7. Passeando pelos Balcãs… – Sisteron, La Spézia

3 de agosto de 2013

Naquele dia… tirei o dia para andar de moto!

Eu tinha dias destes nos meus planos, em que o que eu queria ver a seguir seria longe, por isso estava preparada para passear, para curtir a paisagem e as curvas da estrada de montanha, mas também para correr um pouco!

São estes dias, e tive alguns nesta viagem, que desentorpecem os meus sentidos e os da motita, depois de voltinhas a baixa velocidade por aqui e por ali.

Mesmo assim faço tudo sem stress, não há-de ser porque o meu destino é mais distante que eu desatarei a correr sem olhar para os lados. Cada dia é percorrido como se fosse o único da viagem, com todo o interesse e prazer de condução e passeio, parando sempre que me apetecer, para ver, fotografar, desenhar ou comer. Se se fizer tarde e chegar ao meu destino durante a noite, tanto pior, o meu Patrick GPS que faça o seu trabalho e me leve à porta de “casa” e se não o souber fazer… logo se verá!

Por isso ainda me dei ao luxo de andar para cima e para baixo no mapa e de tirar algumas fotos de montanha, quando o prazer foi em altitude e curvas alucinantes!

Para mim passear pela montanha, neste caso pelos Alpes, é, só por si, um delicioso encanto! Não precisa de ter nada mais para eu ser feliz!

À luz da manhã é que pude ver direito onde dormira, rodeada por montanhas extraordinárias!

E descobri também que ficava na “Route du Temps”, um nome bem sugestivo para um percurso perto do céu e a tocar o paraíso!

E mais à frente já se via o imenso vale onde se situa o penhasco de Sisteron.

Sisteron, entre a rota da grande produção de fruta e a rota da lavanda!

A cidadezinha não é tão encantadora como eu pensava! Quando a vemos de longe, com o penhasco encimado pela cidadela, temos a sensação de que é toda construída em pedra, com ruelas estreitas e onde os carros não podem entrar… e em parte é!

Mas tem também estradas cheias de carros e movimento e confusão, e as casas são cinzentas e o chão alcatroado ou de cimento!

Não me apeteceu subir até à cidadela, estava muito calor e tinha de subir ainda muito…

A perspetiva da cidade era muito interessante lá de cima. Sisteron, uma cidade cheia de história antiga que se estende desde os romanos, testemunhando todos os grandes momentos históricos do país, por se situar em ponto tão estratégico e de passagem obrigatória para tantos destinos!

Preferi passear-me pelo mercado de rua e deixar explorações mais profundas para uma visita posterior!

Eu queria ir a Castellane e à Gorge de Verdon, mas aquilo estava impossível de povo irrequieto por todo o lado! Tive de me obrigar a deixar para outra vez, quando eu programar passar ali a noite e visitar a garganta de manhã, porque naquele momento era impossível! Por isso amuei e segui até Rougon.

Subi até à aldeiazinha e, ao menos lá, não havia ninguém para além dos locais! Foi um alívio e uma pausa na paz!

Com os montes “rachados” como paisagem, os mesmos que se abrem para Verdon!

Eu tenho mesmo de ir explorar aquilo direito, pois se o rio Verdon é deslumbrante no seu percurso mais banal, nas gargantas deverá ser realmente extraordinário, com as águas turquesa e os penhascos a pique em seu redor!

E seguindo percursos de água logo a seguir fica o Lac de Castillon, provocado por uma barragem e cheio de beleza, com as suas águas turquesa com barquinhos a passear em cima!

E tinha de tratar de atravessar os Alpes para descer para Itália.

Estava numa zona cheia de passos de montanha interessantes, lá fui andando de curva em curva pelo Col d’Allos até aos 2.250m de altitude.

Há momentos em que a gente olha para o caminho percorrido e ele parece que está por todo o lado!

Entrei em Itália por uma das minhas fronteiras preferidas!

Pertinho de Barcelonnette, onde a seguir ao lago muito bonito fica a estrada extraordinária com este aspeto!

Depois vem mais montanha, estamos em Argetera.

E começa a confusão dos vilarejos e aldeolas, sem muito o que ver mas com muito transito e camiões à mistura!

É este ponto um dos únicos nas minhas viagens em que eu gosto de apanhar a autoestrada, pois é uma alucinação! Sempre que vou por aqueles lados passo ali da estrada nacional aborrecida para a autoestrada mais louca que se pode desejar! As velocidades variam entre os 80km, nos troços mais lentos e sinuosos, para os 130km/h nos mais rápidos e a gente parece que anda num carrocel, ladeado de paredes, repleto de curvas e com os carros a competir connosco! Adrenalina pura!

E cheguei a La Spézia, onde ficava a minha casa naqueles dias!

E foi o fim do 5º dia de viagem!

2 . Passeando pelos Balcãs… rumo à Roménia!

Cucu!

Cheguei em paz, depois de mais de 17.000 km de estrada e de prazer!

Muitas foram as vozes que se levantaram para me avisar, prevenir ou desencorajar de ir até à Roménia… mas muitas mais foram aquelas que me desejaram boa viagem e torceram por mim e me acompanharam virtualmente! A estes eu quero agradecer, aos outros quero dizer… se não conseguem ajudar não tentem prejudicar!

Há muito que o medo dos outros deixou de me enfraquecer e eu irei onde quero ir ainda que pareça que vou morrer por lá! E se um dia isso acontecer, paciência, terei sido feliz até ali e isso é que conta!

Todos os anos há algo de problemático para resolver e algo de doloroso para me acompanhar!
Este ano não foi exceção, o “problemático” foi com a máquina fotográfica que partiu uma peça e a assistência do seguro não foi célere o suficiente, por isso tive de comprar outra!

O “doloroso” foi com o meu polegar direito que está a precisar de ajuda cirúrgica com algo como uma Tenossinovite Estenosante, que durante a viagem parecia ir espalhar-se um pouco por todos os dedos da mão! Mas não houve problema, dói mas não me impede de conduzir, por isso tudo bem!

Assim aproveitei e comprei uma máquina fotográfica maior, para me permitir pega-la com a mão toda e não com a ponta dos dedos, já que o polegar não tem força nem agilidade! E tudo correu bem a partir daí, foi só andar e fotografar!

Como em todas as viagens que fiz até hoje, 3 ou 4 coisas direcionaram a minha atenção e me fizeram ir naquela direção, apenas 1 não realizei, por isso seguramente que voltarei!

Passei em 20 países, alguns (3) bem pequeninos, mas todos encantadores, cheios de gente boa, de paisagens deslumbrantes, de costumes curiosos e religiões diferentes. Cada país tem o seu encanto e sua simpatia e, quem viaja, não pode julgar um povo por uma experiência, mas tenho de concordar que ser-se bem recebido por alguém num país faz com que a disposição de lá voltar se afirme! Assim aconteceu com a Bósnia, onde parece que todos os polícias (e foram alguns) me mandavam parar, só para confirmar que eu era uma senhora e saber de onde vinha! Ou em Montenegro quando um jovem policia insistiu tanto para trocar a sua pequena scooter pela minha Ninfa… ou na Albânia que, não tendo dinheiro deles para comprar agua ia pedir para “negociar em euros” e uma senhora veio do bar, direta a mim, com uma garrafa de agua gelada, para me oferecer!

A Roménia foi aquele encanto esperado! Não podemos medir um povo pelos ciganos que tem, temos de o apreciar pela gente comum, pelas cidades e aldeias, limpas e bonitas, pela forma como nos recebem e falam para nós, o esforço que fazem para se fazerem entender!

20 países de prazer e descoberta, mas também de observação e meditação, para poder entender se posso e devo voltar! E sim, ficou marcada na minha mente uma viagem pelos novos países “descobertos”!

**

Como todos os anos a viagem foi antecedida pelo já tradicional ritual do partir do porco! Eu sabia que ele não estaria muito gordo, mas todo o dinheiro é bem-vindo!

Tinha ainda menos do que eu esperava… 610€…

Mas tudo bem, de qualquer forma eu nunca programo uma viagem contando com o dinheiro do porquinho! Planeio-a com o dinheiro que vou guardando mês após mês na minha conta e o porquinho apenas vai levando uma notinha de vez em quando e será para extras e ajuda na gasolina!

Este ano tive a sorte de ter o apoio da Mototrofa, que foi de grande ajuda e acabou por compensar o que não consegui juntar já que a moto ficou muito menos dispendiosa! Claro que toda a ajuda merece os seus autocolantes!

E ficou pronta e ficou linda!
Gosto da minha moto que tem corpo para se encher de autocolantes!

E pronto, fiz o saco e estava pronta para sair no dia seguinte!
Sim, o meu saco é aquela mochilinha, não se riam mas ali dentro cabe tudo o que preciso para vestir e cuidar de mim durante um mês e ainda por cima o pequeno portátil e os carregadores também!

O meu moçoilo ainda não estava familiarizado com a máquina nova e as fotos da partida ficaram um bocado tremidas! Mas aqui estou eu na hora de partir!

E parti para a primeira etapa que seria Saragoça!

Beijucas

(continua)

1. Passeando pelos Balcãs… rumo à Roménia!

Cucu!

Há coisas inevitáveis, não adianta lutar contra elas!

A gente junta dinheiro, ele é pouco, pensa em não ir a lado nenhum, em ficar e poupar… mas a realidade é que se eu não for, ele acaba por se ir! Porque estou insatisfeita, porque estou irrequieta, e vou andar para um lado e para o outro, e porque estou de férias, que se lixe, até vou almoçar aqui ou ali, e dou mais uma voltinha… e no fim não fui a lado nenhum para poupar e nada poupei…

Vivo rodeada de gente que não pode mais ir mas viajou antes, de gente que nunca foi a lado nenhum e não poderá mais ir, de gente que esperava melhores dias para fazer coisas… e vieram dias piores…

Vou partir de novo sim, poderá ser a última ver que viajo por muito tempo, por isso eu vou!

A MotoTrofa apoia esta viagem e os seus autocolantes ficaram muito bem, a motita está pronta e linda!

A pouco mais de uma semana de partir deixo aqui o mapa “liso” do que pretendo fazer!

Foi feito apenas com os pontos de dormida por isso não está ainda “floreado” com as voltinhas que pretendo dar, mas já dá para ver por onde vou andar!

Espero ir dando noticias!