18. Marrocos 2012 – Um regresso a casa conturbado!

8 de Abril de 2012

E amanheceu o dia da partida! Estava sol, parece que todo o sol que faltou na viagem se chegava na hora de partir! E ainda bem, pois terminar uma viagem com chuva torna a coisa bem mais triste!

Demos a volta e descemos para o porto pelas “bordas” da Medina

A simplicidade da saída do país contrasta profundamente com a complicação da entrada! Até parece que a droga entra no país e não que sai!

Ao longe a Medina, que faz fronteira com o porto.

E a mesquita dentro do próprio porto, porque há mesquitas onde houver gente para rezar!

Juntam-se os papeis todos e mostra-se tudo de uma vez.

Segue-se pelo lado da fila de todos os carros para a sua frente. Seremos os primeiros a embarcar!

Os primeirinhos mesmo, no porão completamente vazio!

Voltamos ao ritual de amarrar as motos ao chão, não vão elas entusiasmarem-se com o balanço do barco e desatarem a dançar no meio dos carros!

A minha motita já se estava a sentir como um cachorro, sempre amarrada pela trela!

Mas portou-se muito bem! Liiinda (embora cheia de lixo!)!

É sempre no regresso que a gente pode curtir calmamente o ferry, sem documentos para mostrar, nem papelada para preencher, nem filas de gente para superar!

Curioso que, sendo um barco que liga Espanha a Marrocos tenha um aviso em italiano no porão, na zona mais baixa “atenção à cabeça”

Tudo parece mais rápido na volta que na ida, e já estávamos a preparar-nos para desembarcar!

Havia Jeeps portugueses na fila para sair do porto em Tarifa!

E saímos para Espanha, com Marrocos no horizonte…

Então chegava a hora de o grupo ir ficando mais pequeno. Primeiro deixamos o Carlos e a Paula, que ainda iriam passear um pouco no sul de Espanha. Depois deixamos o João que ria passear um pouco no sul de Portugal… E ficamos 5 motos…

Seguimos calmamente subindo a Espanha, talvez almoçar em Sevilha fosse a boa escolha, por isso passamos Jerez de la Frontera, o Luis à frente, eu a seguir, depois o Correia e… ups! Onde andavam eles que de repente não vinha mais ninguém atrás de mim?

Bolas, distrai-me um pouco e perco quem me segue desta maneira? Se calhar não me viram virar e seguiram em frente! O Luis abrandava, também ele esperava ver as motos aparecerem a qualquer momento. Mas isso não aconteceu, por isso voltamos para trás, iriamos procurar os companheiros de viagem onde eles estivessem!

Encontramo-los sentados fora da berma da via-rápida, muito direitinhos, como miúdos da escola!

Tinham passado por um filme de terror! O pneu da moto do Tónica simplesmente estourara!

E o espantoso é que ele segurara a moto, ninguém fora ao chão! Apenas a adrenalina do susto, o esforço por sobreviver, e estavam todos bem! Grande Tónica!

Paramos todas as nossas motos junto da moto “aninhada” e “aninhamos” junto com o Correia, pois então, por uma infinidade de tempo!

Estas coisas de Seguradoras e Assistência em Viagem demora o que tiver de ser, só faltavam ali umas cervejinhas e umas sandocas de cerdo ibérico, de resto, a gente entre amigos está sempre bem!

Estávamos a uns escassos 90 quilómetros de Sevilha e do cerdo ibérico, mas não chegamos lá!

Aproveitei para me deitar e dormir uma soneca, que isto de esperar sem comer dá sono! Os meus colegas de viagem mantinham-se firmes! Oh p’ra mim a vê-los de pernas para o ar!

A polícia passou e quis saber o que se passava.

Horas depois o reboque lá chegou.

Toca de pôr a motita lá em cima e seguir atrás!

A gente tinha de ter a certeza de que o Tónica, a Ângela e a motita ficavam bem entregues e, de preferência, almoçar com eles, já que já sabíamos que ficariam em Jerez até ao dia seguinte, quando o pneu seria substituído, para seguirem para casa depois!

A moto ficaria guardada no armazém do reboque para ir no dia seguinte para a oficina.

E nós fomos encher-nos de comida e cerveja num restaurante em frente, que as barriguinhas já estavam meio coladas às costas, enquanto não chegava o táxi para levar o simpático casal ao hotel onde pernoitaria!

Estava delicioso o meu frango panado com molho de pimenta!

O táxi chegou e a condutora, Mercedes de seu nome, veio tomar um café com a gente, enquanto esperava que acabássemos de almoçar!

O Tónica e a Ângela lá seguiram para Jerez. Nós seguiríamos para casa, depois de corrigir a pressão do meu pneu.

Foi o fim da viagem, de uma viagem cheia de peripécias, de pequenas preocupações, mas cheia de alegria e boa disposição, pequenas histórias para nunca mais esquecer e seguramente para mais tarde recordar.

Ficou muito para ver, de um país de belezas sem fim, de paisagens variadas, impressionantes e surpreendentes e de um povo cheio de simpatia e hospitalidade para nos dar.

Um país para voltar a explorar…

FIM

Anúncios

21 thoughts on “18. Marrocos 2012 – Um regresso a casa conturbado!

    • Obrigada!

      Já estou a preparar a proxima viagem em Agosto.

      Aí irei sozinha até à Suiça, mais a minha motita, para ver tudo o que ha de bonito para ver naquele país e arredores!

      Lá para Setembro estarei a fazer uma nova crónca, certamente! 😉

      Beijucas

  1. A saida de Marrocos para os camiões não é nada fácil…
    umas vezes levam o controle ao limite de retirar tudo pra fora, seja da carga seja da cabine…
    Outras vezes, nem olham…
    Estranho o penu do sr Correia, nem parece estar no limite…
    O regresso e chegada a casa já foi, para quando a próxima?!?!

    • Pois, nós devíamos ter cara de santinhos e ninguém nos pediu para ver nada! Eheheh

      O pneu do Correia rebentou por dentro, desde os arames, não foi provocado por desgaste, provavelmente foi por pancada no deserto ou mesmo defeito de origem! Não se sabe, pois ele ficou em Jerez e não se pode enviar para a Bridgestone para analisar…

      A próxima é para Agosto, uma viagem cheia de beleza porque volto ao país do meu coração para o catar como não faço há muitos anos! Vou à Suíça e arredores! 😉

  2. Vou deixar aqui algumas palavras minhas que no meio de tanto hão de valer o que valerem….
    Foi uma Viagem que fiz com as vossas fotos e descrições, as cores, as pessoas, a comida, o céu, a aventura em si, até posso dizer que os cheiros chegaram até aqui!
    Foi maravilhoso!
    Obrigado pela vossa partilha, obrigado por nos levarem convosco.
    Obrigado pessoal porque muito provavelmente só conseguirei viajar assim no vosso ombro, e através da vossa lente, visto que, cada cada vez mais, nos roubam a possibilidade de viajar e de nos aventurar…Obrigado a todos e espero vos conhecer um dia numa estrada qualquer.
    Abraços a todos.

    • Obrigada!

      A minha proxima viagem será a solo, por terras cheias de beleza! Encontramo-nos na respetiva crónica! 😉

      É importante nunca perder a esperança nem a vontade de realizar sonhos! Umas vezes seguindo o que alguns vão podendo fazer, outras dando umas voltinhas, nem que poucas, nem que pequenas! O que importa é ir, como eu costumo dizer!

  3. Parabéns ao grupo que viveu estes dias em verdadeira comunhão, desfrutando de tão enriquecedoras experiências.
    Parabéns para ti, por partilhares connosco, de forma tão bela e pormenorizada esta bela viagem!

      • Merci Gracinda pour tous ces bons moments relatés ici, ces magnifiques photos et ces moments partagés… Sans prétendre faire aussi bien, j’essaierai en juin de te faire voyager au Maroc sur tes traces !
        MERCI. Et au prochain voyage. Si tu passes par ici (Montpellier) je serais heureux de te connaître et ma “Pan Adventure” aussi !!!!!

      • Merci!
        J’attends pour t’accompagner dans ton voyage, car j’aime voir ce que les autres personnes voient quand elles font un peut le meme chemin que moi!

        En Aout je vais en Suisse, parce que j’ai besoin de tou revoir dans ce pais, et peut etre je vais passer pres de toi em Montpelier, on ne sais jamais! 😉

  4. Olá Gracinda!
    Bem… a tua crónica chegou ao fim!
    Adorei cada bocadinho da mesma. Cada fotografia que imortalizaste momentos, sítios, histórias.
    Simplesmente fantástica como nos tens acostumado!
    Obrigada por me dares a oportunidade de te/vos acompanhar nesta vossa viagem por Marrocos, pois foi assim que senti de uma maneira particular, admito!
    Que a próxima viagem que corra como desejas. Tudo de bom!
    Beijinho

    Obrigada!!

    • Obrigada Simone!
      Ainda bem que gostaste, é giro que as pessoas vão acompanhando a minha narrativa e vão gostando, pois é um ordenar de memórias cheias de beleza que gosto de partilhar!
      Beijucas

  5. Bolas já acabou : (
    Claro que adorei cada bocadinho, e claro que já estou na fila de espera para ler a crónica da Suíça ; )
    Quanto ao pneu do Correia, já é o 3º Brigstone que vejo nest estado nos últimos meses… algo se passa!… (os outros eram Battlax)

    • Pois é, agora é esperar que o tempo passe a ver se chega a hora de voltar a partir!

      Quanto ao pneu do Correia, nunca tal tinha visto, sempre usei pneus iguais, pois são os indicados para as nossas motos, e que o anda na minha moto é igual e anda cum um furito desde que voltei de viagem, sem problema! :-S

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s