A Honda Portugal defendeu a minha Magnífica!

Cucu!

No momento em que eu me convencera que a minha Magnifica defende melhor a marca do que a marca a defende a ela, a Honda Portugal veio em seu socorro!

A minha Magnífica, esta Motita que me acompanha há 5 anos, por todo o lado e em todos os dias da minha vida, foi sempre a “ menina dos meus olhos”, cuidei sempre dela como de mim, porque afinal é ela que me transporta e torna possível a realização de muitos dos meus sonhos!

Dei-lhe sempre tudo o que precisou, levei-a sempre ao melhor Sr Doutor que pude… no entanto ela adoeceu em viagem, como nunca poderia ter acontecido!

Perdi a confiança nela, não a compreendia mais, pensei em troca-la, desejei que o pesadelo não se repetisse e só me restava, ou não viajar mais, ou trocar de moto… que neste momento quer dizer a mesma coisa!

De regresso ao ninho, ninguém a apoiou! É fácil por as culpas a quem tanto andou já! Mas a verdade é que ela continuou a ser quem era… Ela continuou a defender a marca e a marca não a defendia a ela!

Então escrevi à Honda Portugal!

“18 de Dezembro de 2011

Exmos Sres

Sou proprietária de uma moto Honda – PanEuropean 1300, de Janeiro de 2007, que é a quinta moto Honda que possuo. (https://gracindaramos.wordpress.com/)

A moto é o único veículo que conduzo, tanto no dia-a-dia como em férias, o que faz com que nas 5 motos que possui desde 1996, tenha completado quase 700.000km.

A minha moto atual tem neste momento 226.000 km, tendo dado a volta ao contador aos 199.999 km, o que faz com que o conta-quilómetros aponte hoje 26.000 km. É uma moto robusta, fiável e confortável como só uma Pan consegue ser. Nela dei diversas voltas pela Europa e Marrocos, sempre contando com essa fiabilidade do modelo. Devo dizer que normalmente viajo sozinha e não quero ter surpresas desagradáveis, por isso toda a assistência que a moto necessite é, e foi sempre, feita na oficina da Honda – Mototur – Comércio de Veículos Motorizados, Lda. (http://www.mototur.pt/) Considerei sempre que seria o mais correto e indicado, para poder confiar no serviço e contar com a garantia de qualidade.

Este ano, quando a moto contava com cerca de 195.000 quilómetros foi necessário mudar a embraiagem, que era a de origem, operação que foi feita aquando da revisão. Depois desta revisão dei uma volta por Espanha, voltei à oficina para ver como a moto estava e do que precisaria para voltar a partir numa viagem até à Escócia.

Parti confiante de que a moto estava capaz de fazer mais esta viagem, como tantas outras fizera antes, no entanto ao chegar a Glasgow, depois de uma noite em estacionamento coberto, ela não voltou a permitir que as mudanças entrassem, assim sem mais nem menos!

Tudo parecia funcionar perfeitamente com a moto até eu tentar meter a 1ª, para iniciar a marcha, aí a mudança parecia uma pancada forte e a moto dava um enorme salto! De Portugal diziam-me que a embraiagem devia ter perdido óleo, que bastava sangra-la e voltar a por óleo e tudo estaria certo…
Chamei a Assistência em Viagem, que me levou a moto para o stand Honda mais próximo – Victor Devine. (http://www.victordevine.com/)

Naturalmente eu insistia que a moto tinha levado uma embraiagem nova, (que tinha feito até aquele momento apenas 11.000 km). Eles tentaram descobrir o que se passava mas nada do que fizessem resolvia o problema.
Então, apenas no dia seguinte, decidiram desmontar a embraiagem… descobriram que esta tinha discos danificados e que o Server Cylinder (conheço a peça mas não sei o nome em português) não funcionava e por isso tinha provocado o estrago na embraiagem.

Neste trabalho, na espera de peças e com o fim-de-semana a meio, eu perdi 5 dias de viagem, dinheiro de marcações de dormidas, dinheiro de novas dormidas e 863.99 £ no arranjo da moto… Trouxe comigo um relatório do que foi descoberto e feito lá, trouxe também as peças substituídas…

Quando fui à oficina, cá em Portugal, fui recebida com desconfiança, como se tudo tivesse sido desnecessário, as peças que trouxe não provavam nada, em Glasgow quiseram ganhar dinheiro comigo, a moto andava com a embraiagem danificada sim senhor e, por fim, a avaria podia acontecer a qualquer moto, o tal Server Cylinder até é uma peça que nunca avaria, por isso foi um azar avariar na minha moto…

A questão que eu ponho é, se eu tivesse comprado aquela moto e ido de viagem e me tivesse acontecido aquilo a oficina garantia-a, mas como era minha não garante nada, mesmo tendo a moto sido recentemente (como SEMPRE) assistida lá!

Perguntam-se porque vos escrevo agora, e não antes… porque alem de não conseguir o vosso endereço, queria ver como a moto se comportava depois de tudo aquilo, dado que quer se queira ou não é uma moto com muito desgaste – e ela continuou como se nada tivesse acontecido! Logo o problema que teve não foi “culpa” dela…

Por outro lado custou-me muito pôr em questão uma oficina/stand que muito preso, gosto das pessoas, considero-as bastante… sempre me emprestaram outra moto quando deixei a minha para revisão… Nunca tive razão de queixa do serviço mas, a primeira vez que algo corre mal, não mereci consideração!

Pensei que iria superar esta frustração, mas alguém que gasta tanto dinheiro todo o ano e todos os anos como eu, merecia, pelo menos, a consideração de um “essa peça normalmente não bloqueia assim, mas nós não a verificamos, por isso fazemos um acordo de maneira a ninguém perder tudo, fica com um crédito de 2 revisões (por exemplo) ”… não tive direito a nada, (nem dinheiro tenho para pagar a revisão seguinte que fiquei a dever) senão a trabalhar para pagar os quase 1000€ que este azar trouxe à minha vida, e que vão comprometer, não só a viagem que estava a planear fazer no ano que vem, como todo o meu dia-a-dia, num momento em que o meu ordenado emagreceu tanto… e eu continuo a andar de moto todos os dias!

Sou uma mulher que viaja literalmente sozinha na sua Honda, sem ajuda nem companhia de ninguém, num mundo onde a esmagadora maioria dos viajantes é homem e viaja em grupos de BMWs! O que ganho com isso? Até agora viagens “sagradas” sem problemas! A partir de agora? O receio do “tudo pode acontecer” e depois a Honda Mototur não garante nada do que faz! Apenas faz e recebe o dinheiro do seu serviço, mas se correr mal… problema meu! No entanto eu faço grande promoção à marca e ao stand …

E a Honda Portugal o que garante a uma “eterna” e fiel cliente?

(Junto envio foto da fatura e do relatório de Vistor Divine)

Gracinda Ramos
Nº do quadro da moto JH2SC51A36M403127

O meu blogue onde registo algumas das minhas viagens:
https://gracindaramos.wordpress.com/

A oficina onde sempre foi assistida:
http://www.mototur.pt/

A oficina onde foi assistida em Glasgow:
http://www.victordevine.com/”

A Honda Portugal veio em socorro da minha Magnífica e ela terá um tratamento gratuito no SPA da Mototur!

Afinal a Honda protege os seus!

Beijucas

Parabéns Magnífica!

No seu 5º aniversário, parabéns a você!
E obrigada pelos 230 mil km de prazer…

**** **** ****

Eu sempre tive as motos que quis e não as que me aconselharam, ou as mais próprias, ou as possíveis. Houve épocas em que tive de lutar muito para pagar a moto que escolhi para mim, mas a vida também é feita disso!

Tive pena de trocar cada uma e tive e medo de me arrepender a cada troca! De todas as vezes a seguinte superou a que deixou para trás e suas memórias, calmamente, no seu lugar.

Neste momento, adoro esta moto, conduzo-a com todo o gosto e prazer, admiro-a todos os dias e delicio-me com a sua beleza. Tantos quilómetros depois eu só desejo a cada passo que ela continue a rolar assim, calmamente e sem percalços, porque eu não a quero trocar… não já!

Realmente há casamentos que não duram tanto e dos que duram, poucos duram de uma forma tão harmoniosa, cúmplice e alegre!

Continuo apaixonada por ela, a desenhar novos passeios e novas viagens!

Hoje foi dia de Furadouro para os Motoólicos!

 

Hoje estivemos no Furadouro e, um ano depois, “cumpriu-se” o que será pouco a pouco uma tradição: o primeiro encontro do ano dos Motoólicos! Aquele encontro em que a gente festeja esta sensação de estarmos juntos! Vamos promover este encontro no primeiro domingo de cada ano, enquanto existirmos, enquanto quisermos estar juntos por aqui!

Hoje foi um dia giro! Muitos foram os Motoólicos que se juntaram ali, tomamos café, conversamos, rimo-nos e distribuímos autocolantes entre nós.

Deste grupo grande, um grupo menor ficou para almoçar. Passeamos pela praia, apanhamos um pouco de sol, na Torreira, ali ao lado. Demos connosco a recordar o encontro do ano passado, a pensar como será o próximo.

Mas custa voltar para casa, assim, com um dia divinal cheio de sol, por isso ainda fomos até ao Freixo, para um último momento de convívio…

Hoje foi dia de Furadouro!

Este slideshow necessita de JavaScript.