Amigos que partem…

Vou-me habituando à ideia de que não há momento

para as coisas acontecerem, nem as boas nem as más…

Nunca sabemos o que nos espera, na próxima curva do

caminho, na próxima dor de cabeça, na próxima viagem…

Se por um lado não devemos viver na inconsciência do

“vale tudo”, porque amanhã pode ser tarde demais;

também não podemos permanecer na espera do

momento ideal para viver e morrermos sem termos vivido!

Sou vulnerável e sofro por essa vulnerabilidade,

não podendo excluir a possibilidade de algo me acontecer

a mim ou aos meus entes mais queridos, amigos próximos…

Cada vez que desaparece uma pessoa nova demais

é como se o mundo estivesse errado, a ordem das coisas

fosse afinal desordem! Como se o mundo não pudesse ser assim!

Pensamos em injustiça, mas o mundo continua a girar

e nada volta mais a ser o que era… temos de nos adaptar…

Aos meus amigos

Há um mês eu escrevia:

Há momentos maus na nossa vida que servem para que a gente se aperceba de tudo de bom que ela nos dá!

Tanto tempo doente, mergulhada na dor, serviu para eu sentir o calor da amizade de todos os meus queridos amigos que se preocuparam comigo, e quiseram saber de mim, e telefonaram, e tentaram ajudar.

Serviu para eu sentir que não estou sozinha, que não sou apenas uma espécie de ilha que se visita porque se precisa de meditação e apoio e se abandona para esquecer, pois ela estará sempre lá, viçosa e intocável, sem precisar de ninguém para se recompor.

Serviu para sentir que há muitas formas de gostar ou de amar, mas só uma, inequívoca, de o mostrar: ”estando lá” , nem que seja a quilómetros de distância, para dizer “estou contigo”!

Serviu para eu sentir como a felicidade é possível, aconteça o que acontecer! Mesmo quando a dor já nos deixa exaustos, o corpo mortificado nem responde mais e a incerteza se instala cá dentro…

Serviu para eu sentir como tenho junto de mim alguém que se preocupa muito comigo e me quer bem!

Hoje faz um mês e meio que esta dor me atacou e, embora ainda não me tenha deixado totalmente, eu estou feliz!