Passeando pelo Douro II

*
*

16 de Junho do 2012

_____________________________________

Acordamos com o barulho a chuva… bolas que pena! A coisa seria sempre gira mas divertido divertido seria poder andar cá fora, apanhar o vento no rosto, fotografar à vontade e não perder pitada de cada curva, cada paisagem na berma do rio!

Voltei-me para o outro lado e continuei a dormir! Dei-me conta que estava a dormir numa cama meio redonda, que oscilava levemente e lá tive de me levantar, não fossem aqueles grandes malucos porem-se a andar sem mim!!

Os últimos convidados já tinham chegado e o Capitão lá os foi receber e nem se notava nada que na noite anterior se deitara com uma grande “rosca”!

A chuva acalmara ou ainda estava indecisa se nos deixava em paz ou nos dava uma daquelas molhas!

Mas com chuva ou sem ela a gente lá se pôs a andar!

Tão girinhos e encantados que pareciam miúdos!

A bem dizer a chuva já nem stressava ninguém!
Havia champanhe no frigorífico e um alpendre ou uma sala onde caberíamos todos, logo que se lixasse a chuva e toca a rapar das máquinas fotográficas!

A Nº1 tem uma vista panorâmica, lá em cima, onde o Capitão comanda as operações, mas não me apetecia estar lá! Se por um lado era fixe, pois podia conversar com o povo, por outro ficava “longe” da paisagem e só tiraria fotos com a frente do barco!

Os meninos alinhavam-se lá em baixo, tão giros!

Os vizinhos aproximavam-se em “grande” velocidade e provocavam-nos com baldadas de água!
Aquele é o “Seven” o barco do amigo Neves, onde eu dormira a noite anterior, e a filhota Andreia, continuava a tarefa do pai, mais o balde da água que me estava a aterrorizar, “Ai a minha máquina!”…

O tempo não melhorava, mas também não chovia, por isso o povo espraiava-se nos acolchoados da frente da Nº1.

Que rica vida a vida de marinheiro!

As margens do rio estão cheias de coisas curiosas! Casas novas mas feias, casas antigas mas arruinadas…

Coisas giras que se encontram nos caminhos do rio!

E na Nº1 o ambiente vai ficando cada vez melhor… original pelo menos!
Que bem que os primos se dão!

Na margem viu-se o Parque de Campismo Campidouro que, da estrada, não parece nada de especial, mas visto do rio dá para imaginar a paisagem privilegiada que tem!

Só apetecia mesmo fotografar em todas as direções!

E lá íam eles em barco de excursão! Coisa de pobre! Olhem para nós em barco de rico! Eheheh

E para condizer com o nosso ar de ricos, só faltava mesmo o pezinho borda fora!

E claro o champanhe! Não há hora para beber champanhe!

O paraíso lá fora revelava-se a cada passo… já nem sei quantas casa escolhi para viver!

A patada veio toda em direção a nós, deviam esperar comida mas, como não tiveram direito a nada, puseram-se a andar de novo para a margem! Eheheh

Chegamos ao ponto onde o meu moçoilo deveria ir ter connosco. Ele estava atrasado, já nem queria vir…
Enquanto isso o Carlos foi brincar com o barquinho de papel!

O barquinho de papel, na realidade andava para caramba!

E ele lá ia, como quem se passeia de banheira!

Enquanto a gente se preparava para esperar um bocado, acompanhados de mais uma taça de champanha, claro!

O “penteado t-shirt” do Carlos fazia-o ficar com um ar entre a Gioconda e um qualquer faraó egípcio!

Estava na hora de comer, o Filipe nunca mais chegava, mas há gente que não se chateia com nada!

O Elísio mostrou o chapéu que usa quando leva uma miúda a passear na Nº1…. Ela responderia “e pensavas que eu vim aqui para jogar às cartas?” eheheh

A Ângela cuidava do Tónica

E o Filipe chegava finalmente!

Mais um momento de felicidade, o sol chegava e nós atravessávamos o rio para ir comer! Veja-se a carinha de satisfação da Paulinha!

Era logo ali, depois daquelas pontes, que iriamos comer!

Com direito a sol e tudo!

Oh p’ra ele todo contente!

Toda a gente estava contente e relaxada, a bem dizer!

E toca a amarrar para desembarcar!

O restaurante era mais um “sitio” de tão grande e ajardinado! Na realidade chama-se mesmo o Restaurante Esplanada Jardim do Arda, na foz do rio com o mesmo nome.

A sangria (que parece que não se chama sangria) é uma original mistura de bebidas com grãos de café! E sabe mesmo bem geladinha!

O menu de grelhados era bom!

E o ambiente também!

Andavam por ali uma série de patos… e chamam-lhes patos bravos! Eles andavam quase por baixo das nossas pernas! Se não fossem bravos comiam connosco à mesa, de faca e garfo?

O grupo que se juntou era muito animado e simpático!

À Nº1 juntaram mais 2 embarcações que seguiriam em conjunto rio acima!

E lá partimos de novo que a eclusa estava marcada para as 16.00h!

O tempo tornara-se muito agradável!

A grande vantagem de andar de barco é que dá para me deitar e deslizar sem me esfarrapar!

(e continua para a eclusa!)

Anúncios

One thought on “Passeando pelo Douro II

  1. Olá Gracinda!
    Gostei! Venha mais!
    As fotografias estão fixes.
    Essa do pato mete-me a pensar. eheheh… 😀
    Ficas bem na foto.
    Beijinho

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s