41. Passeando pelos Balcãs… – Fim de uma bela história… regresso a casa…

1 de setembro de 2013

Andorra-la-Vella não é a cidade mais bonita que conheço, é mais aquela espécie de supermercado onde se aproveita para comprar umas coisitas, como o meu perfume, ou um radio para o carro do moçoilo. Dá-se umas voltitas por ali e está tudo visto… ou será que tenho essa sensação porque passo lá vezes sem conta, ano após anos de há muitos anos para cá?

De qualquer maneira as pessoas são simpáticas e até se torna agradável andar por ali a ver montras… de material motard! Pois, estava na hora de continuar à procura de uma viseira para o meu capacete!

A dada altura eu já nem tirava o capacete, simplesmente pousava a moto à porta da loja, entrava um pouco e perguntava “tem uma viseira interior para este capacete?” e apontava para a cabeça “Ah, não! Vá à loja XX»” e eu seguia para a tal loja!

E ía-me divertindo um pouco por aqui e por ali!

É inacreditável como um capacete tão bom, de uma marca tão importante, não tem em nenhum dos seus representantes uma porcaria de uma viseira para vender! É mais fácil comprar um capacete novo que uma viseira para o que tenho? Pois, parece que o que importa é vender, agora cuidar do que se vende, nem por isso!

Acabei por fazer amizade com gente boa, uns portugueses outros espanhóis, mas todos muito simpáticos e curiosos sobre a minha moto, os seus autocolantes e os sítios onde fui com ela!

E vim embora com a viseira colada com fita-cola e até hoje ainda ninguém me arranjou a porcaria da coisa! Está encomendada à Schuberth desde setembro e… nada ainda!

A viagem acabaria logo a seguir! É sempre a sensação que tenho quando passo os Pirenéus para o lado de Espanha, por isso não me interessaria ir a mais lado nenhum…

Uma coisa que eu aprendi recentemente, numa das últimas viagens que fiz, foi que não adianta alongar por Espanha o que terminou em França ou Andorra, porque o sentimento já é de saudade da viagem e tudo parece ter o sabor da despedida! Então, sendo assim, o melhor é atravessar o país e vir para casa! Saudade por saudade, mato as saudades da viagem com o regresso a casa para junto do meu moçoilo…

Entretanto, depois de combinações descombinadas eu, que deveria passar em Pedrola, na terra do Rui Vieira, para dizer um olá, recebo a mensagem de que o homem afinal combinara tudo mal e não estaria por lá!

Mas eu fui na mesma! Ora aí está uma boa maneira de não fazer sempre os mesmos caminhos e dar uma volta pela terrinha do rapaz!

É um pueblo pequeno e simpático com um canal “à porta”, onde a gente dá uma volta, ficam algumas pessoas a olhar, a gente segue caminho e tudo volta ao normal!

E segui para casa… há uma nostalgia em cada regresso e a Espanha potencia esse sentimento com as suas planícies de perder de vista…

Voltei a passar em Peñafiel, cujo castelo ainda não visitei mas está agendado para uma próxima passagem…

Mas tirei a dúvida: sim, é geminada com a nossa cidade de Penafiel, onde vivo, como eu imaginava! Está ali o brasão cá da terra estampado na placa! Adorei!

Ao longe começou a aparecer uma coluna de fumo muito intensa! Puxa, que grande incendio por ali haveria!

Foi quando entendi que as coisas que me diziam eram mesmo verdade: o país estava a arder!

Depois de mais de 17 mil quilómetros, em que apanhara temperaturas proibitivas, países pobres e com as matas cheias de lenha apetitosa para arder à toa, eu apenas vira os vestígios de um pequeno incendio na Bósnia! 20 países sem fogos nem vestígios de terra queimada!

E o meu país? Estava a arder!

Entrei por Chaves e, de lá até Penafiel vi 8 colunas de fumo, sem esquecer que para sul de Penafiel tudo era fumo, por isso os fogos continuavam às dezenas por aí abaixo. O ar cheirava a queimado, o céu era meio negro, meio castanho…

…e cheguei a casa!

Com direito a receção, com fotógrafo de serviço a registar a minha entrada…

… com a cara toda queimada, o nariz vermelho, depois de ter largado já a pele, mas muita satisfação pelo caminho percorrido na maior paz!

E foi o fim do último dia de viagem!

Cheguei a casa depois de:

34 dias
17.500 km
20 países
8.000 fotos
885 litros de gasolina
1.050.53 € em gasolina
649 € em dormidas
41 € em portagens
E resto foi mais em bebida do que em comida…

Despesa total: 2.215.48 €

O que me faltou?
Um pouco mais de tempo para explorar tanta beleza que tive de deixar para trás!

O que sobrou?
Encanto, beleza, surpresa e simpático acolhimento em todo o lado!

O que valeu a pena?
Seguramente que valeu a pena ignorar, mais do que nunca, todos os medos, e avisos, e temores, de uns e de outros, e ir onde queria ir!

O que teria dispensado?
Tanto calor, por tanto tempo, quase até ao esgotamento físico, porque a moral, nada a esgotaria!

O que me apetece dizer ainda?
Esta foi uma das viagens mais extraordinárias que fiz, por isso vai ter continuação!

O mapa das voltas que dei nesta viagem aparecerá mais tarde, pois está uma trapalhada que tenho de rever!

Adeus e até ao meu próximo regresso à estrada!

40. Passeando pelos Balcãs… – Andorra, a penultima etapa…

31 de agosto de 2013

Logo pela manhã fiz bosta ao limpar as viseiras do capacete pela “enésima” vez!

O Schuberth c3 é um ótimo capacete e tal, mas tem fragilidades que me surpreendem, como aquela viseira interior que é tão flexível que me pareceu sempre que poderia partir a qualquer momento com a pressão ao ser limpa! E é verdade! Apesar de todo o cuidado com que sempre o faço… ela partiu mesmo no encaixe! Bolas, teria de procurar uma nova em Andorra!

Como em tantas outras viagens, desde a primeira vez que estive em Genève, chegou a hora de ir embora! De novo a cidade teve o ar de despedida e eu nem sabia mais do que me despedir pela última vez, desta vez!

De novo eu quis ficar e não voltar mais para casa, de novo tive a vontade de ir a todo o lado rever tudo pela última vez como da primeira vez….

E como em outras viagens, acabei por ir até ao “meu” parque… queria ver aquilo tudo de novo a partir de lá, depois da perspetiva noturna do dia anterior! Da próxima vez terei de ir ali captar um pôr-do-sol extraordinário como já captei tantos, por agora fiquei com a imagem da cidade ao sol da manhã…

Aquilo é lindo visto dali…

Há sempre uma imagem dali que me fica na memória, é inevitável!

Depois desce-se até ao lago e… hora de partir!

Oh aquele lago sempre me encanta!

E parti…

Apanhei a autoestrada, já que é para ir embora façamo-lo depressa…

Ao passar a portagem cruzei com 3 motos suíças, uma delas era uma Goldwing com sidecar e, para meu espanto, transportava algo com grandes rodas sobre ele!

Uma bicicleta?

Curioso, um casal a passear de moto com uma bicicleta amarrada ao sidecar! Atrasei a marcha para os deixar passar e apreciar o conjunto!

Então quando eles me passaram, espanto! Não era uma bicicleta, era uma cadeira de rodas mesmo!

De repente tudo fazia sentido! Nada nos impede de realizar o que sonhamos, desde que sejamos inteligentes! A Goldwing tem até marcha atrás, por isso não é preciso usar os pés para move-la, o sidecar não deixa a moto cair para o lado, e a pendura facilmente liberta a cadeira de rodas para que o condutor possa subir para ela!

Simplesmente não conseguia seguir o meu caminho e fui por muito tempo junto deles a apreciar aquela maravilha de gente!

Uma viagem por autoestrada nunca tem muito o que contar, até se sair dela e se começar a ver coisas bonitas, que é o caso dos Pirenéus!

E Andorra logo a seguir!

E começou a minha epopeia na procura de uma viseira interior para o meu capacete!

Acabei por visitar todas as casas de material para motos em Pas de la Casa, onde parece que toda a gente me conhece já! A verdade é que vou ali tanta vez que até a minha moto já é conhecida e dá sempre nas vistas!

Não havia viseiras para o meu capacete em lado nenhum, toca a subir o monte para ir para Andorra-la-Vella…

Ui, a quantidade de fotos que eu já tirei junto àquela tabuleta, acho que a cada vez que lá passo faço uma nova foto!

Não sei porquê, mas frequentemente sinto que fazer aquela estrada é como se já estivesse a passear em casa…

Parecia Natal em Andorra! Naquele restaurante parece sempre, nunca tiram as luzinhas!

A motita dormiu num parque onde uma Africa Twin ocupava mais espaço que uma Pan e uma FJR juntas! Ainda dizem que as mulheres não sabem estacionar! No que diz respeito a motos acho que poucos homens sabem estacionar a sua moto sem ocuparem todo o espaço possível!

Fiquei hospedada num hostel onde as pessoas eram muito simpáticas e comunicativas, quiseram saber muita coisa sobre mim e a minha viagem e eu aproveitei para saber informações precisas sobre Andorra e explorações que pretendo fazer por ali.

E foi o fim do 33º dia de viagem…

39. Passeando pelos Balcãs… – Annecy e o seu encantador lago…

30 de agosto de 2013 – continuação

Estava no Salève e decidi continuar o meu caminho rumo a uma cidade de encanto que eu visitei vezes sem conta, tanto quando estava em Genève, como a cada vez que passei por aqueles lados!

Segui pelo monte abaixo pelo lado oposto ao que subira, por ruas muito bonitas e deliciosas para fazer de moto,

por entre aldeias e pastos verdes com vaquinhas a pastar e tudo!

Sim, deixei a motita e fui ver as vacas! Eu só tenho medo delas quando estou em cima da moto! Quando estou no chão não tenho qualquer medo! eheheheh

E cheguei à ponte de la Caille… oh aquela ponte! Eu já passei ali com 5 das minhas 6 motos, este foi o momento em que a Ninfa lá passou!

Aquela ponte é pênsil e tem quase dois séculos. O seu piso é em ripas de madeira com pequenos espaços, o que faz com que quem tem vertigens não a consiga atravessar, pois fica suspensa sobre um abismo de 147 metros de profundidade!

As saudades que eu tenho de ver aquilo tudo cheio de neve…

Um dia terei de apanhar um avião qualquer, durante o inverno, e ir ver…

A seguir aparece o lindíssimo lago…

O Lago de Annecy é um dos amores que ficou até hoje no meu coração, juntamente com o Lago Leman! Tão lindo e misterioso, tão inesperado e surpreendente, como a cidade que lhe dá o nome!

Mas antes de ir visitar a cidade fui molhar os pés mas águas limpíssimas e apreciar os encantos da paisagem por caminhos bem inspiradores!

Rodeado de montanhas e paisagens deslumbrantes nunca se esgota em visita alguma, como se os seus encantos fossem infinitos!

Aquele lago e aquela paisagem sempre me transmitiram serenidade! É considerado um dos lagos mais bonitos do mundo e não é por acaso!

Depois do Lago Leman, é o lago que eu mais visito, sempre que posso, sempre que passo, porque a complementar a sua beleza, a cidadezinha é encantadora!

Há por ali diversos passos de montanha deslumbrantes, de onde ele é visível em toda a sua dimensão, mas neste momento apenas mostro o seu encanto próximo de mim, quando parei e molhei os pés nas suas águas!

É nestes momentos que eu tenho a certeza de que o paraíso existe…

A próxima vez que for ali tenho de ver aquilo tudo de cima, num voo em asa-delta ou parapente que será seguramente o deslumbramento total!

E estava na hora de descer até à cidade… descer de um paraíso natural para um paraíso urbano! Sim, é possível!

Até as estradas mais “banais” por ali são encantadoras!

E lá estava Annecy, a Veneza francesa, ou Veneza dos Alpes, com a sua arquitetura medieval e os seus límpidos e encantadores canais!

Annecy já pertenceu ao condado de Genève e encaixa totalmente no ambiente do país vizinho!

As perspetivas dos canais são sempre encantadoras em todos os momentos do ano!

Lembro-me de fazer os trinta e muitos quilómetros de Genève até lá, na minha motoreta, para passar ali o dia, naquele ambiente de beleza quase artificial!

Ora se eu fazia tal distância numa motoreta que não andava nada, como não poderia lá ir com motos tão grandes e potentes como as que vou tendo hoje?!

O “meu” restaurante fica ali, no lado direito, com o tolde vermelho…

Lá estava ele! É ali que eu janto de há uns anos para cá, a cada vez que visito a cidade!

É lindo por dentro!

Mas foi na esplanada que eu comi desta vez!

Claro que escolhi mexilhões! Eu lá podia passar por França sem comer dos seus deliciosos mexilhões?

Fim da visita, bora lá buscar a motita e voltar para casa… que naquela noite ainda seria em Genève…

O jato de água é lindíssimo de noite, com a iluminação a dar-lhe um toque sobrenatural de brancos translúcidos…

E fui até ao meu parque, o parque Lord Byron, onde eu passei tantos dos meus dias e dos meus serões em tempos… e de onde a cidade cintila ao longe!

Um cruzeiro apareceu na água negra e trouxe-me memórias antigas…
Na véspera da minha partida, o meu regresso a casa depois dos meus estudos acabarem, o departamento dos bolseiros organizou um jantar para a despedida. Esse jantar foi a bordo de um dos grandes cruzeiros no lago e, quando o barco passava perto do jato de água, já no regresso, era hora do jato ser desligado e, à medida que o barco passava, o véu branco da água foi recolhendo por muito tempo, cintilando na luz branca de forma verdadeiramente deslumbrante!

Essa foi a minha imagem da despedida que ficou até hoje…

E foi o fim do 32º dia de viagem…