17. Passeando pelos Balcãs… – de Split até Dubrovnik , passando por Mostar

12 de agosto de 2013

O calor começou cedo em Split! Logo pela manhã começava a prometer torrar-me de novo os miolos, mas mesmo assim eu ainda me aventurei a passear um pouco!

Subi ao Monte Marjan de onde se pode ver toda a cidade.

Apenas no trajeto do Monte Marjan até à marina vi 2 carros serem rebocados! Bem, não diria rebocados, pois na realidade foram guindados na frente dos meus olhos! Um policia punha aquelas coisas de metal nas jantes e um guincho prendia nelas, erguia o carro no ar e pimba com ele em cima do reboque! Uma operação de meia dúzia de minutos que a gente quase nem sentia, na fila do trânsito!

Fiquei meio traumatizada pois nunca vira fazer tal coisa! Será que aquilo também funciona assim com as motos?

Depois vi que as motos têm tratamento vip e há sempre uns corredores para os parques por onde apenas elas podem passar sem pagar! Muito simpático! Por isso eu não seria rebocada!

E fui passear um pouco pelo centro da cidade, onde andara no dia anterior. Eu queria visitar a catedral!

A Catedral de St. Svetog Dujma é a catedral mais antiga do mundo! Inicialmente era o mausoléu do imperador Diocleciano, mas foi convertida em catedral no séc. VIII fazendo parte do palácio de Dioclesiano.

Não se podia fotografar lá dentro, por isso lá tive de roubar uns quantos enquadramentos à socapa com a minha máquina silenciosa!

A torre sineira fica ao lado da catedral e é espantosa!

Mais espantoso é vê-la por dentro e subi-la! Para minha surpresa estava um grupo de pessoas amontoadas a alguns degraus do chão, na escada que sobe em caracol, junto ao interior das paredes da torre.

Esperei, pensando que havia fila por qualquer motivo. Talvez a escada em metal não suportasse toda aquela gente de uma vez e tivéssemos de subir aos poucos, mas então aquela gente encostou-se fazendo um esforço para me deixar passar. Só então, ao subir, percebi! As pessoas tinham medo!

A torre é “esquelética” cheia de aberturas e nada que isole o interior, isto é, ao subirmos podemos ver tanto o vazio para o interior da torre, como o vazio para o exterior! Faz um efeito curioso subir assim uma aparente frágil escada no vazio! A paisagem lá de cima é deslumbrante e vale bem a subida àquele que é o símbolo da cidade! Split aos nossos pés!

Vai-se subindo e acompanhando as perspetivas da paisagem pelas inúmeras aberturas

Aberturas ao nosso lado e no ado oposto da torre.

De lá de cima temos uma imagem espantosa de 360º sobre a cidade!

Split é a segunda maior cidade da Croácia e a capital da Dalmacia. Por momentos perguntei-me se os cachorritos dálmatas não viriam de lá, afinal em francês chamam-se “dalacians”!

Então voltei a descer a torre, onde andei sozinha, apenas na descida cruzei com algumas pessoas começavam a subir, o resto permanecia lá em baixo ou desistira!

A meio da descida eu podia ver as pessoas sentadas nas beiras das janelas lá em baixo! Eheheheh

Mas ao olhar para cima era compreensível o medo e a sensação de vertigem que aquelas pessoas deviam sentir!

Uma torre muito bonita!

Depois são as ruínhas estreitas, com esplanadas por todos os cantos

até à Praça do Povo com a Torre Marina, medieval, e o monumento a Marko Marulic, o fundador da literatura croata.

Por esta altura o calor estava mesmo infernal, eu já tinha bebido uma garrafa de 1.5l de água e estava a tratar da segunda!

Saí da cidade e, antes de seguir para sul, passei por Trogir, uma cidadezinha ali ao lado muralhada e muito bonita! Um mimo criado por gregos antes de Cristo e que hoje é uma grande atração turística!

A Katedrala Lovre Sv é encantadora, numa mistura de românico e gótico com a torre a lembrar a torre da catedral de Split!

Como diz a literatura “Trogir possui 2.300 anos de tradição urbana contínua”

A lente da máquina continuava a embaciar com o calor, uma pena pois captava pormenores curiosos de uma cidade que parece de brincar!

Como o recanto dos hippies pintores. Não tenho muita vocação para hippie, mas acabo sempre por meter conversa com quem desenha ou pinta, e ali não foi exceção!

Então segui viagem, não sem parar um pouco para ver de longe a torre sineira da catedral, que sobressai do aglomerado de casinhas, por trás das muralhas!

Eu sei que o caminho pela costa é muito bonito e sei também que é o caminho mais lógico para quem vem de Split para Dubrovnik … mas nem sempre eu vou por lógicas e voltei a fazer o caminho pelo interior!

De novo a Bósnia a despertar a minha curiosidade, mesmo ali ao lado, e foi por lá que eu fui!

Aquilo quer dizer: “Rota do Vinho Herzegovina”. Deu para ver que os Bósnios são muçulmanos mas produzem bons vinhos!

É curioso passar por cemitérios nas bermas das estradas como jardins comuns, sem qualquer resguardo! Dá para ver que não são muito preocupados com isolamentos para os mortos!

E cheguei a Mostar!

Os sinais de destruição provocada pela guerra da Bósnia ainda são um pouco visíveis em edifícios na cidade moderna, mas o centro histórico está lindo, com a sua ponte e ex-libris da cidade perfeitamente reconstruida!

O centro histórico de Mostar é encantador, com as ruelas empedradas com seixos redondos a fazerem-nos cocegas nos pés, e a sua extraordinária Stari Most – a ponte velha, do séc. XVI, sobre o rio Neretva, de águas profundamente esmeralda!

Entrei na Mesquita Koski Mehmed Pasha, que fica mesmo ao lado do rio e tem uma perspetiva extraordinária sobre o rio e o centro histórico!

Para isso tive de subir ao minarete. De novo ainda bem que não sofro de vertigens nem de claustrofobia, porque aquela escadinha não é em caracol, é encaracoladíssima, de tão estreito que é o minarete!

Mas vale a pena subir!

Oh p’rá minha sombra lá em baixo na abobada da mesquita!

E lá estava o rio e a ponte!

E o casario antigo, com telhados de pedra…

Mas os meus olhos não descolavam da ponte, aquela joia lindíssima, sobre o rio esmeralda!

Tirei um milhão de fotos parecidas, simplesmente porque não se consegue evitar de olhar e captar toda aquela beleza!

E por fim lá desci. O minarete era verdadeiramente estreito, podia-se apreciar a sua elegância delgada cá de baixo!

E do jardim da mesquita ainda tirei mais uma série de fotos ao rio e à ponte, era inevitável!

E lá fui ver a ponte de perto.

Ao longe a mesquita de onde eu vira a ponte pela primeira vez!

Agora já cheia de gente, naquele espaço minúsculo, a fotografar em todas as direções como eu fizera!

Há uma tradição na cidade, em que rapazes mergulham desde a ponte para o rio, o que não é coisa fácil já que as águas do Neretva são gélidas e apenas pessoas experientes o devem fazer. Diz-se que esta tradição vem desde o séc. XVII!

Fiquei ali a olhar para a ponte um bom tempo, pensando em quem morreu ali, em quem tudo perdeu e em como tudo parece tão normal, tão pouco tempo depois da catástrofe!

A ponte foi destruída em 1993 e reconstruida por uma série de anos, inaugurada em 2004 e classificado, junto com o centro histórico, como Património Mundial da UNESCO em 2005.

Claro que fiquei ali á fresca muito bem acompanhada por uma cervejinha da terra! E sim, a cerveja Bósnia é muito boa!

Continuei a minha caminhada, com o meu lenço vermelho como apoio, pois o calor era impiedoso e eu transpirava!

A ponte estava agora cheia de mulheres sexies e eu lembrei-me do meu amigo Elísio e tirei uma foto a apanhar algumas!

Nas lojas adjacentes à ponte podem-se ver vídeos da sua destruição em 1993… a gente sabe que aquilo foi tudo abaixo, sabe que toda a zona foi arrasada e, mesmo assim, não consegue deixar de estremecer a cada investida da artilharia de fogo Sérvia e desejar intimamente “parem com isso que a ponte vai cair!” então ela cai e tudo é um monte de escombros em seu redor. É terrível esta sensação de impotência perante a estupidez humana que destrói deliberadamente uma parte da história do seu povo, uma ponte com mais de 400 anos. Hoje ela está lá, perfeita e reconstruida e olho-a com toda a admiração como símbolo de uma cidade martirizada!

 

E fui embora, pelas ruelas às pedrinhas, cheias de lojas de tudo, em que tudo parecia custar um euro!

A Mesquita Nesuh-aga Vucjakovic fica na berma da estrada com o seu cemitério cheio de “mecos” brancos de mármore, em memória de muita gente que morreu na guerra da Bósnia…

A minha motita tinha feito uma amiga italiana carregada de tralhas! Até almofadas ela tinha amarradas ao assento!

Segui em direção a Dubrovnik, por paisagens cheias de curiosidades!

Voltei a encantar-me com a Bósnia!

Até chegar aos seus 8km de praia!

Dubrovnik à vista!

Não fiz muito mais naquela noite, para alem de tomar um bom banho e me esticar de pernas para o ar, depois de um jantar feito mais de bebida do que de comida, pois o calor fora muito e estava visto que o dia seguinte me reservaria ainda muito mais…

E foi o fim do 14º dia de viagem!

Anúncios

16. Passeando pelos Balcãs… – Até Split, passando pelo Nacionalni park Plitvička jezera

11 de agosto de 2013

Os meus planos eram seguir a rota dos turistas todos, pela costa do Adriático mas, de repente deu-me na telha de ir pelo interior!

Lembrava-me da última vez em que parte do prazer de conduzir junto ao mar se foi com a quantidade de turistas que por ali andava a pastar e decidi explorar caminhos interiores que me fascinaram bastante na época. O calor não era o meu maior amigo, pois estava forte de novo, mas nada a que eu já não estivesse habituada!

A minha ideia era ir a Krka, seguir para Split e por lá dar umas voltas pela costa mas, de repente, não resisti e decidi voltar a visitar o Nacionalni park Plitvicka jezera.

“E voltei ao Parque Nacionalni park Plitvicka jezera… é incontornável! A gente passa perto e não pode deixar de ir visitar de novo! O parque é grande e encantador o suficiente para que o visitemos de novo e de novo, sem nos cansarmos nem termos a sensação de que já está tudo visto! São quilómetros de caminhos e passadiços que nos levam de lago em lago e desta vez escolhi um dos vários percursos bem diferente do que fiz há 3 anos. O deslumbramento é tão surpreendente quanto a frescura que se sente por aqueles trilhos cheios de beleza! A água corre por entre as árvores e a vegetação e o seu restolhar acentua a sensação de prazer de caminhar à fresca! Uma tarde de caminhada serena que retemperou energias para voltar ao enorme calor que se fazia sentir fora daquele paraíso feito de sombra, água e encanto!”

Subi no comboio do parque até ao ponto mais alto e estudei o mapa para fazer um percurso diferente do que fizera na última visita, depois foi só caminhar calmamente por entre paisagens e lagos deslumbrantes!

O parque é composto por 16 lagos visitáveis, situados em desníveis sucessivos que fazem com que eles descarreguem uns sobre os outros, como em degraus!

A água corre por todo o lado, por baixo dos nossos pés muitas das vezes, límpida e transparente, que apetece enfia-los dentro dela a todo o momento!

Depois as águas são muito calcáricas e os sedimentos formaram, e vão continuando a formar, barreiras que fazem as águas empossarem e correrem por entre a vegetação frondosa, provocando ou acentuando as cascatas incomuns porque a água parece furar de qualquer maneira o seu caminho de formas inesperadas e deslumbrantes! Estes lagos são por isso dos poucos locais no planeta onde aparecem novas cascatas a cada ano, o que quer dizer que daqui a uns tempos, ao voltar lá, posso descobrir mudanças na paisagem aquática!

Os lagos são conhecidos pelas suas cores variadas, desde o verde intenso, ao azul profundo ou ao cinzento mesclado!

Há por ali uma série de animais raros em vida selvagem, como ursos, lobos, águias e tigres! Não vi nenhum dos simpáticos bichinhos de 4 patas, apenas de 2, como águias e patos muito atarefados, a pescar o seu almoço!

Há 3 anos eu percorri o parque pelo outro lado destes grandes lagos, lá ao fundo!

Desta vez fiz um passeio mais relaxado e pude apreciar as coisas de ângulo diferente pois o meu tempo era outro!

Em 1991, incidentes entre a polícia croata e sérvio croata, pela disputa do local, marcou aqui o início da desintegração da Jugoslávia, naquele que ficou conhecido como o Incidente dos Lagos Plitvice.

E cheguei ao lago final, onde se pode apanhar o barco para chegar até à entrada P1, dado que eu tinha entrado pela entrada P2, que fica mais acima e mais perto do topo dos lagos.

O povo do barco pôs-se a atirar pedacinhos de pão aos patos, mas os pobres não conseguiam levar a melhor aos peixes que chegavam rápido por baixo e lhes roubavam tudo! Foi uma risota, pois a dada altura eles ficavam tão desorientados com a comida que desaparecia em frentes aos seus olhos que parecia que iam começar às bicadas à peixaria toda! Mas não, impotentes abandonaram o local e foram para longe!

Entretanto passou por nós um barco com um nome sugestivo: Medo!

No desembarque estava o meu almoço! Com toda a multidão a comer por toda uma infinidade de mesas! Era mesmo isso que eu estava a precisar!

Franguinho bem cheiroso e apetitoso!

A entrada P2 era perto por isso caminhei até lá, a minha motita estava placidamente à minha espera, do lado de fora da frescura do parque, onde tinha sido fotografada por um motociclista português do Facebook que publicou há dias uma foto dela ali mesmo! O mundo é pequeno, heim?

E voltei a seguir pelo interior, por serras e montes e vales! O calor era intenso mas a montanha é sempre uma tentação para mim!

O vidro no mínimo, o capacete aberto, o blusão na mala e mesmo assim era insuportável todo o calor!

Eu queria ir até Krka, mas terá de ficar para a próxima vez que ali passe pois naquele dia já só me apetecia ir refugiar-me em Split!

O sítio onde fiquei hospedada era muito bonito, bem na zona mais típica da cidade o que permitiu passear a pé por lá, calmamente, até à hora de jantar!

O movimento nas ruas era muito, as pessoas passeavam e conversavam por todos os lados em clima de descontração. A noite estava bem mais fresca que o dia abrasador e era um descanso para a alma!

Estabelecimentos muito “mimis” e esplanadas muito acolhedoras!

No meio do património que está por todo o lado!

Uns deliciosos 26º eram anunciados como temperatura! Que bom!

E junto ao teatro ficava o Wine Garden, onde eu me fui refugiar e onde ficava a minha hospedaria!

O local é um recanto muito interessante e bonito, que à noite, iluminado, fica com um ar muito romântico!

Conforme o nome indica, era mesmo o Jardim do Vinho, onde se faziam provas de vinho com uma lista interessante de vinho da Dalmacia.

Com 6 copos de vinhos diferentes mais comidinha de petiscar, tudo acompanhado de música ao vivo!

Um belo serão, com gente simpática e alguma conversa também!

E fui dormir que o calor esgota a gente e o corpo precisa se recompor!

E foi o fim do 13º dia de viagem!