Oh, a felicidade…

Quando se constrói sofrimento não se pode esperar felicidade! Porque a felicidade também está na atitude. Quem chora por tudo, quem dedica todo o esforço ao que queria que a vida fosse, não tem mais energia para alimentar a felicidade… e dá trabalho ser-se feliz!

Mas a vida é difícil, mas o sofrimento vem sem bater à porta, impõe-se, avassala-nos!

E não podemos dar-lhe toda a atenção, apenas isso! Porque tenho de dedicar todo um vocabulário elaborado para exprimir a dimensão do sofrimento e, quando estou feliz, rematar com um breve “estou a rir-me como uma tolinha!”?

Não deveria merecer, a alegria e a felicidade, muito mais esforço da minha parte?

Se há momentos em que estou cansada de viver… outros há em que estou cheia de vida e são estes que fazem a vida valer a pena…

1. Passeando pelos Balcãs… rumo à Roménia!

Cucu!

Há coisas inevitáveis, não adianta lutar contra elas!

A gente junta dinheiro, ele é pouco, pensa em não ir a lado nenhum, em ficar e poupar… mas a realidade é que se eu não for, ele acaba por se ir! Porque estou insatisfeita, porque estou irrequieta, e vou andar para um lado e para o outro, e porque estou de férias, que se lixe, até vou almoçar aqui ou ali, e dou mais uma voltinha… e no fim não fui a lado nenhum para poupar e nada poupei…

Vivo rodeada de gente que não pode mais ir mas viajou antes, de gente que nunca foi a lado nenhum e não poderá mais ir, de gente que esperava melhores dias para fazer coisas… e vieram dias piores…

Vou partir de novo sim, poderá ser a última ver que viajo por muito tempo, por isso eu vou!

A MotoTrofa apoia esta viagem e os seus autocolantes ficaram muito bem, a motita está pronta e linda!

A pouco mais de uma semana de partir deixo aqui o mapa “liso” do que pretendo fazer!

Foi feito apenas com os pontos de dormida por isso não está ainda “floreado” com as voltinhas que pretendo dar, mas já dá para ver por onde vou andar!

Espero ir dando noticias!

Falando de felicidade…

Há quem diga que a felicidade é fugidia, ou que não existe sequer.

Eu digo que, tal como o amor, não se procura, se calhar nem se encontra… aprende-se!

Hoje persegue-se desesperadamente a felicidade e é-se infeliz na mesma proporção desse desespero!

Porque ser-se feliz é também saber-se viver sem felicidade e não nos importarmos com isso, porque não se pode, simplesmente, ser feliz todos os momentos do nosso dia, ou todos os dias da nossa vida!

Problemas existem e temos de saber viver com eles.

Então ser-se feliz é uma capacidade que se tem ou não, que se alimenta ou não, mas que se pode aprender!

Esta capacidade passa pelo saber-se usufruir do que a vida nos vai dando de bom, sem a permanente insatisfação de querer o muito bom e perseguir o fantástico, mesmo sendo inatingível, mesmo sendo desnecessário, mesmo sendo supérfluo… mas saber-se superar o mais positivamente possível dissabores, imprevistos e problemas, que vão surgindo sem ninguém os pedir.

A felicidade não deverá ser apenas um destino, como alguém disse, e sim um modo de viajar!

Não devemos, por isso, negligenciar os momentos agradáveis que vão brindando o nosso dia-a-dia, “guardando-nos” para o grande momento que há-de vir, pois por vezes o melhor da festa está nos preparativos e não na festa em si!

Quantas pessoas deixaram de sair ou passear um pouco porque não havia tempo a perder e isso é para as férias… e essas férias acabaram por nunca chegar…

Quantas pessoas deixaram de “perder” tempo com os filhos para poderem ter tempo para trabalhar mais e dar-lhes uma vida melhor… sem os pais por perto….

Quantas pessoas simplesmente perderam a capacidade de lutar pelos seus sonhos, porque isso é coisa de adolescente… e foram envelhecendo amargos numa vida sem cor…

Quantas pessoas acham que nunca vão ser felizes porque nunca poderão ter o que sonharam… porque sonham muito alto, muito mais, muito fora do que seria necessário para serem verdadeiramente felizes….

(mim, moi, je)

A vida é menos criativa que nós a inventar situações ruins!

Há preocupações que são infrutíferas e incompreensíveis!

Como se pode viver na ansiedade do pior que pode acontecer, sem entrar em rutura com o equilíbrio emocional?

“Mas se …” dizem-me logo, quando tento fazer ver que o medo não ajuda a resolver coisa nenhuma!

Mas se realmente acontecer o que tanto tememos? Estaremos tão enfraquecidos pela ansiedade e pela cisma do sofrer por antecipação, que não teremos forças para reagir!

“E não te preparas para o pior?”

Claro que sim!

Mas preparar-me para o pior é desenhar estratégias para o superar, e não viver angustiada dia após dia, até os nervos falirem e a depressão tomar conta de tudo, mesmo antes de o pior chegar!

Quando o queixume se torna num vicio, a sensação de inevitabilidade confunde-se com a única sensação possível! Olha-se para a alegria dos outros e deseja-se ser assim mas continua-se a alimentar a dor e o sofrimento. Espera-se que o sofrimento desapareça sozinho e, como isso não acontece, culpa-se a má sorte, a solidão, a falta de oportunidade, sem se deixar de chorar e de queixar. O tempo passa e aceita-se este “não viver” com naturalidade, como se a alegria e a felicidade não fossem feitas para passar naquela porta.

Afinal o problema é que dá trabalho ser feliz…

(mim, moi, je)

Pensamentos ….

Amar é viver em paz, sem sobressalto, sem incerteza nem insegurança! Porque viver em êxtase, em receio, em alegria exacerbada, é paixão!

Amar é viver sem cobrar, sem pedir nem esperar, apenas dar e receber o que cada momento proporcionar! Porque cobrar, esperar, desejar, é egoísmo!

Amar é sentir uma lagrima rolar, quando um susto surge no frio da noite, ele não está bem, que é que ele tem? Porque viver sem sobressalto numa aflição é nem querer saber, “preocupem-se comigo mas eu não me preocupo com ninguem”!

Amar é nem contabilizar quanta falta ele nos faz, mesmo se somos independentes, mesmo se ficamos afastados algum tempo! Porque exigir fazer tudo junto, que nos acompanhe, que venha connosco é desrespeito pela essência dele…

Amar é nem sentir qualquer atração por quem passa, seja lindo ou seja atraente, porque não importa quem passa, meu coração é pequeno, só cabe um amor lá dentro… Porque fidelidade não existe, apenas existe vontade de fazer o que quero e o que eu quero não me interessa com qualquer um!

Amar é, independentemente do que cada um pensa, ou suspeita, ou diz, eu estar perto ou estar longe, mas o meu moçoilo estar comigo, mesmo que não venha, mesmo que não goste de viajar, mesmo que me acompanhe por mensagem no telemóvel ou no faceboook! Porque amar é respeitar o que cada um é e gosta e precisa de fazer para ser feliz, mesmo não estando ao nosso lado, mesmo não querendo ir connosco!

Amar é ser o que temos de ser para sermos felizes e completos, não importa o que cada um pense ou ache da nossa relação, porque viver dentro dos padrões considerados normais pode ser a maior anormalidade! Porque sermos como “fica melhor”, pode ser o prelúdio da infelicidade, a destruição de um sentimento ou o fim de um grande amor…

Tenho saudades de ti, moçoilo! “Goto munto de tu!” 😀 😀

(mim, moi, je)