1. Passeando pelos Balcãs… rumo à Roménia!

Cucu!

Há coisas inevitáveis, não adianta lutar contra elas!

A gente junta dinheiro, ele é pouco, pensa em não ir a lado nenhum, em ficar e poupar… mas a realidade é que se eu não for, ele acaba por se ir! Porque estou insatisfeita, porque estou irrequieta, e vou andar para um lado e para o outro, e porque estou de férias, que se lixe, até vou almoçar aqui ou ali, e dou mais uma voltinha… e no fim não fui a lado nenhum para poupar e nada poupei…

Vivo rodeada de gente que não pode mais ir mas viajou antes, de gente que nunca foi a lado nenhum e não poderá mais ir, de gente que esperava melhores dias para fazer coisas… e vieram dias piores…

Vou partir de novo sim, poderá ser a última ver que viajo por muito tempo, por isso eu vou!

A MotoTrofa apoia esta viagem e os seus autocolantes ficaram muito bem, a motita está pronta e linda!

A pouco mais de uma semana de partir deixo aqui o mapa “liso” do que pretendo fazer!

Foi feito apenas com os pontos de dormida por isso não está ainda “floreado” com as voltinhas que pretendo dar, mas já dá para ver por onde vou andar!

Espero ir dando noticias!

Desenhos de viagem 8

Porto 1997

Eu já me vesti muitas vezes de menina, fenómeno que se foi tornando cada vez mais raro ao longo da minha vida… pelo menos no que se refere a usar vestidinhos e coisas do género, porque de resto nunca me considerei masculina! Não é só o hábito que faz o monge!

Roma 1994

E quando estava na Suíça a estudar, fizemos uma visita de estudo a Roma. Ao partir de Genève desencontrei-me do grupo, alunos e professores, e perdi o comboio. Apanhei o seguinte e cheguei a Roma quando eles já tinham partido para visitar a cidade! Claro que fiz outro tanto e lá fui explora-la por conta própria! Constatei que naquele primeiro dia vi muito mais da cidade do que eles em grupo! A visão do Coliseu foi avassaladora, fiquei muito tempo ali a olhar, eu não imaginara que ele podia ser tão grande!

Suíça 1994 – O castelo de Chillon e o Lago Leman

Suiça 2012 – O lago dos Quatro Cantões

Uma pergunta que me fazem frequentemente, é se eu continuo a desenhar a Suiça…
Sempre! Desenho-a a cada vez que lá volto e, na última viagem fartei-me de o fazer, porque tinha muitas saudades de a ver surgir da ponta da minha caneta ou dos meus pinceis!

Suíça 2012 – Surselva – Graubünden

Suíça 2012 – Bernese Oberland ou as Highlands de Berna

Suíça 2012 – O Glaciar de Oberaar

Percorrer o estreito caminho pela montanha, junto ao Grimselpass, é uma experiencia única! Ninguém percorre aquele caminho, apenas quem o conhece, há um tempo para o percorrer na ida e outro para o percorrer na volta. Nada me perturba, demoro o que quero… sento-me e desenho e sinto-me no coração do glaciar!

Desenhos de viagem 7

Cucu!

E como já há uns dias que não mostro um desenho meu… cá vai um autorretrato, feito no livro que acompanhou a minha estadia na Suíça e depois por algumas viagens, quando comecei a viajar de moto para todo o lado.

Portugal 1999

É verdade, eu não faço só desenhos rápidos, embora em viagem sejam os que me dão mais prazer fazer, mas este foi feito na escola, enquanto a miudagem desenhava também! Não há como dar o exemplo e desenhar com eles!

Suíça 1995 – Genève e o Jato de Água

Eu passava muito tempo junto ao lago, quer do lado do Jato de Água, quer na outra margem… desenhei aquela zona diversas vezes… eu sabia que iria ter saudades daquilo tudo, um dia…

Suiça 2012 – Montreux e o castelo de Chillon

Eu tenho mais desenhos deste castelo, feitos nas diversas vezes que lá fui. É um castelo que sempre me fascina e onde volto sempre que passo perto! No ano passado estive junto dele à espera que o sol se pusesse e voltei a encantar-me!

Suiça 2009 – Berna e o Zytglogge, o relógio do tempo

Berna é aquele pequeno mundo medieval que se visita a qualquer momento e apetece voltar! As arcadas protegem quem se passeia por elas, como protege quem se aninha e desenha. Eu tinha perdido o meu GPS ali e estava tão infeliz quando fiz este desenho…

Escócia 2011 – Ilha de Skye

Mas há outro tipo de desenhos que faço em viagem! Porque desenhar nunca é uma obrigação! É, apenas e sempre, um prazer, por isso há momentos em que um desenho corre menos bem, ou dá-me aquela “coisinha” e faço um boneco maluco, embora inspirado no que sinto, vejo, ou necessito no momento!

Escócia 2011 – Glen Coe

Outras vezes invento ambientes marados, meio monocromáticos, compostos de exercícios de relaxamento e descontração da mão, quando esta está tremula de conduzir muito e viver muitas emoções!

Suíça 2012 – Davos

E o pintar e rabiscar relaxa mesmo! Estava no topo do mundo, na cidade mais alta da Europa, o coração serena e o céu está quase ao alcance da mão! Então, no meio de desenhos mais “lúcidos” saem criações livres, que não são nada, além de sensações e prazer de rabiscar e colorir!

Desenhos de viagem 6

Um dia, quem sabe, sai um livro?!
Para já, é apenas o prazer da liberdade de fazer o que me dá na telha!

O que eu gosto numa viagem é que posso juntar tudo o que gosto ao mesmo tempo:

– Conduzo para caramba,
– Vejo e visito o que quero,
– Descubro e conheço coisas deslumbrantes,
– Fotografo o que me fascina
– Desenho o que me apaixona!

Que mais posso querer da vida?
Apenas dinheiro para continuar a ir!

Para quem tem a curiosidade de saber o que levo e o que uso para desenhar em viagem, aqui estão os materiais, coisas muito pequenas, que cabem num bolso, e a quantidade de livrinhos que encontrei na minha estante, mas acho que tenho mais por aqui!
Pelo menos um destes livros é do tempo em que eu desenhava mais em viagem do que fotografava, pois era mais barato… um dia se calhar abro-o um pouco para “o mundo”… talvez…

Os livrinhos:

Os livrinhos que encontrei na minha estante. Alguns estão mais cheios de pensamentos do que de desenhos, outros estão cheios de memórias antigas…

Os materiais:

Os materiais são de pequena dimensão e cabem num bolso: uma caixinha de aguarelas, canetas pretas, azuis e às vezes sépia, um lápis de minas (para não precisar de levar afia, borracha não preciso) e os pinceis de reservatório com aguadas já feitas em azul, preto e cinza (às vezes em sépia também)