1 – Passeando pela Europa – 2009

30 dias, 15.000km, 9 paises
Viagem a solo por Espanha, França, (Bélgica, Holanda, Alemanha, Suiça, Italia, Monaco e Andorra)

************** *************

No ultimo dia de Maio de 2009, quando já começara a fazer as marcações das dormidas para mais uma passeata pela Europa, um azar terrível atingiu a minha Magnífica… Quando ía encontrar-me com os amigos do Forum FZ em Ponte de Sôr, meti-me por um estradão de terra batida, que afinal era mesmo de areia solta e, antes que eu fizesse meia volta… caí!

Eu não tive nem um arranhão, mas a minha querida Motita sofreu bastante e gastei com ela todo o orçamento que planeara para a minha viagem…

Felizmente coincidências existem e, à ultima da hora, na hora certa, vendi uns quadros e consegui reunir o capital suficiente para viajar mesmo assim, embora com a confiança um pouco em baixo… e parti para uma viagem de prazer absoluto, onde nos recompusemos de todas as inseguranças de estrada, tanto eu como a minha Magnífica!

************** *************

Escrevia eu a 3 de Setembro de 2009:

3 dias depois de chegar vou tentar falar-vos um pouco desta experiência alucinante que foram 30 dias à solta pela Europa aqui da beirinha!

A minha história recente roubou-me parte da confiança, mas mesmo assim, nada me impedia de ir! Tinha marcado dormidas em Pousadas de Juventude e Hostels de juventude em todo o percurso que queria fazer e… fui!

A primeira paragem foi em Madrid, onde fiquei 2 noites. Foi uma estadia alucinante e um prenúncio do que poderiam ser os restantes dias! Fui recebida amigavelmente com atenções especiais por ter uma motita a cuidar lá fora. O hostal ficava no centro histórico de Madrid que se enchia de gente a noitinha e até as 4 ou 5h da manhã.

Daqui fui visitar não apenas a capital, como era de esperar, mas também Toledo e Segóvia, cidades fantásticas e caminhos dignos de percorrer, já que atravessei a Sierra de Guadarrama e atingi os 1900m de altitude!

—- Madrid —-

Estação de Caminhos de Ferro de La Tocha

Praça Mayor

Palácio Real

Fonte de Cibele

—- Toledo —-

A cidade que já foi capital atraía a minha atenção há algum tempo e não foi tempo perdido visita-la!

—- Segóvia —-

Depois vinha Segóvia na minha escala de curiosidade e, mais uma vez… terra linda!

Apesar da chuva que teimava em não querer ir embora, valeu a penar fazer alguns km a pé numa cidade feita de pequenos encantos!

(Atenção que o fato de chuva não fez parte da minha bagagem! Apenas o blusão era impermeável e mais nada! eheheh)

Havia intervenções artísticas pela cidade bem curiosas!

E o famoso Aqueduto romano o Ex-líbris da cidade!

Visto dos dois lados!

Só tem 730m de comprimento e 29 de altura! E tem 20 séculos de vida!

Ao 3º dia parti para San Sebastian e todo o caminho foi feito de interesse!

Terras no meio de lado nenhum lindas! Aqui parei em Lerma.


E cheguei a San Sebastian, a segunda etapa da minha viagem!
Adorei a cidade, sobretudo a cidade velha!

Esta era a paisagem do hotel!

A catedral

A praça mayor bem pitoresca!

Atenção aos taxis a pedais! Giros giros!

Tudo bem apertadinho e bem bonitinho!

Mas que desemboca num cais espaçoso!

Depois fui até Biarritz, que andava para visitar há tempos e só conseguia passar e seguir porque ia sempre com alguém e nunca se proporcionava!

Não me desiludiu!

Mais uma vez gostei do que vi em Espanha e ficou marcada na minha agenda nova visita por essas paragens!

Depois de uma boa soneca em San Sebastian parti para Paris, com escala em Oradour-Sur-Glane, uma pequena cidade perto de Limousin que foi aniquilada numa noite pelos Nazis em 10 de Junho de 1944.

Cerca de 650 pessoas foram mortas em algumas horas e a cidade foi completamente queimada. Oradour é hoje conservada, como ficou na época, como memorial: A Cidade Mártir.

Depois parti para Paris e fui muito bem recebida na cidade luz!
Depois de ir ao hotel dizer que já estava lá fui ao Sacré Coeur, com a sua eterna multidão aos pés.

E depois de jantar em Montmartre, na Place du Tretre, onde aqueles pintores de 5 minutos teimavam em fazer o meu retrato!

((senhor eu se quiser faço-o eu mesma! Deixe-me comer!! Quanto? Pague-me isso que faço o seu também!!!))

fui ver Paris à noite!

Reparem naquela lua e digam-me que não foi um momento mágico o que vivi aos pés de Notre Dame de Paris!!

Passear em Paris na minha motita foi alucinante! Podia faze-lo durante meses!

E como não podia deixar de ser, não fui dormir sem ir dar uma vista de olhos ao monumento mais famoso da cidade!

E vi-lhe as cuecas e tudo!

Os dias seguintes foram para me encher de Paris e arredores até aos olhos!

Fui a Versailles, mas o povo era tanto e o calor era mortal ao sol, para que ficasse ali umas 2 horas na fila para visitar o interior do palácio, por isso fui-me refrescar pelos jardins, já não foi mau!

A seguir fui até Chartres ver uma das catedrais mais conhecidas da zona!

Com o seu labirinto que se adivinha no chão entre as cadeiras

Passei 6 horas no Louvre até não ter a certeza de poder conduzir a mota depois!

Foram uns quilómetros largos que lá fiz A PÈ!!!!

Encontrei obras velhas amigas minhas!

Como a Vitória de Samutracia liiinda!

Ou as obras Neo-Classicas de David…

Mas a concentração ao estilo de sessão de autógrafos de estrela rock, era na galeria da Gioconda!

((Não sei que vêem nesta mulher!!))

Subi à Torre de Montparnasse que tem 200 metros de altura e uma paisagem espectacular!

Talvez melhor que da Torre Eiffel, pois a partir da torre não se pode ver a própria torre!!

Depois fui a todas as “capelas” que me lembrei!

Todas as “capelas” implicou correr Paris de ponta a ponta! Porque conhecer uma cidade é também percorre-la!

A ultima vez que estive em Paris andei de metro e conheci os locais de forma isolada, desta vez tudo se ligava! Ao fim da rua tinha sempre qualquer coisa conhecida!

O Centre Pompidou fica a escassos metros da Cathedral de Notre Dame, uma grito de modernidade num centro antigo!

E como se não tivessem bastado 6 horas de Louvre, fiz mais 5 de Musée d’Orsay!

Mas valeu a pena, encontrei mais velhos amigos como o Van Gogh

Ou o mais polémico Courbet e tantos outros!….

Valeu a pena o cansaço, de que de resto tratei de me recuperar no Bateau Mouche e fiz a voltinha à Ille de la Cité que afinal são 2!

La Consiergerie, Antigo palácio real e depois prisão, onde Maria Antonieta esperou vários dia numa cela a hora da sua decapitação!

Ponte Alexandre III umas das mais belas pontes do Cena.

O tempo encobriu um pouco, o que foi pena por causa das fotos, mas foi fantastic para mim que não aguentaria tostar ali ao sol no barco no meio do Cena!

É sempre bonito percorrer a margem da ilha e poder ver todas as pontes do cena! São muitas e bonitas.

Do barco a gente consegue por vezes ver várias que se sucedem em sequência! Lindo!

Depois foi a visita à Torre Eiffel! Já a tinha subido de dia por isso desta vez quis subi-la ao anoitecer e foi mágico!

Depois de quase 2 horas de fila… valeu a pena.

Paris aos meus pés!

Então de repente a Torre fez a sua nova habilidade!
Acendeu as suas luzinhas brancas piscantes e, lá de cima ouviu-se a reacção do povo por todo o lado lá em baixo que exclamou de surpresa! Lindo!

E depois fiz uma coisa que eu queria fazer há muito: desci a Torre Eifel a pé! Foi o máximo!

E voltei ao hotel num percurso de sonho por uma cidade idílica!
Voltar a “casa” depois do cansaço de um dia assim é um privilégio!

Quem diz que Paris deve ser visitada a pé, para se ver e se sentir a cidade… nunca a visitou de mota, senão mudaria de ideias! 😀 😀 😀

*****

Embora a minha despedida de Paris tenha sido com a subida à Torre Eifel à noite, no entretanto fui dar a minha voltinha pelo Vale do Loire!

Este vale, repleto de castelos e palácios fortificados, é de uma beleza extraordinária e, apenas passear por ali, é deslumbrante.

Deparamos com os famosos palácios mesmo sem os procurarmos e o rio sempre por ali ao nosso lado! Lindo!

Aqui se encontra a maior concentração de castelos do mundo ao longo do maior rio de França!

O rio Loire

Castelo de Chambord, se calhar o mais admirável de todos, é certamente o mais conhecido!

Em estilo renascentista, de dimensões espantosas, albergou durante a ocupação da França pelos Nazis grande parte das obras do Louvre, quando este foi esvaziado para proteger o seu conteúdo do invasor.

A motita mais fantástica do mundo… fiel e confortável.
Pois, e curiosa como a dona!

Em fundo o Castelo de Amboise

Castelo de Chenonceau, também conhecido como Castelo das Damas, ligadas a este castelo estão mulheres de forte personalidade, algumas delas rainhas de França, outras amantes de reis!

Castelo de Villandry, o último dos grandes castelos construídos nas margens do Rio Loire na época do Renascimento. Com os seus jardins extraordinários!

Castelo de Azay…

Parece um castelinho de brincar! Um mimimho!

Depois veio Loches, vila medieval dominada pelo seu castelo, este mais parecido com os nossos…

A igreja que mais parece uma catedral

E os seus recantos pitorescos.

Adorei o Vale do Loire…

***********

Num outro ainda, dia fui fazer a rota das catedrais.

O norte de França possui as mais notáveis construções Góticas da Europa. Tendo-as conhecido quase todas nos livros de História da Arte quando estudei, queria vê-las ao vivo e não me desiludi!

Note-se que todas estas catedrais foram fortemente danificadas, ou na 1ª ou na 2º Guerras ou, pior ainda, nas duas! Todas se mantiveram de pé mas todas tiveram de sofrer profundas obras de restauro nessas épocas. E valeu a pena!

Catedral de Soissons

A Abadia de Saint-Jean-des-Vignes fundada em 1076 e reconstruída várias vezes ganhou o aspecto Gótico no sec XIV não escapou à venda dos bens nacionais durante a Revolução Francesa que deixou da igreja apenas a fachada Esta fachada isolada no vazio é impressionante!

Catedral de Notre-Dame-de-Reims uma das 2 catedrais mais importantes de França (juntamente com Chartres). Aqui foi baptizado o primeiro rei católico de França, aqui também foi celebrada a paz entre a França e a Alemanha anos após a 2º guerra.

Laon – A cidade apresenta várias construções medievais, a mais importante delas a Catedral de Notre-Dame de Laon, datada do século XII e XIII.

A catedral de Amiens é uma das maiores de França,

(Em Amiens faleceu Julio Verne)

com um piso riquíssimo trabalhado em efeitos ópticos e um imenso labirinto.

Suportou fortes bombardeamentos da 2ª guerra sem danificar os seus vitrais.

Rouen a Catedral que Monet tanto pintou!
Tão grande que era impossível colocá-la dentro de uma fotografia!

Que terrinha tão gira!

Que França tão bonita!! 😮

**********

Depois de cuscar tudo o que pude nos “arredores” de Paris… uns arredores que acumularam mais e 2.000km na minha motita, parti em direcção à Bretanha.

Já tinha estado lá perto no percurso das catedrais, por isso foi só deixar correr a paisagem até Saint Malo e Mont de Saint Michel.

Nas memórias que tenho das voltas que dei pelas planícies do centro de França, ficam os cheiros agradáveis dos cereais que estavam a ser cortados e que me faziam lembrar o das tostas do pequeno-almoço.

Muito agradável!

A paisagem e a arquitectura começam a mudar

Em St Malo o hotel era mesmo em frente ao mar. A cidade é muito interessante e a sua arquitectura não parece sequer pertencer ao mesmo pais que eu vinha visitando!

Como se fosse um país dentro de outro país!

St Malo foi uma cidade corsária muito reputada pela sua rebeldia, aqui nasceram alguns dos corsários e piratas mais temíveis!

Depois fui visitar o famoso monte, uma das maiores atracções turística da França.

E cheguei a Saint Michel, sempre espantoso, faz um efeito entrar numa paisagem que mais perece um cenário!

Aqui é preciso ter-se toda a atenção às marés! A maré sobe rapidamente e há parques que são cobertos em determinados dias. Por isso há informação diária sobre as marés que ninguém deve negligenciar!

A única rua até ao monte está permanentemente cheia de gente que vem e que vai!

Lindo!

Não conseguia parar de tirar fotografias!
No dia seguinte fui lá de novo, mas era impossível circular! Era tanta gente que eu nem me conseguia mexer!

(continua)

Anúncios

8 thoughts on “1 – Passeando pela Europa – 2009

  1. Espetáculo Gracinda!
    Quem me será tar 30 dias seguidos para viajar.
    Parte da tua viagem é-me completamente familiar, como as passagem por Espanha no geral e Paris, o resto, não tenho tempo para lá chegar, ainda…

  2. Cucu!

    Dantes eu também não podia… o dinheiro era menos e precisava trabalhar muito para viver e viajar um pouco!

    Recentemente a vida melhorou um bocado e vai dando para fazer umas loucuras giras!

    Ha que aproveitar!

    Beijucas

  3. Já tinha visto e revisto e até faz parte dos meus backup de viagens.
    Mas é sempre uma delicia voltar a ver/ler, e aqui até está muito bem organizado.
    Parabéns Gracinda

    • Cucu!

      Pois é Alf, decidi reunir aqui, no meu blog, as minhas crónicas que estão “fechadas” em foruns que requerem inscrição:

      Assim qualquer pessoa pode visita-las livremente!

      Também gostei de a rever!

      Beijucas

  4. Olá Gracinda!
    Fiquei sem palavras…

    Fantástico!!
    Adorei no seu todo esta parte da tua crónica. Principalmente a beleza da noite que imortalizaste nas fotografias fantásticas.
    As catedrais, o Vale do Loire e seus castelos, Paris… Está simplesmente espectacular!
    Obrigada. 🙂

    Beijinho

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s