim, de repente iria realizar dois dos grandes objetivos da minha viagem! Eu sei que podem parecer meio malucos esses meus objetivos, mas há coisas simples que significam muito para mim, mais do que estar em algum momento histórico em algum lugar! Vou só, e é nessa “solidão” que eu me realizo ao sentir-me onde desejei ir!

O primeiro objetivo era nadar no Mar Negro! Claro, com tanta vontade de o ver não podia deixar passar a vontade de o tocar!

Lá estava ele, deslumbrante e nada negro….

Ele chama-se negro porque é mais escuro do que outras águas de outros mares ou cursos de água, uma coloração escura provocada pela composição das suas águas e da vegetação submarina que existe nele. Dizem que as suas águas são menos salgadas que as do Mediterrâneo e outros mares! Ao mergulhar soube-me a água salgada na mesma, teria de ir num instante ao Mediterrâneo provar as suas águas para comparar!

Pousei a moto, rapei da toalha e fui nadar! Eheheh

As pessoas ficavam a olhar para mim e para ela com admiração, contei que ninguém lhe tocaria e assim foi! Ela impôs respeito pois então!

As praias eram deliciosas e a água fresca! Àquela hora da manhã já estava calor suficiente para a frescura das águas ser tão bem vinda!

Que bem que me soube! Num bar em frente à praia fizeram-me uma festa quando fui mudar-me, ninguém falava língua que eu entendesse mas fartaram-se de me dizer coisas, de me cumprimentar levantando o polegar no ar, presumi que eram gestos de admiração… (se fosse de desaprovação levantariam o dedo médio, não?)

E segui fresca e revigorada por terras com nomes muito curiosos, em percursos desorganizados! Fui por onde me apeteceu, dando voltas sem sentido, apenas para ver e espreitar um pouco do que houvesse no meu caminho, porque não queria parar muito, mas queria pôr o olho ao país pois quero lá voltar com mais tempo, um dia!

Fui ter a uma saliência no mapa sobre o mar em Kavarna, um sítio histórico num local deslumbrante!

Ao chegar lá havia uma cabine com um rapaz a cobrar bilhetes! Oh valha-me Deus que não tenho dinheiro do vosso para pagar! “Oh, I don’t have noney to pay you!” ele ficou a olhar para mim, sorriu e fez-me sinal “No problem, go on!” fiquei espantada a olhar, enquanto ele me mandava seguir! Gente boa!

E fui explorar ruínhas daquelas que eu gosto tanto! Kavarna foi fundada no séc. V aC pelos gregos e eu queria ir ver como era o que chegou até nós…

Dali a perspetiva sobre o mar é um espanto! Momentos espantosos!

Ali dentro há uma propriedade militar e as ruinas de séculos e séculos de história, mas foram as pessoas que me encantaram! Olhavam-me com espanto, eu ia toda vestida de preto e isso parecia atrair as atenções! Então eu sorria para elas e elas abriam grandes sorrisos também! Não há nada que um sorriso não derreta!

Nada podia comprar porque continuava a não ter dinheiro, o lev nunca chegou a entrar no meu bolso, ou acabaria por trazer mais moedas de sobra no fim do caminho! O que comprei e paguei na Bulgária foi sempre com cartão, mas ali não havia multibanco!

Então uma senhora ofereceu-me água! Genial! Gente tão simpática!

Estive por ali sentada a apreciar a paisagem e a curtir a companhia das pessoas, que estavam muito preocupadas porque eu estava tão perto do penhasco e o chapéu podia ser levado por ali abaixo pelo vento!

Mostrei-lhes que o meu chapéu tem um elástico que me permite prende-lo à cabeça quando está vento! Ah as caras das senhoras espantadas como quem diz “Claro! Por isso está ai em cima tão direitinho com este vento!” e riam-se!

Acabei por fazer um desenho no local, com elas a olhar! Eu nunca faço isso, normalmente desenho “em privado” mas ali apeteceu-me e elas adoraram, sacaram todas dos telemóveis e tiraram-lhe fotos!

Ainda tive direito a uma mão cheia de figos e uvas e tudo! E fui embora com um sorriso enorme porque encontrar gente boa faz tão bem ao coração!

Segui pela berma do mar, mas a minha finalidade era seguir para Bucareste sem parar mais! Há momentos em que só me apetece seguir caminho e a minha obrigação é atender aos meus próprios desejos, mais do que a roteiros ou planos pré-estabelecidos!

E começaram a aparecer as placas que eu esperava! Wow!

A fronteira passou-se na maior paz e serenidade! Cheguei, espantei e segui! Apenas mostrei a capa do meu passaporte e ninguém me incomodou mais, afinal estava na comunidade Europeia de novo!

Achei a operação tão simples que fiquei um pouco ali a olhar para uns e para outros, enquanto a fila dos carros não andava nem desandava. Dois polícias deram a volta à moto e fizeram-me sinal levantando o polegar! Adoraram a moto e parece que adoraram ter uma cliente feminina por ali. “Your friends?” perguntou um “My friends are in Portugal! I’m here alone!”

Adorei o seu “Alone?? Wow! Go on and enjoy our country!”

E o mar Negro era cada vez menos negro, e voltou a apetecer-me mergulhar nele!

Constanţa tem as placas de sinalização da cidade mais originais que encontrei! Enormes barcos marcam a entrada e a saída da cidade!

Apenas dei voltas pela cidade sem desmontar da moto. Ali era o ponto em que eu deixaria o mar Negro para trás e seguiria para o interior do país até Bucareste!

As capelinhas nas bermas das estradas fascinaram-me! Pequenas joias ali, abertas, onde toda a gente podia entrar e, mesmo assim, perfeitas e limpas! Isto mostra muito de um povo que pode entrar e estragar mas respeita! Lembrei-me de quantas capelinhas, bem menos interessantes, existem por cá e estão fechadas a 7 chaves contra o vandalismo!

Então, se calhar, aquele país não está assim tão entregue a gente duvidosa como se pensa frequentemente por cá…

A minha bonequinha em solo romeno! Fica tão bem!

Uma coisa que me despertava o interesse era a arquitetura daquele país e foi aparecendo um pouco do que desejava! Ah aqueles telhados!

De repente a vontade de chegar à capital era grande, queria lá chegar de dia e vê-la naquele dia ainda! Por isso corri!

E de repente deixei de me sentir uma perfeita analfabeta, que nada consegue ler, e consegui entender que havia ali uma autoestrada sem portagens! Boa, segui por ela!

O romeno é uma língua latina por isso consegue-se entender muitas coisas escritas, sobretudo!

E cheguei a Bucareste!

Cidade grande e grandiosa! Cidade espantosa, de trânsito ordeiro, motards simpáticos e estradas limpas! Afinal onde está a Roménia porca, decadente e cheia de ciganos? Certamente fora de Bucareste, porque ali eu sentia-me numa cidade demasiado ordeira!

Que falta me fez conduzir por aquelas avenidas como em Istambul! Ui, seria uma alucinação! Mas tive de seguir calmamente em fila e sem furar muito pelo meio do trânsito que ali parece que não se usa muito…

Uma cidade monumental sem buracos por todos os lados, ou sequer obras a perturbar a paisagem ou a condução!

Quando fui a um minimercado comprar comida para fazer um picnic encontrei gente conhecida no teatro em frente! Que bem que soube!

Como é possível passear por uma cidade daquelas sem encontrar obras por todo o lado? Eu nem sabia que isso existia!

E lá estava a grande avenida que leva até ao extraordinário parlamento! Linda!

Parei ali a moto e não havia ninguém parado fora do lugar! Não havia segundas filas nem transito embaraçoso por todos os lados!

Lá estava o parlamento! O famoso que eu não visitei mas terei de o fazer quando lá voltar! Afinal é o palácio maior do mundo depois do Pentágono, disseram-me lá e confirmei na net!

Está no Guinness, no entanto, como o maior, o mais caro e o mais pesado edifício administrativo do mundo!

Está decidido tenho de lá ir vê-lo por dentro um dia destes!

Acabei o dia junto de um bando de artistas de rua que faziam um grafiti na parede degradada de um edifico bem interessante! A solução de pintar aquela parede pareceu-me genial. Eles eram apoiados e tinham direito a grua e tintas e tudo! Ui, o que me apeteceu meter a mão na obra! Foi um serão agradável com direito a comidinha e cerveja e tudo, juntei o meu picnic ao deles e fizemos uma festa!

E foi o fim do 26º dia de viagem!

**** ****

24 de agosto de 2013

– A Roménia encantadora… –

Depois de tudo o que me foram dizendo sobre a Roménia, de como tinham sido assaltados por lá ou como me iriam roubar a moto e vende-la às peças e tal eu, por via das dúvidas, tratei de encontrar um hostel com parque para motos!

Curiosamente ao chegar ao local não vi sinais de garagem ou outro tipo de parque privado por perto, certamente seria noutro local próximo. Perguntei na receção onde era o parque privado para as motos. “A moto, mete-se cá dentro!” exclamou o rececionista.

“Cá dentro?” Eu entrara realmente por um pátio estreito e comprido, mas a minha moto não passaria sequer o portão! “Cá dentro? – exclamei – mas ela não cabe!”

“Cabe sim, já metemos cá dentro tanta moto!”

“Pois, mas a minha não cabe, não passa sequer na porta!”

O rapaz olhava para mim incrédulo, imagino que na sua cabeça pensaria que eu devia ser uma aselha para não conseguir meter a moto onde tantos motards haviam já metido as suas!

“Onde está a moto?” – quis saber ele como quem vai tirar as teimas e mostrar-me que eu estava enganada. Espreitou pela janela e viu a minha Ninfa bem de cima, acho que a perspetiva dali a tornou ainda mais imponente.

“Ah, não cabe não!” – exclamou espantado!

Claro que não cabia eu sei muito bem a moto que tenho! E ficou ali a olhar para a moto de boca aberta e olhos arregalados. “E veio até aqui sozinha numa moto tão grande?”

Então chegou-se o responsável pelo lugar para espreitar para a moto também.

“ Não há qualquer problema, a moto pode ficar na rua sem que corra perigo!” – disse ele.

“Olha que eu tenho de ter moto para voltar para casa!” – exclamei eu, ao mesmo tempo que pensava em todas as pessoas que me avisaram para nunca deixar a moto na rua pois acordaria sem ela!

A moto ficou na rua sim, mesmo por baixo da minha janela, e ninguém lhe tocou, nem naquela noite nem na seguinte…

**

De manhã eu só queria passear pelo país!

O tempo estava a mudar, já não estava tanto calor e o céu ameaçava encher-se de nuvens a todo o momento! Mas nada me impediria de ir dar uma bela volta de reconhecimento do local!

O país é grande e com clima variado, sai-se debaixo das nuvens e lá está o sol aberto de novo!

Só encontrei ruas limpas e paisagens bonitas! Será que o feio se afastou todo de mim?

Oh as igrejas! Coisas lindas e diferentes onde ninguém me impedia de entrar ou fotografar!

Achei um piadão àquelas torres torcidas!

As pessoas pareciam honradas pela minha visita, sorriam e faziam sinal para eu visitar à vontade!

Os símbolos religiosos deles são muito bonitos, peças de madeira muito bem trabalhadas, como totems!

Cheguei a Câmpina e encontrei outro santuário!

Eu não conseguia resistir a visitar aqueles santuários lindíssimos revestidos de pinturas extraordinárias!

A forma como tudo é pintado em cores vivas contando histórias, faz de cada local religioso um autêntico livro de histórias!

Depois a ruas são boas e, frequentemente, não têm passeios! Em vez disso têm as valetas relvadas com pontesinhas de cimento ou pedra nas passagens para as casas, que nunca têm a porta da entrada direta para a rua!

E as casinhas são mesmo diferentes, frequentemente com telhados de metal, recortados e trabalhados! Por vezes as construções parecem mesmo grandes casas de brincar, de tão queridinhas que são!

Cheguei a Sinaia, onde havia 2 ou 3 coisas que eu queria ver. As pessoas foram muito convincentes ao indicarem-me mais um mosteiro, o Mosteiro de Sinaia, como “a não perder”!

Na realidade há uma igreja nova e uma igreja velha ali, num mosteiro onde vive um grupo de 13 monges.

A igreja nova é do séc. XIX e é muito bonita!

É uma arquitetura diferente da que estamos habituados, olhe-se para aquelas colunas lindíssimas, todas trabalhadas que até parecem bordadas!

Lá estavam os fieis em filinha para rezarem ao seu santo predileto! E beijam-no, e tocam-lhe, e voltam beijar a imagem e as mãos, e por ali ficavamm neste ritual de beija e toca!

Sai-se da igreja e em frente, depois de uma passagem que atravessa o edifício, encontra-se a igreja velha, do séc. XVII.

Não posso deixar de admirar as pessoas que viajam de mochila às costas e catam tudo!

E era tão bonita! Fazia lembrar as igrejas dos mosteiros de Meteora!

Tudo era encantador naquela igreja!

Pormenores de encanto …

E as casinhas em redor? Eram um encanto, pareciam de brincar, por todo o lado!

Ali ao lado sobe-se ao monte até à Cota 1400

E lá de cima via-se toda a redondeza! O castelo de Bran fica ali para a frente uns quilómetros!

A rua que eu estava a fazer andava por todos os lados! Mais uma que, se fosse na Suiça ou na Itália, teria o nome de Col de qualquer coisa e uma tabuleta em cada curva a contabilizar quantas curvas há para fazer!

Fui até ao castelo de Peles.

Chega-se a um parque lindíssimo, com construções extraordinárias e o castelo fica ali dentro, um pouco mais à frente!

Ali há cafés e lojinhas de recordações e gente simpática que ficou a olhar para mim, como se eu fosse um ET que chegou! Nada que um sorriso e um ar simpático não quebrasse!

Ali fiz amizade com um grupo de motards que não conseguia disfarçar o espanto por me ver!

Estavam todos em motos de pista e a minha Ninfa parecia um autocarro perto das deles! Acho que eles não acreditaram muito que eu vinha de tão longe sozinha, alguns estavam sempre a olhar em volta e a perguntar se os meus amigos não viriam mesmo ali ter!

Com a conversa acabei por demorar muito tempo e optar por não visitar o castelo decidindo ir visitar antes o castelo de Bran… o que acabou por não ser a melhor escolha…

Afinal o Castelul Peles é aquele encanto que só se encontra em filmes e histórias de fadas e princesas! Dizem que é um dos mais belos castelos da Europa, eu acho-o um encanto! É um castelo “recente”, romântico lá pelos finais do séc. XIX e ali viveu o rei Carol I, o fundador da moderna Roménia.

Estava muita gente por ali em visita quer ao castelo quer ao parque.. e eu vou ter de lá voltar para o visitar por dentro!

Toda a envolvência é linda, com construções tão encantadoras como ele e gente simpática. Tinha pousado a moto num sítio ingreme e, quando ia sair, ela não recuava, pois enfiou a roda traseira numa reentrância provocada pelo ralo da água. Toda a gente ficou a olhar sem saber o que fazer, então veio um segurança e empurrou-me para trás, fazendo pressão na frente da moto! Agradeci-lhe tanto, ele apenas fez um gesto de adeus “you’re welcome!” respondeu com um largo sorriso! Toda a gente ficou satisfeita por eu sair sã e salva do “buraco”. As pessoas acenaram-me adeus quando parti!

Toda a zona estava cheia de gente e era compreensível, afinal tudo é lindo por ali, com castelinhos e construções lindas a espreitar aqui e ali!

Havia polícia por todos os lados a organizar o trânsito, agentes simpáticos que não prejudicavam as motos, embora os motards romenos (os que encontrei pelo menos por ali) não fossem muito aventureiros, e seguiam ordeiramente na fila dos carros! Eu não me contive a maior parte das vezes e fui furando e ninguém me impediu de o fazer!

**** ****

– A Transilvânia e a casa do amigo Drácula! –

A Transilvânia fica na zona central na Roménia e é mundialmente conhecida pelo seu habitante mais ilustre: o conde Vlad Tepes, que nasceu em 1431 e governou o território que corresponde à Roménia de hoje. Ele e o seu castelo inspiraram histórias e romances e hoje vai-se à Transilvânia por causa deles!

Depois de percorrer planícies ladeadas de montanhas deslumbrantes eu sabia que me estava a aproximar do castelo e imaginava-o por ali, no meio da bruma, sobre uma colina qualquer, por entre outros montes sombrios e inspiradores!

Mas os montes estavam longe demais para os 2km que o meu Patrick anunciava! “puxa, como posso estar apenas a 2 km de Bran se os montes estão tão longe?”

Mas os cartazes começavam a aparecer, anunciando o castelo assombrado “Castelul groazei”

É sempre uma sensação curiosa, por vezes um pouco hilariante mesmo, quando estou à espera de uma coisa e encontro outra! Pelas pesquisas que fizera na internet eu percebera que o castelo de Bran não era aquela construção tenebrosa e assustadora que se pode esperar e, quando lá cheguei, percebi logo que não seria também pela sua envolvência que ele seria assustador!

Para castelo do Conde Drácula, espera-se que ele esteja numa montanha ingreme qualquer, rodeado de paisagens sombrias ou, pelo menos, de difícil acesso! Quando chegamos lá, ele está pacificamente assente numa colina baixa, rodeado de comércio e recordações e artesanato local, com gente aos magotes por todos os lados e tem-se a sensação que “qualquer folha de couve” o tapa como eu comentava ainda em viagem. Um passo ao lado e ele desaparece atrás de uma árvore ou de uma série de telhados e o terror não é nenhum, mais parece um castelo digno de um conto de fadas! Mas é um castelinho bonito e pitoresco, isso é!

O movimento e o comércio é intenso por ali, lá se vai o restinho de terror que se podia ainda esperar! Eheheh

Entra-se na propriedade do castelo e os jardins são bonitos e verdes, a lembrar histórias de fadas e duendes!

E lá estava ele, talvez na única perspetiva em que é verdadeiramente imponente e assustador!

Mas foi ao entrar, para o visitar por dentro, que veio a vontade de sorrir!

O castelo é tão mimi que a sensação que eu tinha era que a qualquer momento passaria por mim tudo menos um vampiro! Uma Cinderela? Uma Rapunzel? Uma Bela adormecida? Qualquer uma, desde que fosse protagonista de uma história de encantar e nunca de uma história de terror!

O castelo é encantador, pitoresco e com passagens e balcões criativos que nos fazem percorrer todos os seus recantos! Ui a quantidade de desenhos que por ali fiz e o que eu me diverti no meio de uma multidão que o percorria permanentemente! A uns quilómetros da cidade ele é anunciado como castelo assombrado… mas na realidade deveria ser anunciado sim como um castelo assombroso!

Mas tem passagens secretas por dentro de paredes e tudo!

O castelo de Bran, apesar da sua rica história real, é conhecido pela sua história fictícia e romanceada! A sua lenda deve-se ao seu proprietário por muito tempo, o Príncipe Vlad Tepes, “o empalador”, conhecido pela sua bravura mas também pela sua crueldade para com os seus inimigos e prisioneiros, basta o apelido pelo qual era conhecido para se entender o terror que o envolvia! O castelo estava numa posição estratégica de grande controlo das rotas mercantis entre a Transilvânia e a Valáquia, mas a verdade é que, pelo menos hoje, não está no ambiente tenebroso que se espera!

Ah, aquele poço, que eu desenhei lá de cima, é tão diro! Fica no meio do pátio irregular

e está cheio de dinheiro!

Ninguém conseguia ficar indiferente a ele! Eheheh

Foi uma visita muito gira e, como o tempo estava a ficar uma bosta, deixei-me estar por ali a desenhar por horas!

E lá estava ele, imponente e assustador, por uns minutos, pois sai-se do ângulo e ele volta a ser mimi!

Cá fora encontra-se de tudo sobre o famoso conde e seu castelo!

Aproveitei para comer qualquer coisa e fiz amizade com 2 gregos que andavam por ali de moto. Tinham estacionado as motos junto à minha e ao perceberem que aquela Pan era minha ficaram muito impressionados!

Perguntaram-me de onde eu vinha, disse-lhes que também tinha estado na Grécia e eles pensaram que eu fora até lá de ferry. Ficaram escandalizados quando contei que viera por terra e que naquele momento já fizera cerca de 13.000km!

Mais uns que me perguntaram repetidamente onde estavam os meus amigos…

“Estão em Portugal, eu vim sozinha!”

Então um deles comentou com um ar de desilusão comicamente exagerado:

“E nós a acharmos que eramos uns heróis porque viemos da Grécia até aqui sozinhos… a Grécia é já ali comparando com Portugal, e tu és uma menina sozinha!”

E lá me fui embora, que ainda queria passear um pouco por Bucareste ao entardecer!

Adeus Drácula, gostei muito da tua casa!

E o caminho voltou a ser encantador, com pontes de madeira e tudo! Que coisa gira aquele país!

Ah, as paragens de autocarro eram lindíssimas! Mais pareciam bancos de jardim com telhado e tudo!

Logo ali a seguir fica uma cidade muralhada que eu tenho de visitar um dia. Descobri-a ao passar pois fica lá no topo do monte, como eu pensava que ficava o castelo de Bran, mas não se pode ir até lá de moto e já era tarde para eu apanhar o transporte próprio para ir lá acima. Por isso tirei fotos para guardar na memória para a minha próxima visita ao local! Pelo que investiguei deve ser lindíssimo aquilo ali em cima!

Quando vou a conduzir a máquina fotográfica é, frequentemente, a minha agenda! Registo em foto o que não quero esquecer!

e voltei para Bucareste

onde há momentos em que parece que estou em Paris!

Grandiosa cidade!

Com igrejas tão lindas por fora como por dentro

E avenidas de perder de vista!

Passear à noite por Bucareste, depois de tudo o que foi dito, prometido como perigo e anunciado como calamidade, foi a serenidade total!

Lá estava o parlamento a atrair a minha atenção… vou lá voltar, é certo!

A cidade é grandiosa com o Rio Dâmbovita a completar o seu encanto e a proporcionar reflexos de beleza pelo seu percurso! Se tudo não fosse tão calmo e ordenado, diria que se assemelha a passear por Paris ou Madrid, mas o ambiente é mais sereno e não me senti envolvida pela correria do trânsito!

Tal como eu imaginava, o medo por vezes agiganta as insignificâncias e faz ver monstros onde eles não estão. Adorável cidade, quando lá voltar será para ficar o tempo suficiente para a explorar com a calma e deslumbramento que ela merece!

E voltei para casa, onde a motita dormiria mais uma noite ao relento, na berma de uma rua qualquer no centro de Bucareste, sem que nada lhe acontecesse!

E foi o fim do 27º dia de viagem!

**** ****

25 de agosto de 2013

– Transfăgărășan – a estrada mais famosa do mundo! –

E tinha de me despedir de Bucareste e da Roménia, ainda que me apetecesse tanto lá ficar mais uma infinidade de tempo, ainda que houvesse tanta coisa que eu queria ver… Parti cheia de nostalgia e com a promessa a mim mesma de que voltaria com muito tempo para ver tudo o que pudesse!

Eu iria para tão longe naquele dia… É sempre assim, vou com toda a calma do mundo e volto em grandes “passadas”, longas estiradas! Ali eu iria de Bucareste até Budapeste, duas capitais com nomes parecidos em países vizinhos, que distaram entre si, para mim, cerca 1000 quilómetros.

Dei mais uma voltinha de moto pelas avenidas da capital em tom de despedida e fui visitar a igreja da Ascensão Princesa Balasa que é o mesmo que dizer Biserica Domnita Balasa

A Printesa Balasa, a princesa triste que diz a história sofreu muito e fez grandes coisas, está lá no jardim numa estátua em mármore de Carrara e o seu túmulo está no interior da igreja do séc. XVIII em estilo neorromânico! Eu tinha de ir ver por dentro, claro!

Aquelas igrejas sempre farão um grande efeito sobre mim, de tão diferentes que são das nossas!

Os interiores pintados são fantásticos!

Segui na direção de Sibiu, sabendo que iria passar pela estrada mais famosa do mundo no entretanto!

As paisagens continuavam a ser lindas e inspiradoras! Parece que para qualquer lado que eu me dirigisse nada mudaria, seria sempre tudo lindo!

As capelinhas na berma das estradas eram encantadoras, em ambientes deliciosos! Apetecia parar junto de todas para fazer fotos!

Quando dei por mim estava a precisar de gasolina e, como em todo o lado por onde andei por aquele país, não tardou a aparecer uma estação de serviço com multibanco e tudo para eu abastecer! Nem dava para stressar, há gasolina e multibanco por todo o lado e pronto!

Abasteci, 26 litros, depósito cheio, e fui pagar…

O multibanco “elétron” não pagou! Puxei do visa que uso sempre… não pagou! Valha-me Deus, eu já pagara tanta coisa com aquele cartão naquela viagem e de repente ele não dava sinal de vida?? Puxei do 2º visa, aquele que só uso em ultimo recurso, que isto de andar por países desconhecidos a toda a hora requer cuidados destes, sempre uma possibilidade de ultimo recurso… mas não pagou também!

Fiquei desnorteada, os funcionários da estação de serviço também! Chamaram o gerente, que nada pôde fazer, não havia maneira de pôr aquilo a funcionar! Perguntei onde ficava o multibanco mais próximo. Ficava a 3km de distância em Pitesti. Estava eu a pensar como fazer para me deixarem ir buscar dinheiro vivo para pagar, quando o gerente simplesmente me disse para eu ir! Nada me pediu como garantia, apenas me disse para eu ir!

Ficaram ali os três a ver-me ir embora, com ar de quem achava que eu certamente não voltaria…

Lembrei-me de uma vez não ter comigo a carteira na hora de pagar a gasolina, cá em portugal, numa estação de serviço onde eu ia frequentemente e ter deixado como garantia o meu Mp3 que na altura era um aparelho que valia 150€….

Ali nada me pediram, apenas me deixaram ir!

Ao fim dos 3km lá estava o multibanco, levantei dinheiro sem dificuldade e voltei. Quando entrei na estação de serviço o ar de alegria foi visível nos rostos dos funcionários, agradeceram várias vezes. Acho que voltaram a acreditar na humanidade naquele momento!

Eu não iria deixar que o português fosse visto na Roménia como os romenos são vistos por cá!

Mais à frente uns quilómetros encontrei a placa que procurava, depois de umas quantas pessoas me indicarem aqui e ali que eu estava a ir no bom caminho. Gente simpática!

A Transfăgărășan é considerada uma das melhores estradas do mundo, pelas suas extraordinárias curvas e paisagens, no entanto não foi construída com fins turísticos, desportivos ou paisagísticos! Na realidade ela teve desde o início fins militares, foi construída por Nicolae Ceaușescu em apenas 4 anos, tem 90 km de curvas e sobe a mais de 2000 metros de altitude!

É muito variado no seu percurso até chegar ao ponto mais famoso, passa por gargantas, planícies, lagos e sobe sobe sobe!

Contrariamente ao que eu esperava, não estava cheia de motos, nem de condutores malucos, como acontece nos passos de montanha italianos ou franceses! Havia gente, havia movimento, mas tudo na paz, com direito a espaço e tempo para paragens estratégicas para tirar fotos e tudo!

Parei junto a uma cascata para apreciar o caminho percorrido. Havia ali vários carros parados com pessoas a apreciar o mesmo que eu. Um miúdo foi sentar-se junto da moto, visivelmente fascinado por ela. Os familiares também ficaram a olhar mas ele não tirava os olhos da moto. Percebi que os pais queriam tirar fotos ao miúdo ali, mas quando me aproximei todos se afastaram.

Disse-lhe que ficasse, que montasse na moto para a fotografia. Foi giro ver o seu ar de assombro. Agradeceram-me tanto ter deixado o miúdo montar na moto, fizeram uma festa e muitas fotos!

A estrada é linda…

Encontrei todo o tipo de bichinhos por ela acima!

Passear por um Passo de montanha é sempre o deslumbramento total, depois há estradas míticas que enchem esse passeio de significado, porque é aquela estrada e não outra, a que estamos a fazer! É o caso da Transfăgărășan, famosa pela filmagem do Top Gear, que fez dela “a estrada mais fantástica do mundo”!

Não será a mais fantástica do meu mundo pois já fiz outras tão ou mais bonitas e com curvas tão ou mais fantásticas, mas é uma estrada muito bonita e interessante de fazer, sobretudo quando estamos a subir pelo seu lado menos famoso até ao topo onde começa a sensação de que a estrada anda por todo o lado, como uma linha num bolso. Nesta subida a paisagem é verdadeiramente inspiradora e por vezes quase perdemos a noção da dimensão do que os nossos olhos abarcam, não fosse uma pequena casa aqui ou ali, para servir de bitola de medida!

E chega-se ao topo!

E lá há comidinha e gente simpática e tudo! Nada do carnaval que é em Bormio no topo da Stelvio, que parece uma peregrinação religiosa, apenas um ambiente de montanha com produtos locais à venda!

Depois de comer uns queijinhos com pão e tal, fui ver uns autocolantes da estrada, toda contente, e… não tinha mais dinheiro para pagar! Oh valha-me Deus que isto do dinheiro estava a pôr-me maluca! Então o homem, muito simpático, ofereceu-mos! Que gente boa aquela! Trouxe uns 6 autocolantes oferecidos porque não tinha dinheiro para os pagar, e isso parece a Roménia de que se fala por cá?

Então começa a parte mais famosa da estrada com placas sugestivas que dizem, segundo o tradutor do Google: “Curvas particularmente perigosas circular com velocidade reduzida”

Ora vamos lá ver se a coisa é como nas fotos!

E lá estava ela toda encarquilhada sobre si própria pelo monte abaixo!

É uma estrada larga, que permite uma condução rápida e fluida, podem circular camiões por ela, ao contraria da Stelvio em que as curvas são muito apertadas e não terá ângulo para pesados muito grandes!

O meu Patrick mostrava-me um desenho muito criativo do percurso que eu estava a fazer!

E andava por lá um camião que ocupava toda a estrada a cada curva! Aproveitei para fazer umas fotos e uns desenhos até chegar a ele!

Curiosamente não se viam quase motos nenhumas por ali! E eu só via carros!

Então, de repente passei por… um porco???

O que anda um porco cor-de-rosinha a fazer a mais de 2000 metros de altitude?

E, pela primeira vez na vida, cruzei com uma vara de porcos a “pastar”! Já vi todo o tipo de animais no monte, cabras, vacas, cavalos, burros! Mas porcos? Foi a primeira vez!

Fiquei ali a olhar para eles, todos contentes a passear pela estrada!

E foi o fim da estrada fenomenal e o início da estrada comum!

Andei por ali muito tempo a brincar, desci, subi, mais lento mais rápido e quando segui… o tempo do relógio já era pouco e o tempo meteorológico traiu-me! O céu ficou carregado quando eu andava a curtir umas estradinhas no meio das aldeias e caminhos e o diluvio ameaçou cair sobre mim!

Estava de novo a precisar de gasolina, que isto de andar numa estrada daquelas a brincar, gasta!

E foi na hora que a estação de serviço apareceu no meu caminho… porque o diluvio caiu mesmo, por mais de 2 horas de chuva muito intensa! Os senhores da bomba só me diziam para esperar, quando eu fiz menção de continuar o meu caminho! E fiquei!

Uma RT se juntou à minha Ninfa e eu tive a companhia de um polaco na minha espera por melhor tempo!

Foi um pedaço giro em que trocamos experiencias e conhecimentos, fizemos perguntas e comparamos percursos. O seu trajeto fora muito menor que o meu, mas ele estava tão maravilhado quanto eu com a Roménia, iria voltar para ver mais do país.

Com o tempo que “perdi” ali, que não foi perdido porque trocar experiencias é tão importante para mim com acrescenta-las à minha vida, não pude ir a Sibiu, e isso foi uma pena…

A minha preocupação então era o facto de ter uma luz da frente fundida! Já vi que a sina se mantem, perder uma luz em viagem! Afinal não era mania da Magnífica, a Ninfa fez o mesmo!

O problema agora é que com aquele tempo e a noite a aproximar-se eu não veria nada da estrada para seguir para a Hungria! Por isso decidi que pararia num hotelzinho de beira de estrada a qualquer momento e passaria ali a noite. Budapeste ficaria para outra vez!

Mas então uma situação se criou que me aconchegou o coração e me fez ir até Budapeste por mais de 500km de condução, grande parte noturna! Fui adotada por camionistas que me ampararam e acompanharam, iluminando o meu caminho, fazendo sinais e cumprimentando-me pela janela dos seus castelos com rodas!

A sensação de ir integrada no meio de um comboio de camiões fascinou-me e eu não tive coragem de sair e quebrar aquele ambiente tão agradável! Falei com muitos a cada paragem, comi com eles, ri e brinquei e nunca me senti nem só, nem em perigo nem às escuras! Eu adoro camiões!

E cheguei à fronteira!

Comprei a vinheta para as autoestradas, pois aquela hora eu não iria fazer nacionais, e continuei no meio de uma série de camiões que iam precisamente para Budapeste!

Cheguei à capital à 1.30h da manhã e fui recebida por um motociclista muito simpático que me ajudou a contactar com o hostel que estava fechado àquela hora!

Uma viagem alucinante e diferente de tudo que eu estou habituada! ADOREI!

E foi o fim do 28º dia de viagem

**** ****

(continua)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s